O Prof. Eduardo R. Secchi esta atualmente desenvolvendo modelos de dinâmica populacional de cetáceos no laboratório de "Cetacean Ecology, Behaviour and Evolution”, School of Biological Sciences, Flinders University – Austrália. O trabalho tem por objetivo avaliar a viabilidade de populações e meta-populações de cetáceos. Entre as populações a ser analisadas, está a dos botos do Estuário da Lagoa dos Patos, que são os predadores de topo do nosso Sítio 8-ELPA, do PELD.

Resumo

 

 

A Mostra de Ciências e Conhecimentos (MOSTRA) é uma atividade que é realizada desde 2009 em Santo Antônio da Patrulha, RS, desenvolvida conjuntamente pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), a Secretaria Municipal de Educação de Santo Antônio da Patrulha (SEMED) e pelo Pólo Universitário de Santo Antônio (POLO). A MOSTRA faz parte das atividades desenvolvidas durante a realização da Semana de Ciências e Tecnologias em Santo Antônio da Patrulha. A I MOSTRA, realizada em 2009 foi organizada pelo POLO, em conjunto com a SEMED e pela Professora Ana de Fátima Padilha Rodrigues, Escola Estadual de Ensino Fundamental Felisberto Luiz de Oliveira. A partir da II MOSTRA, as atividades passaram a ser coordenadas em conjunto com a FURG, quando começaram a ser ofertadas as oficinas de atualização e suporte pedagógico às professoras do município. Em 2011 a III MOSTRA e em 2012 a IV MOSTRA foram realizadas com o apoio obtido junto a Chamada 051/2010 (processo 563636/2010-6) e a Chamada 025/2011 (Processo 552762/2011-3) .

 

Objetivos

 

É incentivar o desenvolvimento da educação em Santo Antônio da Patrulha, tendo como propostas incentivar o gosto pela pesquisa nos estudantes desde os primeiros anos da educação e cultivar o desenvolvimento de uma postura crítica e consciente dos estudantes. Entendemos que a educação não é um processo isolado, que necessita fortemente do apoio da família e da sociedade. Desta forma, realizamos também algumas palestras abertas ao público para debater temas de interesse geral da comunidade.

 

Responsável: Prof. Fernando Kokubun

Resumo

O projeto “Conectividade entre estuários e área costeira adjacente: metodologias de avaliação sobre o papel funcional da biodiversidade de peixes” visa participar do PROGRAMA CIÊNCIAS SEM FRONTEIRAS, EDITAL Nº 71/2013 – PESQUISADOR VISITANTE ESPECIAL-PVE, na ÁREA: Ciências do Mar, LINHA temática 1, sob a responsabilidade do Dr. João Paes VIEIRA Sobrinho, tendo como pesquisador convidado (PVE) o Dr. Henrique N. Cabral (Universidade de Lisboa, Portugal). Na equipe brasileira constam ainda os Drs. Alexandre Miranda Garcia e Fábio Lameiro Rodrigues. A proposta possui apoio do Programa de Pós Graduação em Oceanografia Biológica (PPGOB) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Objetivos

Aprofundar o conhecimento acerca da conectividade entre o estuário da Lagoa dos Patos e sua zona costeira adjacente, visando gerar subsídios para a gestão de recursos pesqueiros com marcada importância sócio-ambiental, como é o caso da pesca da tainha e da garoupa. Além das visitas do Dr. Henrique Cabral, estão previstas três bolsas de doutorado Sanduíche de 6 meses cada e duas bolsas de pós-doutorado (para recém-doutores portugueses). As equipes do Laboratório de Ictiologia (FURG) e do Centro de Oceanografia da Universidade de Lisboa já possuem um histórico de interação, sendo que o Dr. Henrique Cabral vem interagindo com países da América do Sul e África de forma bastante consistente e intensa. Embora já tenha composto, via conferência eletrônica, de bancas avaliadoras de alunos de doutorado do PPGOB, não houve até o momento oportunidade de financiar uma visita científica in situ do Dr. Henrique Cabral, a nossa Universidade. Portanto, a aprovação dessa proposta é crucial para consolidar e fomentar uma parceria científica, a qual já vem demonstrando ser profícua e promissora. Além disso, a temática do projeto está em clara sintonia com a política científica da FURG (Ecossistema Costeiro) e irá colaborar de modo efetivo para que o PPGOB, atualmente classificado como conceito 5 pela CAPES, amplie ainda mais seu grau de internacionalidade, que constitui um pré-requisito fundamental para atingir patamares superiores de excelência (conceitos 6 e 7) no contexto da pós-graduação brasileira.

Integrantes: João Paes Vieira Sobrinho - Coordenador / Alexandre Miranda Garcia – Integrante/ Fábio Lameiro Rodrigues - Integrante.

Financiador(es): CAPES - Auxílio financeiro.

Resumo

Este projeto visa ampliar o conhecimento sobre a biodiversidade da Zona Costeira Brasileira através do estudo comparativo de diferentes unidades de habitats dentro das regiões Sul, Sudeste e Nordeste, integrando o conhecimento sobre os padrões emergentes dos estudos das mudanças climáticas globais sobre o ecossistema costeiro. O projeto está estruturado por grupos ecológicos (Fitoplâncton, Zooplâncton, Nécton) e por grupos taxonômicos específicos (peixes e mamíferos marinhos), abrangendo diferentes unidades de habitats dentro das distintas regiões da Zona Costeira Brasileira (estuários, lagoas, baias, marismas e franjas de recifes de coral), tendo como subsídio dois projetos aprovados no Programa PELD Brasileiro que estudam relações de longo prazo no Estuário da Lagoa dos Patos, desenvolvido pelo IO-FURG, na Baía de Guanabara, promovido pelo consórcio UFRJ, UNIRIO UERJ LNCC), e da suporte ainda a um terceiro projeto sobre a ictiofauna estuarina e costeira do Estado de Pernambuco, desenvolvido pelas UFPE e UFRPE.

Objetivos

O projeto visa ampliar o conhecimento e entendimento da biodiversidade nacional, através do estudo de seus padrões e processos ecológicos e de suas relações com variáveis geofísicas e antrópicas, permitindo melhorar a capacidade preditiva de respostas da biodiversidade a mudanças globais, particularmente às mudanças de uso ambiental e mudanças climáticas.

Integrantes: João Paes Vieira Sobrinho - Coordenador / Gisela Mandali de Figueiredo - Integrante / José Henrique Muelbert - Integrante / Alexandre de Freitas Azevedo - Integrante / Alexandre Miranda Garcia - Integrante / Beatrice Padovani Ferreira - Integrante / Clarisse Odebrecht - Integrante / Denise Rivera Tenenbaum - Integrante / Eduardo Resende Secchi - Integrante / Flavia Lucena Frédou - Integrante / Jean Louis Valentin - Integrante / José Lailson Brito Junior - Integrante / Leonardo Evangelista Moraes - Integrante / Luciano Neves dos Santos - Integrante / Marcelo Vianna - Integrante / Thierry Frédou - Integrante.

Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

Resumo

 Este projeto propõe desenvolver pesquisas sobre o recurso pesqueiro Tainha (Mugil liza) na região Sul do Brasil, produzindo subsídios para construir um modelo ecossistêmico com o uso de ferramentas estatísticas bayesianas, visando fornecer subsídios técnicos para o GTT Tainha atingir as seguintes metas: a) A análise e realização de estudos que permitam avaliar a situação dos estoques de tainha na região sudeste e sul em vista do impacto da atividade pesqueira, considerando os dados biológicos e pesqueiros necessários para subsidiar a gestão da pesca de tainha; b) Compilar e avaliar informações sócio-econômicas da pescaria ao descrever as áreas de atuação da frota industrial, da pesca artesanal e de subsistência, sua dinâmica e características. A experiência recente do grupo proponente é resultado da execução de dois projetos pretéritos aprovados pelo CNPq, e que resultaram na realização de dois workshops/encontros sobre o Recurso Tainha (FURG em abril de 2012 e Mar del Plata Novembro de 2012).

Objetivos

1. aspectos relativos aos dados biológicos e pesqueiros necessários para subsidiar a gestão da pesca de tainha. (Monitorar a saúde genética do estoque Sul da tainha; Identificar a área de desova (~ massa d água) da tainha do sul do Brasil; Determinar variações no padrão de recrutamento mensal dos juvenis no RS; Testar a Hipótese de recrutamento constante no Estuário da Lagoa dos Patos; Testar a Hipótese ( sumidouro vs. habitat intermediário ) para o recrutamento da tainha na costa gaúcha).

2. aspectos relativos às informações sócio-econômicas da pescaria (Descrever as áreas de atuação da frota industrial, da pesca artesanal e de subsistência, sua dinâmica e características; Determinar, em função dos parâmetros dinâmicos já estudados, e com as novas informações, o potencial de captura sustentável da tainha;

Integrantes: João Paes Vieira Sobrinho - Coordenador / A. M. Garcia - Integrante / Jorge Pablo Castello - Integrante / Paul Kinas - Integrante / Fábio Lameiro Rodrigues - Integrante / Cassiano Monteiro-Neto - Integrante / Ana Cecília Giacometti Mai - Integrante / Valéria Lemos - Integrante / CHAVES - Integrante / MORAES, L. E - Integrante / Débora Fernanda Avila Troca - Integrante / MARINS, LUIS F. - Integrante / Mauro C. L. M. Oliveira - Integrante / Paulo Ricardo Schwingel - Integrante / Patricia Sfair Sunye - Integrante / Laura V. de Miranda - Integrante.

Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

Em construção

.

 

CAMARÃO-ROSA FARFANTEPENAUES PAULENSIS

 

Para estimar a abundância de pós-larvas na área de pré-recrutamento (região marinha adjacente ao ELP) e no interior do estuário, serão realizados arrastos de plâncton nas mesmas estações associadas ao fitoplâncton e zooplâncton. Para a estimativa da abundância relativa dos juvenis de camarão-rosa, serão realizados arrastos manuais (picaré) nas mesmas estações de coleta da ictiofauna. Nos locais mais importantes para assentamento da espécie (Ponta da Marambaia, Saco da Mangueira e Prainha), será utilizada uma rede de Renfro, para amostrar as pós-larvas recém assentadas e juvenis com pouca idade. Parâmetros ambientais (salinidade, temperatura, transparência da água e tipo de sedimento) serão obtidos para o posterior estabelecimento de correlação com variáveis biológicas. Enquanto não existe um consenso sobre o que seria um requerimento ambiental ideal para os camarões, resultados de estudos de longa duração podem indicar aspectos de qualidade e quantidade de habitat disponíveis como fatores importantes para a sua produção pesqueira. Para tal, os dados biológicos serão integrados a um modelo físico de circulação estuarina gerado durante o PELD 2009-2012. Os dados mensais coletados desde 1998, somados aos que serão obtidos (2013-2016), serão correlacionados com o modelo de circulação estuarina, no intuito de explicar a relação entre esses parâmetros e a presença das pós-larvas e juvenis na região e fornecer subsídios substanciados para estabelecer o período de defeso desta espécie no ELPA.

 

O Laboratório de Crustáceos Decápodos (LCD) vem desenvolvendo pesquisas e formando recursos humanos na área de ecologia e pesca de crustáceos desde a década de 70. Atualmente, o laboratório conta com 4 professores doutores do quadro permanente da Universidade, além de 2 pós-doutorandos. As pesquisas desenvolvidas, variam desde estudos de taxonomia básica, até a utilização de ferramentas inovadoras, como a biologia molecular para identificação de populações e o uso de sonar de varredura lateral para identificação e quantificação de marcas deixadas no substrato pelas redes de arrastos de fundo.

A infra-estrutura conta ainda com uma unidade de histologia aplicada a estudos reprodutivos e de determinação de idade, que conta com microscópio de epifluorescência e sistema de captura de imagens. Adicionalmente, o grupo vem desenvolvendo pesquisas na área de caracterização e quantificação dos descartes associados às pescarias de camarão, atividade que vem causando grandes impactos, especialmente nos ambientes costeiros. Uma das principais espécies investigadas é o camarão-rosa Farfantepenaeuspaulensis, que apresenta um ciclo de vida altamente complexo e de difícil entendimento. Nesse sentido, pretende-se desenvolver modelos capazes de prever o recrutamento desta espécie no Estuário da Lagoa dos Patos, utilizando para tal, variáveis biológicas, meteorológicas e oceanográficas. É ainda importante ressaltar, que esta espécie apresenta uma grande importância econômica e social para a região sul do país tornando a sua pesquisa de extrema relevância para o desenvolvimento da região.

 

gege

 

Resumo

O estuário da Lagoa dos Patos tem sofrido modificações na sua dinâmica hidrológica e ecológica durante as últimas décadas, por causas tanto naturais como antrópicas. Dentre estas, destacam-se reduções na abundância e modificações na estrutura da vegetação aquática submersa (VAS), particularmente das pradarias dominadas pela fanerógama marinha Ruppia maritima. Embora possam tolerar um amplo regime de luz, temperatura e salinidade, hidrodinâmica e dinâmica sedimentar são fatores chaves para o estabelecimento, desenvolvimento e permanência das pradarias no estuário da Lagoa dos Patos. A análise dos últimos 30 anos mostrou que a variabilidade interanual e interdecadal das populações é correlacionada com as variações da descarga fluvial e suas conseqüências para a qualidade da água e dinâmica sedimentar. O processo anual de reestabelecimento é bastante complexo e variável, dependente do banco de sementes e da disponibilidade de nutrientes no sedimento, da estabilidade sedimentar e hidrológica durante o estabelecimento de plântulas, da abundância de outros produtores primários (microfitobentos e algas de deriva), entre outros aspectos. Nos últimos anos tem sido observadas ainda fase shifts ou transições para estágios dominados por macroalgas de deriva. As causas e conseqüências ecológicas do aumento e persistência destas algas no estuário da Lagoa dos Patos ainda foram pouco investigadas. Mundialmente, a redução de hábitats de pradarias acarretam consequências negativas aos ecossistemas costeiros, comprometendo a sustentabilidade das atividades pesqueiras e de outros serviços ecológicos. Perdas destes habitats podem ainda alterar a hidrodinâmica e a estabilização de sedimentos em áreas rasas, além de  modificar a capacidade de estoque e seqüestro de carbono dos ambientes costeiros. O presente projeto objetiva estudar a dinâmica da VAS no estuário da Lagoa dos Patos, investigando as relações existentes entre modificações do regime hidrológico, qualidade da água e variações na estrutura e abundância das populações de plantas e macroalgas. Isto será realizado através do monitoramento contínuo da VAS e parâmetros abióticos da água, de avaliações sobre o banco de sementes do sedimento, da aplicação de técnicas de sensoriamento remoto e da sistematização e análise de banco de dados climáticos e hidrológicos.


Objetivos

Estudar a dinâmica da vegetação aquática submersa (VAS) no estuário da Lagoa dos Patos, investigando as relações existentes entre modificações do regime hidrológico, qualidade da água e variações na estrutura, abundância e distribuição das populações de plantas e macroalgas. Os objetivos e metas específicas são:

1) Consolidar o programa de monitoramento contínuo da VAS e dos parâmetros abióticos da água, iniciado pelo programa PELD em 1999;


2) Descrever a variabilidade espaço-temporal da distribuição e abundância da VAS, através da aplicação de técnicas de sensoriamento remoto;


3) Avaliar o ambiente sedimentar das áreas vegetadas, através de estudo sobre a abundância e composição do banco de sementes e de características físico-químicas do sedimento (granulometria, matéria orgânica, carbono orgânico);


4) Quantificar o estoque de carbono presente na vegetação e no sedimento das pradarias de fanerógamas submersas, durante a estação de crescimento;


5) Avaliar os efeitos de fatores climáticos e hidrológicos sobre a abundância, transporte e acúmulo de macroalgas de deriva nas enseadas rasas estuarinas;


6) Investigar os efeitos do acúmulo de marés verdes sobre as comunidades bentônicas (fanerógamas marinhas e macrofauna);

 
7) Sistematizar um banco de dados bióticos e abióticos sobre os hábitats vegetados submersos do estuário da Lagoa dos Patos, integrado aos programas de monitoramento ReBENTOS, SeagrassNet and Global Coastal Carbon Data Archive.

Participantes: Margareth Copertino (Coordenadora); Evlyn M. L. M. Novo; Waterloo Pereira Filho; Carlos Alberto Eiras Garcia, Marianna Lanari.

Financiamento: CNPq

 

Resumo

Habitats de fanerógamas marinhas estão globalmente em declínio, por causas antropogências e naturais, sendo também altamente vulneráveis aos impactos causados pelas mudanças climáticas globais. Dentre as prováveis conseqüências das mudanças climáticas, destacam-se mudanças latitudinais na distribuição das espécies, assim como modificações na composição e abundância das comunidades. Devido ao aquecimento global, por exemplo, espera-se que espécies tropicais ampliem sua distribuição em direção a regiões temperadas, além do aumento na incidência de macroalgas oportunistas. Com quase 9.000 km de extensão, o litoral brasileiro é ideal para testar hipóteses sobre possíveis modificações na distribuição geográfica das espécies e na composição das comunidades. Duas espécies de fanerógamas marinhas que ocorrem no Brasil estão na lista de vulneráveis: 1) Halophila baillonii descrita para apenas um local do Nordeste e 2) Halodule emarginata, endêmica do Brasil, cujo status foi considerado insuficientemente conhecido. Para implementar monitoramentos eficientes, com escala geográfica relevante, e identificar os efeitos de mudanças climáticas sobre os habitats de fanerógamas marinhas submersas, precisamos de informações sobre a composição específica, distribuição geográfica e extensão das pradarias brasileiras. Tais informações são fundamentais ao planejamento da conservação e manejo destes habitats, particularmente com relação aos estudos sobre a resiliência destas comunidades.
As fanerógamas marinhas possuem ainda papel importante como depositórios de carbono costeiro (“carbono azul”). Embora as estimativas recentes apontem para valores surpreendentes de estoques e taxas de seqüestro, existem ainda grandes incertezas científicas e muitas lacunas regionais a serem preenchidas. A área global ocupada por fanerógamas marinhas não esta completamente mapeada, e pouco se sabe sobre as taxas de perda destes ecossistemas, com enormes lacunas existentes no Brasil e América do Sul.


Objetivos

Mapear e quantificar a extensão de habitats formados por fanerógamas marinhas no Brasil, de modo a subsidir estudos sobre os efeitos de modificações antropogênicas e mudanças climáticas globais, e futuras ações de manejo e conservação destes habitats costeiros. Os objetivos específicos são:

 

1) Avaliar o estado atual do conhecimento sobre a biodiversidade, abundância e aspectos ecológicos das pradarias de fanerógamas marinhas no litoral brasileiro
 

2) Identificar e mapear os principais bancos de fanerógamas marinhas da costa brasileira, avaliando sua distribuição, extensão e dinâmico espaço-temporal;
 

3) Realizar diagnósticos sobre a saúde ou estado de conservação dos habitats de pradarias de fanerógamas marinhas do Brasil;
 

4) Investigar padrões que expliquem a distribuição biogeográfica atual das pradarias de fanerógamas marinhas brasileiras;
 

5) Estabelecer e consolidar uma rede de pesquisa nacional que vise o estudo e monitoramento contínuo das pradarias;
 

6) Gerar um modelo preditivo para explicar a distribuição espacial das espécies e a abundância das populações de fanerógamas marinhas brasileiras;

 

Participantes: Joel Creed (Coordenador); Karine Magalhães; Margareth Copertino; Paulo Horta


Financiamento: CNPq

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Resumo

As respostas das comunidades e populações às mudanças climáticas em ecossistemas marinhos podem se acomodar mais rapidamente no oceano aberto (e.g. por migração) do que em regiões costeiras, onde a mobilidade das espécies é mais restrita e os impactos antrópicos mais severos. Os efeitos das mudanças climáticas somam-se a diversas outras pressões que estes ambientes já sofrem como poluição aquática, sobrepesca e perda ou fragmentação de habitats. Os habitats intermareais e do infralitoral raso poderão estar comprometidos com a elevação do nível do mar, devido à ocupação humana, às modificações e impactos no pós-praia e planície costeira e interação com os ecossistemas naturais adjacentes (terrestres ou de água doce). No Brasil, a pesquisa sobre a estrutura e funcionamento das populações e comunidades dos ecossistemas costeiros encontra-se fragmentada e não focada na avaliação dos impactos antrópicos e das mudanças climáticas. Desta maneira, diferentes protocolos são aplicados por cada grupo de pesquisa e região. Embora possa responder bem questões específicas e localizadas, isto tem dificultado comparações e integração dos dados, impossibilitando maiores avaliações sobre a situação dos habitats bentônicos e das suas comunidades, assim como a detecção de modificações, independente de suas causas. Adicionando-se ao fato de que muitos dos resultados destas pesquisas não estão disponíveis para a comunidade internacional, a costa brasileira ainda permanece fora das avaliações globais sobre as conseqüências de modificações antrópicas e climáticas. Neste aspecto é imperativo a integração de pesquisadores da área, a consolidação do conhecimento existente e a implementação de uma rede observacional contínua e permanente.


ReBentos - Projeto Praias Arenosas

Objetivos: propiciar condições para a consolidação de uma rede de pesquisa para investigar a vulnerabilidade de praias arenosas e os efeitos de alterações ambientais sobre a biota destes ambientes na costa brasileira.

1. Identificação de iniciativas existentes – identificar redes existentes que busquem avaliações como as propostas aqui em praias arenosas em outros locais do mundo; contatar seus responsáveis para discutir, virtualmente, sobre protocolos e formas de integração dos dados;
2. Definições metodológicas – definir um protocolo de coleta baseado na estrutura da rede, de modo a ter uma avaliação geograficamente ampla somada a uma abordagem temporalmente contínua;
3. Captação de recursos adicionais – estabelecer uma estratégia para captação de recursos adicionais pelos participantes da rede para realização das atividades de campo e complementação da estrutura laboratorial;
4. Levantamento de dados – dar início à obtenção de dados biológicos, considerando a
macrofauna de praias arenosas e o caranguejo Ocypode quadrata, bem como a avaliação de parâmetros abióticos;
5. Avaliação e acompanhamento – sistematizar e divulgar os resultados obtidos em workshops anuais internos e em reuniões anuais do SISBIOTA-Brasil, bem como em canais tradicionais de divulgação científica;
6. Sustentabilidade da rede – estabelecer uma estratégia de ação que contemple a continuidade das atividades e os desdobramentos do projeto, como ações voltadas para a conservação da biodiversidade de praias arenosas e propostas de políticas públicas para o manejo desse ambiente.

Coordenadora: Dra. Antônia Cecília Amaral.
Participantes: Dr. Alexander Turra, Dr. Ângelo Fraga Bernardino, Dr. Carlos Alberto Borzone, Dr. Leonir André Colling; Dr. Francisco de Barros Junior; Dr. José Souto Rosa Filho, Dr. Paulo Lana, Dra. Valéria Gomes Veloso.
Órgão Financiador: CNPq

ReBentos - Projeto Estuários (Mangues, Marismas e Fundos não-vegetados)

Objetivos: os esforços para a conservação dos ecossistemas estuarinos no Brasil são extremamente importantes, mas em geral restringem-se a estudos de natureza local ou regional. Os métodos e práticas adotados nestes estudos são também variáveis, inviabilizando a formação de um banco de dados coerente e consistente que auxilie o monitoramento destes sistemas em vista das mudanças climáticas projetadas. Este projeto pretende promover a padronização de métodos e técnicas mais adequadas para os desafios atuais, com o objetivo de:

1. Induzir e consolidar uma rede de estudos de manguezais e marismas, que incorpore a dinâmica da vegetação com o bentos, integrando grupos de pesquisa das principais regiões biogeográficas brasileiras;
2. Iniciar a montagem de uma inédita base de dados a nível nacional, a partir de métodos padronizados, que forneçam subsídios científicos para a conservação e manejo destas áreas;
3.  Identificar e viabilizar estudos da biodiversidade e funcionamento bentônicos em áreas prioritárias para monitoramento de longa duração de manguezais e marismas (em consonância com as PELD-CNPq);
4. Promover a captação de financiamentos junto às fundações de amparo à pesquisa estaduais e da iniciativa privada, dentro do objetivo geral do SISBIOTA/CNPq, visando o estudo, levantamento de dados e monitoramento de áreas estratégicas para a coservação destes ecossistemas;
5. Promover a internacionalização de grupos de pesquisa brasileiros com projetos de conservação mundiais destas áreas, e fomentar a formação de recursos humanos de alta qualidade.

Coordenador: Dr. Ângelo Fraga Bernardino; Colaboradores: Dr. César Bonifácio Costa, Dr. Francisco Barros, Dr. Leonir André Colling, Dr. Mario Soares, Dr. Paulo Lana, Dr. Paulo Pagliosa, Dr. Sérgio Netto, Dra. Yara Scheffer Novelli.
Órgão Financiador: CNPq

ReBentos - Projeto Fundos Submersos Vegetados

O objetivo é estruturar e consolidar uma rede de pesquisa nacional, para investigar o estado atual do conhecimento científico e de conservação dos fundos marinhos vegetados, assim como diagnosticar a vulnerabilidade destes habitats às alterações ambientais, sejam estas naturais, antrópicas ou decorrentes das mudanças climáticas globais. A rede visa obter informações sobre a distribuição, abundância e composição das pradarias de plantas submersas (fanerógamas marinhas e macroalgas associadas) e a influência da sua presença/ausência sobre a diversidade e abundância da macrofauna bêntica. O projeto visa promover uma discussão sobre a logística e protocolos metodológicos aplicados, assim como as ações que deverão ser desenvolvidas por pesquisadores e grupos situados nas mais diversas regiões do país.
Os objetivos específicos do projeto são:

1. Avaliar o estado atual do conhecimento sobre a biodiversidade e ecologia das comunidades dos habitas vegetados submersos em regiões costeiras e estuarinas, assim como o estado de conservação e saúde destes sistemas;
2. Realizar um diagnóstico preliminar sobre os possíveis impactos das mudanças climáticas sobre fundos submersos vegetados da costa brasileira, através do monitoramento contínuo e da otimização de banco de dados pré-existentes, os quais contêm informações sobre dinâmica física dos ambientes costeiros e respostas ecológicas das populações e comunidades;
3. Identificar e mapear os principais bancos de fanerógamas marinhas da costa brasileira, avaliando sua distribuição, extensão e dinâmica espaço-temporal;
4. Definir e estabelecer protocolos sistemáticos e comparativos de monitoramento contínuo e permanente de parâmetros bióticos e abióticos dos fundos vegetados e áreas submersas adjacentes, que possa ser aplicado ao longo de toda a costa brasileira;
5. Estabelecer e consolidar a rede observacional à nível nacional, com adesão de grupos de pesquisadores que possam coordenar as ações de monitoramento nos locais pertinentes ao desenvolvimento de fundos vegetados.

Coordenador: Dr. Joel Creed. Colaboradores: Dra Antonia Cecília Amaral, Dr. Francisco Barros, Dr. Leonir André Colling, Dra. Margareth Copertino, Dr. José Souto Rosa Filho, Dr. Paulo Horta, Dr. Paulo Pagliosa, Dr. Sérgio Netto, Dra. Virág Venekey.
Órgão Financiador: CNPq

Resumo

 

O principal objetivo da proposta é desenvolver, através de rede, um programa para avaliar a vulnerabilidade e a adaptação dos peixes de áreas costeiras rasas aos impactos das mudanças climáticas. Estudos comparativos e padronização de metodologia em um ciclo anual de amostragens mensais padronizadas das assembléias de peixes e de tomadas de variáveis ambientais em hábitats estabelecidos e fixados (estuários, praias de baías e praias oceânicas) da região Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil serão realizados. Este modelo será complementado com um segundo ciclo de amostragens em bases trimestrais. Adicionalmente, serão feitos estudos de ecologia trófica, incluindo análise de isótopos estáveis, em espécies selecionadas (espécies-chave) e comuns, nas três regiões. Também serão utilizados dados pretéritos da ictiofauna acumulados ao longo das últimas décadas (Região Sudeste e Sul), bem como dados secundários de variáveis ambientais e oceanográficas para estabelecimento de modelos e predições.



Responsável e integrantes


Francisco Gerson Araújo (coordenador), João Paes Vieira, Alexandre Miranda Garcia, Andre Pessanha

Financiador: CNPq, FAPERGS

Resumo

O projeto tem como objetivos principais investigar o grau de eutrofização de diferentes regiões do estuário da Laguna dos Patos e avaliar a ocorrência de subsídios laterais na teia alimentar estuarina oriundo de seus ambientes límnicos e marinhos adjacentes. A partir do uso de isótopos estáveis e da análise de conteúdo estomacal de peixes, o projeto busca alcançar estimativas mais acuradas sobre os principais elos tróficos da teia alimentar estuarina, suas relações com ambientes limnicos e marinhos adjacentes e com possíveis variações sazonais. Concomitantemente, a proposta pretende testar a hipótese de relação entre a composição isotópica da biota (d15N) e o grau de eutrofização dos ambientes estuarinos visando avaliar o potencial que os isótopos estáveis possuem como ferramenta de monitoramento do impacto da poluição aquática na região. A presente proposta esta integrada noprograma PELD II e será complementada por dados e informações de longa duração obtidas no âmbito desse programa, as quais servirão de pano de fundo para o entendimento e a interpretação dos dados obtidos no presente projeto. A equipe técnica conta com colaboradores internacionais, bem como, com alunos de graduação e pós-graduação da FURG.



Objetivos

A partir do uso de isótopos estáveis, investigar o grau de eutrofização de diferentes regiões do estuário da Laguna dos Patos e a ocorrência de subsídios laterais na teia alimentar estuarina oriundo de seus ambientes límnicos e marinhos adjacentes

 

Responsável e integrantes


Alexandre Miranda Garcia (coordenador), João Paes Vieira, Kirk O Winemiller, David J. Hoeinghaus, Paulo Cesar O. V. de Abreu, Clarisse Odebrecht

Financiador: CNPq

 

RESUMO

O papel dos mamíferos marinhos no ecossistema não é bem compreendido, e é dificultado pelo deficiente conhecimento científico sobre as relações tróficas e de fluxo energético na teia alimentar. A plataforma continental do sul do Brasil situa-se no limite oeste da Convergência Subtropical, a qual, junto às descargas continentais e à variabilidade na circulação, influenciam fortemente as características fisico-químicas e biológicas da mesma. Esse funcionamento integrado e interdependente entre a zona costeira e oceânica é responsável por uma alta produtividade na plataforma continental, sustentando grandes biomassas em todos os níveis tróficos. Na plataforma interna, três espécies de mamíferos marinhos (o boto – Tursiops truncatus, a toninha – Pontoporia blainvillei, e o leão-marinho – Otaria flavescens) encontram-se em simpatria na região costeiras adjacente ao estuário da Lagoa dos Patos, onde a sobreposição de nicho trófico é um potencial fator afetando a ecologia alimentar das mesmas. Apesar destes predadores de plataforma continental interna terem suas dietas conhecidas, nenhum estudo até o momento focou na interação trófica entre as mesmas. Esta proposta tem como objetivo geral caracterizar a ecologia trófica e o uso de habitat pelos mamíferos marinhos do estuário da Lagoa dos Patos e áreas costeiras adjacentes, sul do Brasil por meio de isótopos estáveis de nitrogênio e carbono e elementos traço. As análises químicas serão realizadas a partir de amostras de dentes das três espécies, utilizando um espectrômetro de massa acoplado a um analisador de elementos, no caso dos isótopos e a técnica de ablação a laser seguida da análise num espectrômetro de massa e plasma indutivamente acoplado, no caso do Ba e Sr. A razão entre a concentração de nitrogênio-15 e nitrogênio-14, tipicamente apresenta um incremento entre níveis tróficos, permitindo desta forma, comparar a posição trófica de vários consumidores dentro de um mesmo ecossistema. O carbono, não sofre mudanças drásticas na sua relação de isótopos entre os níveis tróficos. Porém, são bons indicadores da produtividade primária ou dos substratos inorgânicos que sustentam essas redes tróficas, podendo diferenciar a procedência dos recursos alimentares (água doce vs. marinha, costeira vs. oceânica, bentônica vs. pelágica). A água marinha possui alto conteúdo de sulfatos, os quais reagem com o Bário (Ba), resultando numa forma estável de sulfato de Ba (barita) que precipita, removendo íons Ba2+ da coluna d'água. O estrôncio (Sr), embora se comporte de forma similar ao Ba, forma componentes mais instáveis e, por conseqüência, uma maior proporção de Sr dissolvido retorna ao ambiente. Assim, existe alta biodisponibilidade de Sr e baixa de Ba na água marinha em relação à água doce. Esta relação positiva do Sr e negativa do Ba com a salinidade pode ser detectada em tecidos inertes, como os dentes dos mamíferos marinhos. As razões de Ba/Ca, Sr/Ca e Ba/Sr serão utilizadas, pela primeira vez, para caracterizar os padrões de uso de habitats por espécies de cetáceos ao longo de gradientes de salinidade. Dado o exposto acima, esta proposta está orientada nas seguintes hipóteses ecológicas: i. As três espécies apresentam variações ontogenéticas na alimentação, as quais podem ser evidenciadas pela variação na composição de isótopos estáveis nas diferentes faixas etárias; ii. Existe uma superposição de nicho trófico entre as três espécies, a qual pode ser evidenciada através das composições de isótopos estáveis dos seus tecidos; iii. A dieta destas espécies e, por tanto, suas composições isotópicas, pode ser avaliada através dos valores isotópicos médios encontrados nas suas presas potenciais; iv. Estas espécies mudam sua dieta, e por tanto sua composição de isótopos estáveis, ao longo do tempo em resposta a pressões ambientais, como por exemplo sobre-pesca; v. Os valores médios das razões Ba/Ca e Ba/Sr que compõem as camadas de crescimento encontradas nos dentes de botos e leões-marinhos refletem as características ambientais (salinidade) dos locais onde habitam. As suas variações por tanto, refletem mudanças de habitat, nos indivíduos que se movimentam entre áreas distantes, ou mudanças no habitat de indivíduos residentes. O perfil de variação de Ba/Ca e Ba/Sr ao longo da vida dos indivíduos poderá revelar padrões temporais que refletem, possivelmente, marcadas variações interanuais no regime de chuvas na região, associadas a eventos climáticos extremos como o El Niño e La Niña. O estudo das posições e interações tróficas de mamíferos marinhos e dos padrões de uso do habitat na área costeira adjacente ao estuário da Lagoa dos Patos, representará um avanço importante para compreender o papel desses animais na dinâmica e funcionamento desse e outros ecossistemas marinhos.


Objetivo Geral

Caracterizar a ecologia trófica e o uso de habitat pelos mamíferos marinhos do estuário da Lagoa dos Patos e áreas costeiras adjacentes, sul do Brasil.


 

Objetivos Específicos

 Ecologia trófica
1) Estimar a idade dos exemplares de Tursiops truncatus, Pontoporia blainvillei e Otaria flavescens;
2) Analisar a concentração média de isótopos estáveis de carbono e nitrogênio em dentina de exemplares de cada espécie;
3) Estimar a posição trófica das espécies;
4) Verificar variação ontogenética na alimentação e posição trófica dentro de cada espécie;
5) Verificar diferenças nas concentrações isotópicas entre sexos dentro de cada espécie;
6) Avaliar o grau de sobreposição de nicho trófico entre os botos, toninhas e leões-marinhos;
7) Estimar a composição da dieta das três espécies através de modelos de mistura com base nos dados isotópicos das potenciais presas;
8) Verificar a existência de variações temporais (p.ex. interdecadais) na dieta destes mamíferos marinhos costeiros através de dados históricos de conteúdos estomacais e isótopos estáveis.


Uso do habitat

9) Utilizar as razões Ba/Ca e Ba/Sr encontradas em séries cronológicas de dentes de botos e leões-marinhos como indicadores de uso do hábitat destas espécies e/ou da influência de eventos climáticos extremos (p.ex. El Niño, La Niña) nas características do hábitat.

 

Responsável e Participantes


Eduardo Secchi (Coordenador), Silvina Botta, Emanuel Ferreira, Luara Lopez, Bruna Paro
Financiamento: CNPq


 

Currículo Lattes: Elisângela Guedes Cardoso (Bolsista DTI-C)

 

Currículo Lattes: Fabiane da Paz Serra (Bolsista DTI-B)

 

Currículo Lattes: Dr. Ana Cecília G. Mai 

 

Curriculo Lattes: Acad. Barbara Jung (Aluna de graduação)

 

Curriculo Lattes: Msc Carolina Antuarte Islabão (Aluna doutorado)

 

Currículo Lattes: Fábio Cavalca Bom  (Aluno de graduação)

 

Currículo Lattes: Msc Raphael Mathias Pinotti (Aluno doutorado)

 

 

Currículo Lattes: Msc. Marianna de Oliveira Lanari (Aluna doutorado)

 

Currículo Lattes: Dr. Fábio Lameiro 

 

Currículo Lattes: Msc. Renata Mont'Alverne B. Giovanini (Aluna doutorado)

 

Currículo Lattes: Msc. Marlucy Coelho Claudino

 

Curriculo Lattes: Mariana Rydz Pires (Aluna graduação)

 

Currículo Lattes: Valéria Marques Lemos

 

Currículo Lattes: Maurício Lang dos Santos (Aluno mestrado)

 

Currículo Lattes: Paulo Victor Lisbôa (Aluno mestrado)

 

Currículo Lattes: Beatriz Farias de Melo (Aluna graduação)

 

Curriculo Lattes: Priscilla Rezende Arévalo (Bolsa DTI-C/ CNPq)

 

 

 

Resumo


O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Mar (INCT – Mar) ”Centro de  Oceanografia Integrada” (COI), INCT-Mar COI tem como objetivo maior implantar e consolidar uma rede de instituições  para desenvolverem pesquisas oceanográficas em mar aberto atuando na vanguarda do conhecimento e contribuindo para a formação de recursos humanos, transferência de  conhecimento para a sociedade e para a geração de políticas publicas.  A estratégia adotada para atingir este objetivo é composto de sete linhas integradas de pesquisa:  (1) Valorização dos recursos vivos; (2) Conhecimento dos fundos marinhos: geodiversidade e biodiversidade; (3) Papel dos oceanos nas mudanças climáticas; (4) Formação e Capacitação de Pessoal Qualificado; (5) Transferência de Conhecimento para a Sociedade para o Setor Empresarial e para o Governo; (6) Formulação de Políticas Publicas; e, (7) Grandes equipamentos e infraestrutura. O INCT-Mar COI está sediado no Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (IO-FURG), e é formado por quase uma centena de pesquisadores distribuídos por 9 estados brasileiros (RS, SC, PR, SP, RJ, ES, BA, PE e AL), que englobam 15 instituições de ensino superior, 2 institutos de pesquisa e  1 instituto federal de educação tecnológica. Para a formação de recursos humanos, o INCT-Mar COI conta com uma rede de instituições acadêmicas, responsáveis por 1 (um) curso técnico profissionalizante (integrado ao Ensino Médio) e vários cursos de Graduação e Programas de Pós-Graduação.  O INCT-Mar COI conta com apoio de inúmeras instituições internacionais de  renome, muitas delas já engajadas com os temas científicos do INCT-Mar COI,  confirmando a sua abrangência, influência e excelência técnico-científica. O INCT-Mar COI atende os objetivos do Programa dos INCTs de “mobilizar e agregar, de forma articulada, com atuação em redes, os  melhores grupos de pesquisa em áreas de fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do País”. Além de atender a estes objetivos, o INCT-Mar COI relaciona-se de forma “umbilical” com outras redes virtuais  brasileiras e internacionais, como as sub-redes Zonas Costeiras e Oceanos da REDE CLIMA e INCT para Mudanças Climáticas; o SAMOC (South Atlantic Meridional Overtuning Circulation); o Grupo de Oceanografia de Altas Latitudes (GOAL); e da sub-rede Oceano Austral e Gelo Marinho do INCT da Criosfera. A criação do INCT-Mar COI trará outros importantes avanços na área das Ciências do  Mar. Dentre eles podemos ressaltar: (i) melhoria significativa da infra-estrutura de  pesquisa oceanográfica no Brasil, (ii) emprego de novas tecnologias em Oceanografia, (iii) desenvolvimento e inovação tecnológica, (iv) melhoria na formação e capacitação de futuros profissionais, através de cursos profissionalizantes, de graduação, e de pós-graduação oferecidos pelas instituições co-participes (v) diminuição das diferenças regionais na capacitação e formação de recursos humanos e (vi) estudos sobre novos estoques pelágicos na plataforma brasileira.



Objetivos


Implantar e consolidar uma rede de instituições  para desenvolverem pesquisas oceanográficas em mar aberto atuando na vanguarda do conhecimento e contribuindo para a formação de recursos humanos, transferência de  conhecimento para a sociedade e para a geração de políticas publicas.



Responsável e participantes


Luis Felipe Hax Niencheski - Coordenador
Clarisse Odebrecht - Integrante / Paulo Cesar Abreu - Integrante / Osmar Olinto Möller Jr. - Integrante /Erik Muxagata - Integrante / Margareth Copertino - Integrante / José Henrique Muelbert - Integrante / João Paes Vieira - Integrante / Alexandre Garcia - Integrante / Eduardo Resende Secchi - Integrante

Financiamento: CNPq, FAPERGS e CAPES

 

Resumo


A complexa dinâmica oceanográfica da região sul do Brasil possibilita o estudo do ciclo do carbono marinho pelágico sob diferentes cenários.O destino da matéria orgânica é definida pela morte e reciclagem dos produtores primários; por sua utilização por consumidores secundários; e, pela exportação da matéria orgânica para o fundo oceânico ou outras regiões. Na região sul do Brasil, os principais componentes do ecossistema marinho planctônico são conhecidos, e há informação sobre sua relação com a dinâmica dos nutrientes e processos físicos. Desta forma, este projeto visa avaliar os níveis de absorção de CO2 por produtores primários e a utilização ou transferência da matéria orgânica produzida por produtores secundários e por processos de sedimentação, respectivamente, sob diferentes condições oceanográficas na região costeira e oceânica do sul do Brasil. Estes pressupostos permitem a formular a hipótese que norteará os estudos deste projeto: O ciclo do Carbono, mediado por processos biológicos, é diferente em águas costeiras e em águas oceânicas. Para testar esta hipótese, a estratégia de campo adotada envolverá a realização de perfis oceanográficos da região costeira até a região oceânica nas diferentes estações do ano, e a utilização de sensores em bóias fixas. Complementando esta estratégia de campo, o projeto incluirá uma componente de modelagem numérica e sensoriamento remoto. A proposta conribuirá para suprir a necessidade de implementação de um sistema eficaz de monitoramento costeiro e oceânico.



Objetivos


Avaliar os níveis de absorção de CO2 por produtores primários e a utilização ou transferência da matéria orgânica produzida por produtores secundários e por processos de sedimentação, respectivamente, sob diferentes condições oceanográficas na região costeira e oceânica do sul do Brasil.



Responsável e participantes:


Jose Henrique Muelbert - Coordenador
Clarisse Odebrecht - Integrante / Paulo Cesar Abreu - Integrante / Osmar Olinto Möller Jr. - Integrante / Carlos Alberto Eiras Garcia - Integrante / Ivan Soares - Integrante / Erik Muxagata - Integrante / Roberto de Almeida - Integrante.

Financiamento: CNPq

 

- Dinâmica do Ecossistema Marinho e suas Implicações para o Sequestro do Carbono (DEMI-SeC)


- Oceanografia Integrada e Usos Múltiplos da Plataforma Continental e Oceano Adjacente - Centro de Oceanografia Integrada (COI)


- Caracterização da Ecologia Trófica e Uso do Habitat dos Mamíferos Marinhos através de Isótopos estáveis e Elementos traço


- Uso de isótopos estáveis no estudo de eutrofização e subsídios laterais na teia alimentar do estuário da Lagoa dos Patos, RS


- Rede Peixes Zonas Costeiras: Avaliação dos impactos das mudanças climáticas na biodiversidade e ecologia trófica de peixes de zonas rasas costeiras do Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil


- Rede de Monitoramento de Habitats Bentônicos Costeiros (ReBentos)


- Mapeamento das Fanerógamas Marinhas do Brasil


- Dinâmica da Vegetação Aquática Submersa (DiVAS)


- A pesca da tainha (Mugil liza) na região Sul do Brasil: Subsídios para o Grupo Técnico de Trabalho - GTT Tainha


- SISBIOTA-PELD Zonas Costeiras: padrões e processos de biodiversidade e suas relações com variáveis ambientais em três grandes ecossistemas marinhos nas regiões, Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil

 

- Conectividade entre estuários e área costeira adjacente: metodologias de avaliação sobre o papel funcional da biodiversidade de peixes

 

-VI Mostra de Ciências e Conhecimentos - Santo Antônio da Patrulha-RS. FURG/PMSAP/POLO-UAB

 

-Monitoramento da população e definição de áreas críticas para a conservação do boto (Tursiops truncatus) no estuário da Lagoa dos Patos e costa marinha adjacente

Área reservada aos membros do grupo

 

Área reservada aos membros do grupo

 

A estratégia amostral representa um compromisso entre o esforço necessário para a resolução de escalas espaciais e temporais curtas, e a continuidade do projeto a longo prazo. As coletas de plâncton serão realizadas mensalmente nas mesmas seis estações amostradas na fase PELD 2009-2012 (áreas de amostragem). Além disto, na região mais dinâmica do estuário, sua desembocadura, as amostras serão obtidas durante 3 dias consecutivos a cada 3 horas durante a primavera ou verão, período de maior atividade reprodutiva dos peixes na região. Isto permitirá a
obtenção de réplicas representativas das perturbações esperadas, propiciando a precisão necessária para a compreensão dos mecanismos de troca no estuário e recrutamento de organismos planctônicos. No orçamento mínimo, as coletas serão realizadas em apenas três estações e a resolução em curta escala não será avaliada. O ictioplâncton será coletado com rede cônica de 300μm, arrastada manualmente na zona de praia. Estas redes serão dotadas de fluxômetro para a estimativa do volume filtrado. Concomitante a todas as
estações, serão obtidas informações sobre temperatura e salinidade. O material coletado com redes será preservado com formalina 4% e/ou alcool 100% dependendo da finalidade do estudo. A identificação, contagem e determinação da morfometria serão realizadas em microscópio estereoscópico acoplado a sistema de análise de imagens. As espécies chave serão as mais abundantes no ictioplâncton do estuário e aquelas relacionadas com água doce e água salgada: savelha (Brevoortia pectinata); majubão (Lycengraulis grossidens); corvina (Micropogonias furnieri); mandi (Parapimelodus nigrebarbis); e peixe-espada (Trichiurus lepturus).

 

 

 

 

 

 

 

Coleta de dados de corrente utilizando um Acoustic Doppler Profiler (ADP) no canal do estuário da Lagoa dos Patos

Obtenção de amostras de ictioplâncton no no canal do estuário da Lagoa dos Patos

Processamento e triagem do material em laboratório

 

Bentos

 

 

Análises e Modelagem

 

Dados contínuos

 

Dados diários

 

Dados mensais

 

Dados sazonais

 

Dados anuais

{pgslideshow id=1|width=500|height=500|delay=3000|image=O}

 

 

 Área de amostragem com estações de coleta dos diferentes organismos e dados abióticos, com respectivas periodicidades

 

PELD Fase 1, 1998-2009  

Efeito de Perturbações Naturais e Antrópicas na Ecologia do Estuário da Lagoa dos Patos. (CNPQ Proc. 520188/98-5). Acesse aqui

 

PELD Fase 2, 2010-2012

Limnificação e ação antrópica no Estuário da Lagoa dos Patos: Consequências de longo prazo no recrutamento, invasão de espécies e interações tróficas. (CNPQ Proc. 558230/2009-1). 

 

PELD Fase 3, 2013-em andamento

Estudos de longa duração para avaliação de impactos naturais e antrópicos no Estuário da Lagoa dos Patos e Costa Adjacente.
(CNPQ Proc. 403805/2012-0).

 

1 - O Estuário da Lagoa dos Patos:

     Um século de transformações

 

O encontro da água doce da Lagoa dos Patos com a água salgada do Oceano Atlântico forma um estuário de grande importância biológica e sócio-econômica. Ao longo do tempo, pertubações naturais e antrópicas modificaram a dinâmica e as características da água e dos sedimentos, assim alteraram a estrutura e os processos ecológicos do bentos, plâncton e nécton do ecossistema estuarino da Lagoa dos Patos. O livro pode ajudar aos estudantes, aos administradores ambientais e aos cientistas na compreensão destas transformações ecológicas, subsidiando a manutenção da biodiversidade e a exploração sustentável do estuário da Lagoa dos Patos e da região marinha adjacente. Para fazer download deste livro clique aqui

 

 

2- Os Ecossistemas Costeiro e Marinho do Extremo sul do Brasil

Os ecossistemas costeiro e marinho do extremo sul do Brasil apresentam alta produtividade biológica e são importantes áreas de crescimento, alimentação e reprodução de estoques pesqueiros de origem subtropical e antártica.Este livro representa o primeiro tratado multidisciplinar destes grandes e complexos ecossistemas, no qual são analisadas a influência da Convergência Subtropical e a das interfaces terra-mar na costa e no oceano, assim como em suas biotas. Sintetizando a informação que se encontra em rápida expansão, este livro oferece uma ampla avaliação dos recursos biológicos, uma estimativa de sua exploração sustentável e uma revisão dos processos oceanográficos. Um inventário de todos os taxa marinhos do Atlântico sudoeste é adicionado como Apêndice. Para fazer download deste livro clique aqui

 

 

 

3- Areias do Albardão

Desde a chegada dos primeiros colonizadores, o litoral que se descortina no extremo sul do Brasil, tem sido um expoente da diversidade e abundância biológica, atendendo as demandas crescentes do Homem. Hoje, a conservação destes ambientes costeiros depende, inegavelmente, do conhecimento das suas características ecológicas. O livro “Areias do Albardão – Um Guia Ecológico Ilustrado do Litoral no Extremo Sul do Brasil” aceitou o desafio de informar ao leitor interessado utilizando uma linguagem acessível e fartas ilustrações sobre a história dos ambientes costeiros desta região, suas características biológicas e os processos ecológicos que influenciam na sua diversidade e no seu equilíbrio. Para fazer download deste livro clique aqui

PORTAL PELD - CNPq

http://cnpq.br/web/guest/apresentacao7

 

ILTER: International Long Term Ecological Research

www.ilternet.edu


Instituto de Oceanografia da FURG

http://www.io.furg.br/


Análise de Série Temporal: Fitoplâncton no ELP

http://www.st.nmfs.noaa.gov/nauplius/media/time-series/site__satl-patos-lagoon-estuary-phy/index.html

 

Atlas de Fitoplâncton e Protozooplâncton do Extremo Sul do Brasil: 

www.lei.furg.br/taxonomia

 

Brazilian Seagrass Meadows

https://pt-br.facebook.com/BrazilianSeagrassMeadows

 

Ciências do Mar Brasil

http://www.cdmb.furg.br

 

Global Ocean Observing System - BRASIL

http://www.goosbrasil.org/

 

Global Ocean Observing System:

http://www.ioc-goos.org/

 

http://oceatlan.org/index.php

 

Laboratório de Ictioplâncton:

http://www.lei.furg.br

 

Meteorologia

http://www.meteorologia.furg.br

 

Mostra de Ciências e Conhecimentos

http://mostradecienciaseconhecimentos.blogspot.com.br/

 

Rede Clima - Zonas Costeiras

http://www.mudancasclimaticas.zonascosteiras.furg.br

 

Rede de Monitoramento dos Habitats Bentônicos Costeiros 

http://www.rebentos.org

 


 

2016

Renata Mont'Alverne Bretz Giovanini. O uso de is—ótopos est‡áveis (C, N, S) no estudo das relaçõ›es tr—óficas em peixes: variaçõ›es ao longo de um gradiente salino. 2016. Tese (Doutorado em P—s-Graduaç㍋o em Oceanografia Bioló—gica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenaç㍋o de Aperfeioamento de Pessoal de N’vel Superior. Orientador: Alexandre Miranda Garcia;

2015

Carolina Antuarte Islabão. Dinoflagelados planctônicos no extremo sul do Brasil: Iidentificação, dsitribuição e relação com fatores abióticos in situ e in vitro. 2015. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Clarisse Odebrecht;

Mauro CŽésar Lamim Martins de Oliveira. O uso de riachos litor‰âneos por juvenis de tainha (Mugil Liza) e seu papel na conectividade tr—ófica do ambiente marinho e continental.. 2015. Tese (Doutorado em Oceanografia Bioló—gica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordena‹o de Aperfeioamento de Pessoal de N’ível Superior. Orientador: Alexandre Miranda Garcia;

Micheli Duarte de Paula Costa. O ictioplâncton e a conservação de regiões costeiras: o caso do estuário da Lagoa dos Patos. 2015. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Dr. José Henrique Muelbert;

ValéŽria Marques Lemos. Determinaç㍋o do estoque e ciclo de vida da tainha Mugil liza (Teleostei Mugilidae) no sul do Brasil. 2015. Tese (Doutorado em Oceanografia Biol—ógica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordena‹o de Aperfeioamento de Pessoal de N’vel Superior. Orientador: Jo‹o Paes Vieira Sobrinho;

2014

 Augusto Muniz Cavalcanti. Impactos causados pela construção de dois molhes na desembocadura da Lagoa dos Patos na circulação e na dinâmica sedimentar. 2014. Tese (Doutorado em Oceanografia Física, Química e geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr. Osmar Olinto Möller Junior;

Pedro F. Fruet. Estrutura genética, dinâmica e viabilidade populacional do Boto Tursiops truncatus, do Estuário da Lagoa dos Patos, Sul do Brasil . 2014. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr.  Eduardo Resende Secchi;

Mauro César Lamim Martins de Oliveira. O papel dos riachos litorâneos do sul do RS no transporte de material de origem marinha e sua subsequente importância na teia alimentar para o ambiente continental adjacente. 2014. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr. Alexandre Miranda Garcia;

2013

Ana Cecília Giacometti Mai. Padrões de uso do habitat e estrutura genética Lycengraulis grossidens (Agassiz, 1829) (TELEOSTEI, ENGRAULIDIDAE). 2013. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Débora Fernanda Avila Troca. Análise de risco de invasão de peixes exóticos cultivados no entorno da Lagoa dos Patos (RS). 2013. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

NG Haig They. Padrões espaciais e temporais da composição e atividade do bacterioplâncton no estuário da Lagoa dos Patos (RS, Brasil). 2013. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Dr. Paulo Cesar Oliveira Vergne de Abreu;

2012

Erica da Silva Silveira. Fungos e leveduras na água e plantas macrófitas em decomposição da região estuarina da Lagoa dos Patos e Praia do Cassino, RS - Brasil. 2012. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo Cesar Oliveira Vergne de Abreu; pdf

Fábio Lameiro Rodrigues. A importância das zonas de arrebentação interna e externa das praias arenosas do Rio Grande do Sul, para a biologia e ecologia dos peixes marinhos costeiros. 2012. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Fernanda Rheinhardt Piedras. Variabilidade espacial e temporal do fitoplâncton na zona de arrebentação da Praia do Cassino (RS, Brasil): relação com os depósitos de lama e nutrientes dissolvidos. 2012. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Luiza Dy Fonseca Costa. Avaliação do cobre, do ferro e do zinco em diversas frações na água de marinas e áreas portuárias da Lagoa dos Patos sob influência do uso de tintas antiincrustantes em embarcações. 2012. Tese (Doutorado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, . Orientador: Dra. Mônica Wallner-Kersanach;

2011

Leonardo Evangelista Moraes. Dinâmica temporal e mudanças de longo prazo (1979 a 2011)  na Ictiofauna da Lagoa dos Patos: efeitos dos fatores naturais e antrópicos. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira; pdf

Leonir André Colling. Variabilidade temporal de curto, médio e longo-prazos da associção de macroinvertebrados bentônicos em uma enseada estuarina da Lagoa dos Patos, RS, Brasil.  Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emílio Bemvenuti; pdf

2010

Marcelo Dias de Matos Burns. Consequências da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo para a Ictiofauna do Sistema Patos - Mirim. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho; pdf


Vinicius Mendes Ruas. Variações de curta e média escala no recrutamento e na captura incidental da pesca de camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis no estuário da Lagoa dos Patos. 2010. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Coorientador: Luiz Felipe Cestari Dumont.;

2009

Glauce Ribeiro Gouveia. Penetração da radiação UV na coluna d'água do estuário da Lagoa dos Patos e seus efeitos sobre células e larvas de peixes. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert; pdf

Lissandra Souto Cavalli. Ocorrência de vírus patogênicos em camarões cultivados no estuário da Lagoa dos Patos. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo César O. V. de Abreu;

Wilian Correa Marques. Dinâmica da pluma da Lagoa dos Patos. 2009. Tese (Doutorado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Coorientador: Osmar Olinto Möller Junior;

2008

Cristiano Queiroz de Albuquerque. Bionomia da Corvina Micropogonias furnieri no Extremo Sul de sua Área de Ocorrência, Através da Análise Química de Otólitos. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert; pdf

Eduardo Luis Cupertino Ballester. Contribuição dos microorganismos para o desenvolvimento de juvenis do camarão rosa Farfantepenaeus paulensis no estuário da Lagoa dos Patos e em sistemas de cultivo. Tese (Doutorado em Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo César O. V. de Abreu;

Juliano César Marangoni. Subsídios para o gerenciamento das marismas no estuário da Lagoa dos Patos (RS). Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. César Serra Bonifácio Costa; pdf

Karla Gonçalves da Costa. Efeito da Pesca de Arrasto sobre a Comunidade Bêntica Estuarina. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti; pdf

2007

Leonardo Simões Ferreira. Análise do recrutamento e da biologia pesqueira do siri-azul Callinectes sapidus Rathbun, 1896 (Crustacea: Decapoda: Portunidae) no estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. 2007. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Coorientador: Luiz Felipe Cestari Dumont;

2005

Luciana Garcia Angonesi. Dinâmica de curto prazo da macrofauna bentônica em uma enseada estuarina da Lagoa dos Patos. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti; pdf

2004

Alexandre Miranda Garcia. Variabilidade interanual e interdecadal na estrutura da assembléia de peixes das zonas rasas do estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil, e suas relações com os eventos El Nino 1982-1983 e 1997-1998. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Maria Odete P. Moreira. Distribuição temporal da diatomácea Pseudo-nitzschia na praia do Cassino, RS, e fisio-ecologia e toxicidade de Pseudo-nitzschia multiseries. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

2003

Marli Bergesch. Fitoplâncton e nanoflagelados no estuário da Lagoa dos Patos e área costeira adjacente. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Taciana Kramer Pinto. Perturbações biológicas e antrópicas sobre as associações de meio e macrofauna na região estuarina da Lagoa dos Patos, RS. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr Carlos Emilio Bemvenuti;

2002

Dioneia Evangelista Cesar. Estrutura e dinâmica do bacterioplâncton e suas relações com nutrientes inorgânicos e predação no estuário da Lagoa dos Patos/RS. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo César O. V. de Abreu;

Manuel Mendoza Carranza. Relações Tróficas dos Juvenis das Espécies de Peixes Dominantes (Micropogonias furnieri; Netuma barba e Genidens genidens) nas Assembléias de Fundo em Estuários do Rio Grande do Sul, Brasil. Tese (Doutorado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

2015

Andréa de Oliveira da Rocha Franco. Diatomáceas (Asterionellopsis Round) de zona de arrebentação em região tropical e subtropical do Brasil. 2015. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Clarisse Odebrecht;

Eurico Noletto. Variação interanual da composição de comprimento e crescimento juvenil do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis (Pérez-Farfante 1967) (Decapoda: Penaeidae) em zonas rasas do estuário da Lagoa dos Patos, Sul do Brasil. 2015. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr. Luiz Felipe Cestari Dumont;

 

Paulo Victor de Araœjo Brito Lisb™a. Escalas Temporais de Transporte do Estu‡rio da Lagoa dos Patos.. 2015. Disserta‹o (Mestrado em Oceanografia F’sica, Qu’mica e Geol—gica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordena‹o de Aperfeioamento de Pessoal de N’vel Superior. Orientador: Elisa Helena Le‹o Fernandes.

 

2014

Cauê Zirnberger Lazaneo. Resposta da produção biológica frente à dinâmica do sistema de circulação da Plataforma Continental Brasileira. 2014. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

 

Gabriela Guerra Araújo Abrantes de Figueiredo. Variação na estrutura trófica e no uso dos recursos alimentares da ictiofauna de zonas rasas ao longo de um gradiente estuarino-límnico. 2014. Dissertação (Mestrado em Biologia de Ambientes Aquáticos Continentais) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador:Dr. Alexandre Miranda Garcia;

Luara Azevedo Lopez. Ecologia alimentar de dois predadores de topo em uma situação de simpatria: o Boto, Tursiops truncatus e o Leão-Marinho (Otaria flavescens), no Estuário da Lagoa dos Patos e Costa Marinha Adjacente. 2014. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Eduardo Resende Secchi;

 

Pedro Puciarelli de Melo. Variabilidade de Longo Prazo de Juvenis do Camarão-Rosa Farfantepenaeus paulensis (Pérez-Farfante 1967) (Decapoda: Penaeidae) em Zonas Rasas do Estuário da Lagoa dos Patos, Sul do Brasil. 2014. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr. Luiz Felipe Cestari Dumont;

2013 

Dérien Lucie Vernetti Duarte. Caracterização da fauna acompanhante na pescaria de arrasto de tangone dirigida a camarões no Litoral Sul do Brasil. 2013. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Dr. Luiz Felipe Cestari Dumont;

 

Felipe de Oliveira Torquato. Distribuição vertical de larvas de Engraulis anchoita (HUBBS & MARINI, 1935) na plataforma continental sul do Brasil. 2013. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

Lumi, Haraguchi. Variabilidade temporal do fitoplâncton do Estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. 2013. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Mauro Michelena Andrade. Viabilidade temporal e espacial da clorofila a no Estuário da Lagoa dos Patos. 2013. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Osmar Olinto Möller Junior;

Rafael André Ávila. Distribuição do material particulado em suspensão e suas inter-relações com diferentes propriedades no estuário da Lagoa dos Patos. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Osmar Olinto Möller Junior;

Rodrigo Cezar Genoves. Estrutura social do Boto, Tursiops truncatus (Cetacea: Delphinidae), no Estuário da Lagoa dos Patos e águas costeiras adjacentes, Sul do Brasil. 2013. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Eduardo Resende Secchi; pdf

Suzana de Moura Pereira. Estudos ecológicos do Mexilhão-dourado Limnoperna fortunei (Dunker, 1987): Experimentos de laboratório e observações de campo. 2013. Dissertação (Mestrado em Biologia de Ambientes Aquáticos Continentais) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João paes Vieira Sobrinho; 

Vanessa Bolfoni Schmitt. O Intercâmbio de Ictioplâncton entre o Estuário da Lagoa dos Patos e o Oceano Adjacente. Início: 2011. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

2012

Heline Alves de Oliveira. Estudo do Comportamento Hidrodinâmico da Lagoa Mirim dos Processos de troca com a Lagoa dos Patos via Canal de São Gonçalo. 2012. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Osmar Olinto Möller Junior;

Marlucy Coelho Claudino. Variações temporais e espaciais na composição isotópica de produtores primários e consumidores no estuário da Lagoa dos Patos, RS. 2012. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Alexandre Miranda Garcia; pdf

Pedro Henrique Araújo. Estudo do fluxo larval de Braquiúros no transporte diferencial do canal de acesso ao estuário da Lagoa dos Patos. 2012. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert; pdf

Rodrigo Ferreira Bastos. Composição, abundância e diversidade da ictiofauna de sangradouros litorâneos: influência do gradiente límnico-marinho e suas variações sazonais. 2012. Dissertação (Mestrado em Biologia de Ambientes Aquáticos Continentais) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. lexandre Miranda Garcia; pdf

2011

Pryscilla Moura Lombardi. Avaliação da capturabilidade de redes de arrastos de praia em ambientes estuariais e costeiros. 2011. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira; pdf

Renata Mont'Alverne Bretz Giovanini. Balneário Cassino - Um mar de lama. 2011. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

2010

Monique de Oliveira Franzen. Transporte e retenção de ovos e larvas de Micropogonias furnieri no estuário da Lagoa dos Patos. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Física, Química e Geológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert; pdf

Raphael Mathias Pinotti. Variabilidade interanual da macrofauna bentônica do infralitoral da Lagoa dos Patos e região costeira adjacente, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado na Pós-Graduação em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Carlos Emílio Bemvenuti;

Valéria Marques Lemos. Aspectos da Biologia Reprodutiva e Padrão Sazonal de Recrutamento dos Juvenis do Pampo Trachinotus marginatus (TELEOSTEI, CARANGIDAE) no Sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho; pdf

2009

Débora Fernanda Avila Troca. Levantamento do Cultivo de Peixes Exóticos no entorno do Estuário da Lagoa dos Patos (RS) e Avaliação do Risco Potencial de Fuga para o ambiente natural. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho; pdf

Magalline Maria Gomes Girão. Variação espaço-temporal de Ocypode quadrata sob a influência de um gradiente antrópico na praia do Cassino, Rio Grande do Sul, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emílio Bemvenuti;

2008

Liana Rodrigues Queiroz. Variação espaço temporal da biomassa macrofaunal bentônica da zona de varrido da praia do Cassino, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

Marina Gomes Viana. Avaliação de efeitos antrópicos sobre a distribuição do poliqueta Euzonus furciferus na Praia do Cassino, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;pdf

2007

André Schmidt Filgueras. Condições Oceanográficas e as Assembléias Ictioplanctônicas no Estuário da Lagoa dos Patos. 2007. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert; pdf

Leonir André Colling. Influência dos fatores abióticos na variabilidade espaço-temporal dos macroinvertebrados bentônicos em uma enseada rasa estuarina da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;pdf

Mauro Sergio Pinheiro Lima. Peixes da zona de arrebentação da praia do Cassino/RS: aspectos amostrais, variações espaciais e temporais na estrutura da assembléia de peixes e suas relações com a passagem de frentes frias. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

2006

Carlos César Y O Fujita. Variação temporal de curta escala do fitoplâncton em área rasa do estuário da Lagoa dos Patos. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Luciano Peyrer das Neves. Variação espaço-temporal da macrofauna bentônica na Praia do Cassino, extremo sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti; pdf

Pedro de Sá Rodrigues. Estrutura e dinâmica da comunidade bentônica na zona entremarés em dois locais sob distintas condições ambientais, Praia do Cassino (RS, Brasil). Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti; pdf

2005

Gabriel Marcos Torres Lana. Comparação do uso de duas redes de arrasto e descrição da assembléia de peixes em curto prazo na Zona de Arrebentação da Praia do Cassino, Rio Grande, RS. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Michel S Gandra. Efeitos do petróleo sobre a associação de macroinvertebrados bentônicos de praias arenosas do extremo sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti; pdf

2004

André Ugri. Mudanças em escala histórica das dunas costeiras do sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Ulrich Christian Karl Heinz Bruno Seeliger;

Washington Ferreira. Efeitos da predação das aves costeiras e do caranguejo Chasmagnathus granulata sobr os macroinvertebrados bentônicos em um plano intermareal não vegetado na Ilha da Pólvora (Rio Grande), RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti.

2003

Cristiano Queiroz de Albuquerque. Validação, Idade e Crescimento de larval inicial da corvina, Micropogonias furnieri, no Estuário da Lagoa dos Patos e área adjacente. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert;

Fábio Lameiro Rodrigues. Relações tróficas entre Menticirrhus americanus (Linnaeus, 1758) e Menticirrhus littoralis (Holbrook, 1855) na zona de arrebentação das praias arenosas adjacentes aos molhes da barra do Rio Grande, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Leonardo Cruz da Rosa. Variabilidade temporal da estrutura das associações da macrofauna bêntica em uma enseada estuarina da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

Marcelo Alexandre Bruno. Variabilidade temporal, espacial e estimativas de abundância de ovos e larva de Brevoortia pectinata, Lycengraulis grossidens e Micropogonias furnieri para o estuário da Lagoa dos Patos - RS. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) -  Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. José Henrique Muelbert;

Marcelo Bassols Raseira. Análise espaço-temporal da associação de peixes das zonas rasas da Lagoa dos Patos e região costeira adjacente. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

2002

Giuliano Hickenbick. Produção, respiração, predação e balanço de massa bacteriana no estuário da Lagoa dos Patos e região costeira adjacente. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo César O. V. de Abreu;

2001

José Geraldo Gomes Filho. Dinâmica populacional de Balanus improvisus no estuário da Lagoa dos Patos: variações sazonais e interanuais e influência dos fatores físicos e biológicos. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

Rosana Aquino de Souza. Estrutura das associações macrobentonicas epifaunais associadas as macrófitas em enseadas estuarinas da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

2016

Marcela Soares Costa. Variabilidade dos fluxos de sedimento em suspensão do Canal São Gonçalo para a Lagoa dos Patos. 2016. Trabalho de Conclusã‹o de Curso. (Gradua‹o em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientí’fico e Tecnol—gico. Orientador: Osmar Olinto Mšller Junior.

 

 2015

Mariana Rydz Pires. Influência dos sangradouros na composição e abundância do fitolpâncton da praia do Cassino, RS. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Clarisse Odebrecht 

 

2011

Bruno Lainetti Gianasi. Distribuição, abundância e composição da vegetação aquática submersa (VAS) no Estuário da Lagoa dos Patos (RS, BRASIL) (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador:Dra. Margareth Copertino.

2010

Célia Pereira da Silva. Exposição do sistema DGT no estuário da Lagoa dos Patos: concentrações de cobre e a influência do biofilme. 2010. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul. Orientador: Mônica Wallner-Kersanach.

 

Cristina Araujo dos Santos. O potencial das microalgas marinhas na aquicultura e seu potencial para a produção de biocombustíveis: uma revisão bibliográfica. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Ecologia Aquática Costeira) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Cyntia Ayumi Yokota Harayashiki. Evidências da reprodução da Pachyurus bonariensis Steindachner, 1879 (Perciformes, Sciaenidae) da Lagoa Mirim, RS (Brasil). Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

 

Lumi Haraguchi. Distribuição espacial da Ordem Dinophysiales (Dinoflagelados) no extremo Sul do Brasil no inverno de 2005 e verão de 2007. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

Vanessa Bolfoni Schmitt. Transporte diferencial de ovos e larvas de peixes na desembocadura do estuário da Lagoa dos Patos. 2009. Iniciação Científica. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert

 

2008

Janaína dos Santos Pedron. Método de quantificação indireta de biomassa: a relação entre o comprimento da concha com o peso seco livre de cinzas (PSLC) de Donax hanleyanus (Mollusca: Bivalvia) da Praia do Cassino-RS, Iniciação Científica. (Graduando em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

2007

Dimas Gianuca. Efeitos da Herbivoria do caranguejo Chasmagnathus granulatus e do ratão-do-banhado Myocastor coypus sobre as marismas dominadas pela grama Spartina alterniflora no estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Iniciação Científica. (Graduando em Ciências Biologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. César Serra Bonifácio Costa;

 

Fabiane Machado Furlan. Composição de espécies e variação temporal dos peixes das zonas rasas do Saco da Mangueira, estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

Gabriela Peres Moraes. Produção de mudas da grama de marismas Spartina alterniflora em casa de vegetação para restauração ambiental. Iniciação Científica. (Graduando em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. César Serra Bonifácio Costa;

Raphael Mathias Pinotti. Caracterização interanual das associações de macroinvertebrados bentônicos na área portuária de Rio Grande. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

Valéria Marques Lemos. Estudo da dieta e estratégia alimentar da corvina Micropogonias furnieri (Osteichthyes, Sciaenidae) residente na Lagoa Mirim, RS, e análise de sua morfometria. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

2006

Gustavo Martinez Souza. Validação dos anéis diários em peixe-rei Odontesthes argentinensis na costa sul do Rio Grande do Sul e avaliação da técnica de corar anéis através da hematoxilina. 2006. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Jose Henrique Muelbert

 

2005

Daiane Silveira Carrasco. Disponibilidade do ictioplâncton no estuário da lagoa dos Patos e adjacência - Setembro/Outubro 1999. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

Fabio Felipe Gabriel Roselet. Considerações ecológicas sobre o hábito alimentar iliófago dos juvenis da tainha Mugil platanus Günther,1880 no estuário da Lagoa dos Patos e região costeira adjacente, RS Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanografia) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

 

Leonir André Colling. Variabilidade espaço temporal das associações de macroinvertebrados bentônicos numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Oceanologia). Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

Maria Rosa de Souza Pachetti. Valorização das marismas em áreas degradadas do município do Rio Grande através de material didático para educação ambiental. Costa. Monografia - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. César Serra Bonifácio;

 

2004

Ana Cecília Giacometti Mai. Ecologia alimentar e aspectos reprodutivos do Barrigudinho Jenynsia multidentata (Jenyns, 1842) no estuário da Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

 

Carlos César Y. O. Fujita. Variação interanual do fitoplâncton, protozooplâncton e fatores abióticos no estuário da Lagoa dos Patos e zona costeira adjacente (janeiro de 1993 a dezembro de 2002). Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

 

Márcia Mara Bobko. Características morfológicas e ecologia dos macroinvertebrados bentônicos em distintos hábitats da região estuarina da Lagoa dos Patos, RS. - Monografia. (Especialização em Ecologia Aquática Costeira) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

Márcia Regina Xavier Marques. Importância de Protistas Aquáticos e sua abordagem no Ensino Médio. Monografia (Aperfeiçoamento/Especialização em Ecologia Aquática Costeira) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dra. Clarisse Odebrecht;

 

Simone Milach. A presença humana e impacto sobre o litoral no extremo sul do Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Ulrich Christian Karl Heinz Bruno Seeliger;

 

Thaís Pereira Basaglia. O papa-terra (Menticirrhus spp) como instrumento de concientização ecológica do pescador amador de caniço da praia do Cassino, RS, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

 2003

Hebert Arruda Broedel. Efeitos do petróleo na comunidade bentônica das marismas do estuário da Lagoa dos Patos, R.S. Iniciação Científica. (Graduando em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti.

 

Liliane Teixeira e Silva. Variabilidade interanual da tainha Mugil platanus, Günther 1880 na Lagoa dos Patos: uma ferramenta para aaliar possíveis impactos de um derrame de petróleo na abundância da espécie. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanografia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. João Paes Vieira Sobrinho;

 

Luiz Henrique Capotorto Barbosa. SIDIPLA -Sistema Diagóstico do Plâncton. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert (http://www.lei.furg.br/sidipla/);

 

Raíssa Íris de Carvalho. Efeitos da pesca de arrasto de camarão sobre os macroinvertebrados bentônicos numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos. Iniciação Científica. (Graduando em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

2002

Adriana Delrosso Barbosa. Efeito da radiação ultravioleta-A e B na mineralização de elementos nitrogenados durante a decomposição microbiana de Spartina alterniflora Loisel. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Paulo Cesar O. V. de Abreu;

 

Cristiane de Almeida Rocha. Decifrando o ictioplâncton do estuário da Lagoa dos Patos. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Ecologia Aquática Costeira) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

 

Eunice Freitas MackMillan. A zona de arrebentação da praia do Cassino como berçário natural de peixes: uma proposta para o ensino fundamental. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Ecologia Aquática Costeira) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Jose Henrique Muelbert;

 

Jeison Brum de Paiva. Adaptações biológicas e funções ecológicas das espécies dominantes nas dunas costeiras do Sul do Brasil: Revisao bibliográfica e audio-visual. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Ulrich Christian Karl Heinz Bruno Seeliger;

 

Josiane Roveedder. Variabilidade espaço temporal das associações de macroinvertebrados bentônicos numa enseada estuarina da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Bolsa PIBIC-CNPq, Iniciação Científica - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

Michel Steinmetz Gandra. Estudo Experimental do Impacto do Óleo e suas Conseqüências sobre a Macrofauna Bentônica no Estuário da Lagoa dos Patos (RS- Brasil). Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

Rafael X. S. Nogueira. SIGMAR:Aplicação e Análise da Vulnerabilidade das Marismas do Estuário da Lagoa dos Patos a derrames de óleo. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. César Serra Bonifácio Costa;

 

Sabrina Mendes Espirito Santo. Variações interanuais da biomassa de Ruppia maritima no estuário da Lagoa dos Patos. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande. Orientador: Dr. Ulrich Christian Karl Heinz Bruno Seeliger.

2001

Andre Ugri. Mudanças morfodinâmicas e vegetacionais nas dunas frontais no extremo sul do Brasil na última década. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Oceanologia) - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Ulrich Christian Karl Heinz Bruno Seeliger;

 

Igor Medevedovsky. Acompanhamento temporal da macrofauna bentônica de fundos não consolidados em locais contaminados e em áreas afastadas dos emissários, no entorno da cidade de Rio Grande. Iniciação Científica - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. Carlos Emilio Bemvenuti;

 

Lisiane S das Neves. Crescimento de Salicornia gaudichaudiana Mog. em diferentes condições de Salinidade. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Federal do Rio Grande, Orientador: Dr. César Serra Bonifácio Costa;

 

 

 

 

 

 

Dra. Clarisse Odebrecht (Coordenadora) - Currículo Lattes

 

 


Dr. José Henrique Muelbert (Vice-coordenador) - Currículo Lattes

 

 


Dr. Paulo Cesar Oliveira Vergne de Abreu - Currículo Lattes

 



Dra. Margareth da Silva Copertino - Currículo Lattes

 

 


Dr. Erik Muxagata - Currículo Lattes

 

 


Dr. Alexandre Miranda Garcia - Currículo Lattes

 

 


Dr. Eduardo Resende Secchi - Currículo Lattes

 

 


Dr. Osmar Olinto Möller Junior - Currículo Lattes

 

 

Dr. Leonir André Colling - Currículo Lattes

 

 

Dra. Elisa Helena Leão Fernandes - Currículo Lattes

 

 

Dr. Luiz Felipe Cestari Dumont - Currículo Lattes

 

 

Dr. João Paes Vieira Sobrinho - Currículo Lattes

 


Dra. Virginia Maria Tavano (Colaboradora)Currículo Lattes

 

 

Dr. Carlos Rafael Mendes (Colaborador) - Currículo Lattes

 

 

Dra. Mônica Wallner (Colaboradora) - Currículo Lattes

 

 

Dra. Silvina Botta (Colaboradora) - Currículo Lattes

 

 

Dr. Wiliam Marques (Colaborador) - Currículo Lattes

 

 

Dr. Luciano Dalla Rosa (Colaborador) - Currículo Lattes

 

Dr. Fernando Kokubun (Colaborador) - Currículo Lattes

 

Dr. Carlos Alberto Eiras Garcia (Colaborador) - Currículo Lattes


                                                   

Estuário da Lagoa dos Patos e Costa Adjacente

 

Na planície costeira do extremo Sul do Brasil, o complexo lagunar Patos-Mirim (aprox. 14.000 km2) tem funções determinantes em todos os aspectos físicos, biológicos e sócio-econômicos. Climatologicamente, a região corresponde a uma zona de transição temperada-quente (Cfa-mesotérmico). O Estuário da Lagoa dos Patos (ELP, 32° 05' S, 52° 10'W) representa o ambiente de transição e assume funções críticas de interface entre a água doce e a plataforma continental, sob a influência da "pluma" estuarina e praias oceânicas adjacentes. Em conjunto, esses ambientes cobrem uma área de aproximadamente 1.500 km2 nos municípios de Rio Grande, São José do Norte e Pelotas, no estado do Rio Grande do Sul. As características ecológicas, a alta produtividade biológica, a importância econômica das atividades portuárias e industriais na região do extremo Sul do Brasil, e o conhecimento pretérito, justificam a escolha do ELP e região costeira adjacente como um SÍTIO do PELD (Sítio 8).


 

 

Os estoques de carbono e nutrientes na vegetação aquática e sedimento serão avaliados em 6 enseadas rasas estuarinas, ao longo de transectos e pontos georeferenciados a cada três meses durante dois anos. A variação do perímetro e o percentual de cobertura das pradarias serão obtidos por métodos não destrutivos (quadrados permanentes, avaliação visual e fotoquadrados) de acordo com o protocolo SeagrassNet (Short et al.2006). Amostras destrutivas da biomassa aérea e subterrânea das plantas (até 20cm profundidade com tubo de PVC, 50 mm Ø ) serão coletadas para obtenção do peso seco (PS) e dos teores de matéria orgânica (MO), carbono (C), nitrogênio (N), fósforo (P) e composição isotópica (d13C e d15N) do tecido. A densidade, teores de nutrientes e a composição isotópica do sedimento serão avaliados em testemunhos estratificados (5cm), extraídos até 100cm de profundidade (tubo extrator de pistão), de acordo com Fourqurean et al (2012). As amostras de plantas serão triadas para remoção de animais e sedimento e separadas em componentes de biomassa aérea (folhas, hastes, epífitas, macroalgas) e subterrânea (rizomas e raízes), para determinação do PS (60°C, 48 horas) e MO (perda por ignição à 550°C por 5 horas). Sub-amostras secas dos componentes vegetais e do sedimento serão homogeneizadas, triturados e analisadas quanto aos teores de C e N por analisador elementar CHN, de P por colorimetria e quanto à composição isotópica por espectrofotometria de massa (Kenedy et al. 2010, Jardine et al. 2003).

 

 

Floração de macroalgas de deriva no ELP

Amostragem de floração de macroalgas de deriva

Obtenção de medidas radiométricas no estuário

Floração intensa com predomínio das espécies Rhizoclonium e Cladophora

Amostragem de vegetação aquática submersa

 

Amostras do banco de sementes do sedimento, coletadascoletadas em diferentes locais e ao longo de perfis estratigráficos no ELP

 

Obtenção de peso fresco de macroalgas de deriva, formadores da maré verde

 

Obtenção de biovolume de macroalgas com sistema de proveta e pistão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Serão coletadas duas áreas no ELPA (Fig. 1) e *uma na praia oceânica adjacente (zona de arrebentação, ZA). No ELP, as coletas serão realizadas com apoio de embarcação de pequeno porte (bote de alumínio, motor de popa) em pradarias de fanerógamas, planos rasos de lama, marismas e praias arenosas. Na praia oceânica, as coletas serão realizadas na ZA (<2m). As amostras serão obtidas em triplicata para cada espécie dos principais produtores primários como macroalgas, fanerógamas submersas, além de detrito, perifíton (microalgas bentônicas) e seston (fitoplâncton e detrito em suspensão, <50 μm). As amostras de macroalgas e fanerógamas serão obtidas manualmente conforme descrito acima (item 5.4. Vegetação Submersa). O perifíton será obtido através de raspagem (com espátula ou faca) de pecíolos de plantas aquáticas, troncos e outros materiais que servem de substrato para o estabelecimento desta comunidade (Felisberto & Rodrigues 2005). Após a coleta, este material será armazenado em sacos plásticos e conservado em gelo durante seu transporte até o laboratório. As amostras de seston serão coletadas utilizando-se uma bomba de sucção manual, a qual servirá para filtrar o material suspenso na água num filtro pré-queimado de 500μm. O filtro será envolto em papel alumínio, armazenado em saco plástico e preservado no gelo durante o transporte até o laboratório. Amostras da água também serão coletadas e fixadas em formol (4%) para posterior análise quantitativa da composição do  fitoplâncton. Espécies de fitoplâncton dominantes e representativas da zona de arrebentação na região (e.g., a diatomácea Asterionellopsis glacialis) serão separadas no microscópio e também terão sua composição isotópica determinada. Dos consumidores, serão coletados espécimes conspícuos e dominantes da macrofauna na região estuarina (ELP) e zona de arrebentação (ZA), com base em estudos prévios (Seeliger et al. 1997):

 

Organismos consumidores: Infauna/Epifauna:

- gastrópode Heleobia australis (ELP)

- tanaidáceo Kalliapseudes schubartii (ELP)

- poliqueta Laeonereis culveri (ELP)

- bivalvo Erodona mactroides (ELP)

- bivalvo Mesodesma mactroides (*ZA)

- bivalvo Donax spp (*ZA)

- Tatuí Emerita brasiliensis (*ZA)

 

Organismos consumidores: Macrocrustáceos decápodos

- siri azul Callinectes sapidus (ELP+*ZA)

- camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis (ELP+*ZA)

- caranguejo Arenaeus cribrarius (*ZA)

 

Organismos consumidores: Peixes

- tainha Mugil platanus (ELP+*ZA)

- corvina Micropogonias furnieri (ELP)

- peixe-rei Atherinella brasiliensis (ELP)

- peixe-rei Odontesthes argentinensis (*ZA)

- pampo Trachinotus marginatus (*ZA)

- linguado Oncopterus darwini (*ZA)

 

Os organismos da infauna e epifauna serão coletados através um tubo de PVC (diâmetro 10cm; área 0,0078m2) ou pegador de fundo tipo ‘van-Veen’ (área 0,078m2), ambos com profundidade de enterramento de 20cm, e posteriormente peneirados numa malha de 300μm (Pinto & Bemvenuti 2003). Os macrocrustáceos decápodes e os peixes serão obtidos com o uso combinado de rede de arrasto de praia, rede de arrasto de fundo e tarrafa. Para os consumidores como os peixes, que atingem maior tamanho (>15cm), amostras de diferentes classes de tamanho da espécie (juvenis e adultos) serão obtidas, para que possíveis variações ontogenéticas possam ser avaliadas. Todas as amostras serão armazenadas em gelo e transportadas ao laboratório, onde serão armazenadas até o seu pré-processamento. As amostras biológicas serão descongeladas e processadas seguindo-se o protocolo descrito em Garcia et al. (2007): 1) lavagem das amostras com água destilada para a retirada de possíveis materiais aderidos; 2) retirada de tecido das amostras para o processamento (p.ex., folhas das fanerógamas, tecido muscular (5g) dos peixes); 3) disposição das amostras em placas de Petri, previamente esterilizada com banho de HCl por 24h, e levadas ao forno (60°C) por 48 horas; 4) permanência das amostras no dessecador por algumas horas; 5) moagem das amostras utilizando-se grau e pistilo; 6) armazenamento das amostras (em pó) em vidros esterilizados. Após, as amostras serão enviadas para laboratório especializado, onde o material será gaseificado e analisado em espectrômetro de massa. As razões isotópicas das amostras (13C/12C e 15N/14N) serão comparadas com os padrões comumente adotados, “marine limetone fossil” para o carbono e ar atmosférico para o nitrogênio, e serão expressos da seguinte forma (Peterson & Fry 1987): δ13C(‰) = [(13C/12Camostra) / (13C/12C padrão-1)] x 1000 δ15N(‰) = (15N/14Namostra) / (15N/14Npadrão-1)] x 1000. A importância relativa dos produtores primários e outras fontes orgânicas (POM, SOM) ou das presas como fonte de carbono aos macroconsumidores será identificada e quantificada a partir de modelos de mistura de isótopos que utilizam equações de balanço de massa, e as assinaturas isotópicas distintas das fontes alimentares em relação à mistura da assinatura dos consumidores (Phillips & Gregg 2003; Parnell et al. 2010). Os valores de δ15N serão utilizados para estimar posições tróficas dos macroconsumidores (Post 2002).  

 

 

 

 

 

 

Para a análise da predação dos peixes sobre a espécie invasora de molusco Limnoperna fortunei, os exemplares de peixes serão coletados por local e por época do ano, em arrastos de fundo utilizando uma rede de portas modelo Camaroneira (malha do saco com 5mm) – em profundidades entre 3m e 18m, arrastada por um barco equipado com motor de 60 HP. Os exemplares de peixes coletados serão fixados em campo (formalina 10%) e acondicionados para análise. A análise do mexilhão-dourado na dieta dos peixes será realizada com base em no mínimo de 10 exemplares de cada espécie de peixe, que serão eviscerados e seus conteúdos estomacais analisados em lupa binocular. A disponibilidade de de L. fortunei no ambiente será obtida pelas amostragens de bentos (descrita acima) e pela análise dos exemplares coletados através dos arrastos de fundo para a coleta de peixes (Rede Camaroneira) sendo fixados em campo (álcool 70%) e acondicionados, quantificados e suas medidas serão realizadas com o auxílio de paquímetro digital e balança de precisão.

 

O macrozoobentos será coletado a cada três meses, em duas áreas do ELP: Área 1, uma enseada estuarina monitorada desde o Inverno de 1996 junto a Ilha da Pombas e Área 2, um canal de maré próxima à desembocadura da Lagoa junto ao Marisma da Barra, mesmo local de coletas da Ictiofauna. Em cada área, serão coletados dois pontos, onde serão tomadas seis amostras com um tubo extrator (diâmetro 10cm; 0,0078 m2), que será enterrado até 20cm de profundidade no sedimento, e duas amostras de sedimento para determinação da granulometria e teor de matéria orgânica. Em cada ponto de coleta, serão registrados ainda a temperatura da água e do ar (termômetro de mercúrio), a salinidade (refratômetro ótico), características do substrato (presença de macrófitas, biodetritos). Em laboratório, os indivíduos serão separados do sedimento, identificados até o menor táxon possível e quantificados em indivíduos por m2. Na praia oceânica e arenosa adjacente a desembocadura da Lagoa dos Patos, amostras de macrozoobentos serão coletadas em uma área que será definida, onde serão estabelecidas três transversais perpendiculares á linha de praia, entre o mínimo do varrido e o supralitoral. Em cada uma das transversais serão coletadas 10 amostras, utilizando-se um cilindro (diâmetro 20cm; 0,031 m2) enterrado a 20 cm de profundidade. Após a coleta, as amostras serão passadas em malha de abertura 0,5 mm e se necessário de 1 mm, e os organismos retidos fixados em álcool etílico 70%. Também serão coletadas duas amostras por transversal para as análises granulométricas. Perfis topográficos da linha de praia, entre o supralitoral e mesolitoral inferior serão lidos em duas transversais, com auxílio de um leitor topográfico de prisma.

 

 

Coleta de sedimento no estuário

Busca fundo

Busca fundo com amostra

Recolhimento da amostra

Lavagem e processamento da amostra

Penetrômetro e percolador de praia

 

 

 

 

 

As amostragens serão realizadas à bordo de uma lancha equipada com motor de popa de 90HP, rádio VHF e ecossonda. Estudos prévios utilizando transecções de aproximadamente 3mn perpendiculares à costa, demonstraram que os botos se concentram na primeira milha (Di Tullio 2009), portanto, a coleta de dados seguirá deslocamentos aleatórios nesta faixa, a distâncias de 20km ao norte e ao sul da barra de Rio Grande. No ELP, transecções em zigue-zague serão conduzidas desde a desembocadura até aproximadamente 25km ao seu interior. Os grupos de botos encontrados durante as saídas de campo, realizadas desde 2005, no ELPA vem sendo fotografados aleatoriamente, seguindo a metodologia de Würsig & Jefferson (1990), para que fosse possível identificá-los a partir de marcas de longa duração presentes em suas nadadeiras dorsais. A partir do posicionamento geográfico dos indivíduos foto-identificados, será possível estimar o padrão de distribuição dos indivíduos ao longo dos últimos anos e verificar se houve variações interanuais ou sazonais em sua distribuição. As estimativas do uso da área serão calculadas através do estimador de kernel fixo, que é uma abordagem probabilística que fornece informação sobre a utilização espacial na área de uso, com o método de validação cruzada por mínimos quadrados para selecionar o parâmetro de suavização (Seaman & Powell 1996). Com isso, a área de uso será delimitada pelo kernel de 95% e a área preferencial pelo kernel de 50%. Todas as análises serão feitas no programa ArcView 9.3, através de suas ferramentas de geoprocessamento.                                                            

 


 

 

                                                              FOTO-IDENTIFICAÇÃO

 


O BOTO, Tursiops truncatus

 

Amostras de pele serão obtidas a partir de biópsias de alguns indivíduos dos grupos encontrados, utilizando-se uma balestra e flecha com ponteira adaptada. A pele dos animais será analisada quanto a razão de isótopos estáveis de carbono e nitrogênio, e suas variações sazonais e interanuais (ver metodologia abaixo). Além disso, utilizar-se-á o banco de dados do Laboratório de Tartarugas e Mamíferos Marinhos que possui uma coleção científica que conta com crânios e dentes de botos coletados ao longo de mais de 30 anos. O dente de
cada animal será cortado para estimar a idade e retirar amostras de dentina de cada linha de crescimento (que corresponde a um ano de vida do animal) a partir das quais serão feitas as análise de isótopos estáveis e de elementos-traço (especialmente Ba). Esta série temporal de dentes será utilizada para avaliar mudanças nos valores da razão Ba:Ca e de isótopos estáveis ao longo do tempo. Mudanças nos valores de isótopos de nitrogênio poderão indicar mudança de nível trófico médio das presas dos botos, enquanto alterações dos valores de isótopos de carbono podem indicar mudanças nos produtores que sustentam o sistema. Variações na razão Ba:Ca poderão indicar oscilações nos níveis de pluviosidade pois a concentração de Ba tende a diminuir em água salgada.

 

 

 

 



 

As amostragens seguirão o mesmo protocolo que vem sendo adotado de modo ininterrupto desde agosto de 1996 em oito estações de coleta (duas na praia oceânica adjacente e seis em zonas rasas do estuário)  realizando-se cinco arrastos de praia com rede tipo picaré (9m de comprimento, 13mm de malha nas asas e 5mm no centro). Dados abióticos serão mensurados in situ (temperatura, salinidade e transparência) Ação de longo prazo dos fatores antrópicos “pressão de pesca” e “perda de habitats”: Considerando-se a inexistência de medidas precisas que representem a ação de longo prazo dos fatores antrópicos “pressão de pesca” (inexistem dados confiáveis sobre a evolução do esforço de pesca artesanal na região) e da “perda de habitats” (em decorrência do desenvolvimento urbano/industrial da cidade) dos peixes e crustáceos que utilizam as zonas rasas do ELP, foram selecionadas seis espécies de peixes dominantes, como possíveis indicadoras dessas pressões.
São consideradas espécies-indicadoras do fator “pressão de pesca”: Brevoortia pectinata, Micropogonias furnieri e Mugil liza, importantes recursos explorados pelas frotas artesanal e industrial, e também capturadas acidentalmente (“by-catch”) pelas pescarias desenvolvidas por estas frotas (Reis et al. 1994; Vieira et al. 1996; Haimovici et al. 2006).

 


Atherinella brasiliensis e Odontesthes argentinensis são espécies associadas a habitats vegetados no ELP (Garcia & Vieira 1997) e pouco capturadas pela pesca, seja intencional ou acidentalmente (Vieira et al. 1996; Vieira et al. 2010). Jenynsia multidentata apresenta oportunismo no uso do ambiente e viviparidade, que, provavelmente a torna resiliente aos distúrbios naturais e antrópicos (Garcia et al. 2004). Entretanto, como esta é uma espécie estuarino-residente, abundante e frequente em zonas rasas do ELP (Vieira et al. 1998), assume-se neste estudo que mudanças de longo prazo em sua abundância reflitam as alterações de habitat estuarinos, especialmente os vegetados. Assim como, mudanças de longo prazo na abundância de A. brasiliensis e O. argentinensis reflitam os distúrbios sobre os habitats estuarinos em geral. A análise de risco de invasão de espécies exóticas usadas na aquicultura, seguirá as recomendações propostas por Aquatic Nuisance Species Task Force para organismos aquáticos não nativos em geral (Risk Assessment and Management Committee 1996). O potencial invasivo das espécies será determinado com base em protocolo que investiga atributos relacionados a biogeografia, histórico, biologia e ecologia das espécies (Copp et al. 2005). Ao modelo serão incorporados dados de confiança à análise (Copp et al. 2009). As espécies com alto potencial invasivo serão avaliadas quanto a probabilidade de sucesso de invasão através de modelos de nicho ecológico, que utiliza softwares (GARP) para comparar parâmetros ambientais (Peterson 2003; Kolar 2004; Chen et al. 2007) dos locais de ocorrência das espécies e projeta onde ocorrem áreas similares. A análise de impactos das invasões abordará as consequências ecológicas. Mapas de risco de invasão de espécies serão elaborados utilizando-se um Sistema de Informações Geográficas utilizando-se software ArcGIS 10, com base no somatório da probabilidade de invasão do organismo e as suas possíveis consequências e da avaliação de risco da via de introdução (pressão de propágulo).

 

A estratégia amostral proposta prevê a continuidade do estudo de longo prazo PELD I (1998-2009), com coletas de plâncton realizadas mensalmente nas mesmas sete estações (áreas de amostragem), das quais três são coincidentes com as amostragens de fito e zooplâncton. As coletas mensais de ictioplâncton são efetuadas através de arrastos manuais na zona de praia com rede de plâncton cônica (300μm de malha), dotada de fluxômetro para estimativa do volume filtrado. São obtidas informações sobre temperatura e salinidade com um termosalinômetro YSI-15. Dados adicionais de precipitação e ventos são obtidos a partir da estação meteorológica do Instituto de Oceanografia. O material coletado com as redes é preservado com formalina 4% ou alcool 100% dependendo da finalidade do estudo. O processamento deste material envolve sua identificação, contagem e determinação de medidas morfométricas em microscópio estereoscópico acoplado a sistema de análise de imagens. Para a análise de recrutamento, são selecionadas espécies chave e mais abundantes no ictoplâncton do estuário: savelha (Brevoortia pectinata); majubão (Lycengraulis grossidens); corvina (Micropogonias furnieri); mandi (Parapimelodus nigrebarbis); e, peixe-espada (Trichiurus lepturus)

 



 

As amostras de zooplâncton serão coletadas mensalmente nas mesmas 3 estações das coletas de fitoplâncton, mediante arrastos sub-superficiais horizontais de aproximadamente 3 min utilizando-se redes cônicas ou cilindro-cônicas com 30cm de diâmetro e malha de 200μm, providas de fluxômetros calibrados. Todas as amostras coletadas serão fixadas em formaldeído em solução a 4% neutralizado com bórax (Steedman 1976) logo após as coletas. Em laboratório, as amostras de zooplâncton serão acondicionadas em frascos apropriados mantendo-se a proporção de 9 partes de solução fixadora para uma de plâncton. Quando necessário, sub-amostras serão tomadas da amostra original mediante a utilização de sub-amostrador Folson ou colher sueca, de modo que pelo menos 1000 – 2000 organismos estejam contidos em cada alíquota. De acordo com Postel et al. (2000), organismos zooplanctônicos em uma sub-amostra seguem uma distribuição de Poisson, logo a estimativa de erro de contagem é diretamente proporcional ao número de organismos
contados. Ao menos 100 organismos serão contados, o que resultará em um erro de aproximadamente ±20%, o que é considerado aceitável em pesquisas zooplanctônicas (Postel et al. 2000). Os organismos presentes nas sub-amostras serão identificados, contados mediante o uso de um microscópio estereoscópico Wild (modelo M5A) e, quando necessário, de um microscópio Olympus (modelo BH–2). Organismos raros ou pouco abundantes serão enumerados após triagem da amostra total. As espécies de copépodos serão identificadas ao menor nível taxônomico possível com base em trabalhos clássicos (Björnberg 1981; Bradford-Grieve 1999; Rose 1933). Os demais organismos serão identificados com base nos trabalhos constantes do South Atlantic Zooplankton (Boltovskoy 1999) exceto os cirripédios (Lang 1979; 1980). Todos os organismos não identificados serão tipados e catalogados para análises posteriores. Os resultados serão expressos em número de organismos por metro cúbico.
Além das análises acima, será também estimada a taxa de produção secundária segundo o método do crescimento instantâneo (Runge & Roff 2000). Para essa estimativa, será necessário determinar a biomassa e realizar incubações com a finalidade de determinar a taxa diária de crescimento.

 

 

 

 

 

 

Glaucus atlanticus e Porpita porpita

 

 

 

Em continuidade ao programa de amostragens de longo prazo em andamento desde 1992, amostras de água de superfície serão obtidas mensalmente para medidas de Clorofila a, contagem de células e medidas de parâmetros físicos e químicos (temperatura, salinidade e nutrientes inorgânicos dissolvidos: amônia, nitrito+nitrato, fosfato e silicato – Strickland & Parsons, 1973) em três estações fixas, sendo duas localizadas no estuário e uma na zona de arrebentação da praia oceânica adjacente (1. estuário médio, trapiche do Yacht Club de Rio Grande; 2. desembocadura, trapiche da Prainha na 4ª secção da Barra; 3. praia Cassino, em frente a Estação de Aquacultura (EMA; Fig. 1). Nestas mesmas estações, serão também obtidas amostras de rede de plâncton (cônica, 22μm de malha) para a identificação dos organismos. Os organismos serão contados ao microscópio invertido (Sournia 1978) e sua identificação dar-se-á em microscópio ótico de luz transmitida e, quando necessário, com utilização de microscopia eletrônica. As concentrações de clorofila a e de feopigmentos serão determinadas fluorimetricamente (Welschmeyer 1994). Concomitantemente às amostragens bióticas, serão medidas in situ a temperatura e salinidade com termosalinômetro YSI (Mod. 33 SCT) e profundidade do disco de Secchi.

             

 

                  Estação de coleta 1

                   Estação de coleta 2

                  Estação de coleta 3

        Floração de diatomáceas na praia

            Análise em laboratório

               Asterionellopsis glacialis

 

 

Serão ainda realizadas análises de pigmentos do fitoplâncton. Para tal, amostras de água serão filtradas em filtros de fibra de vidro (GF/F 25 mm de diâmetro) e armazenadas em ultrafreezer até análise. A extração dos pigmentos será realizada utilizando-se uma solução padrão de metanol 95% tamponado, e adição de um reagente padrão interno (utilizado para verificar a otimização da extração). Os filtros
são macerados e mantidos em freezer, seguido de um banho frio de ultrassom. Após centrifugação refrigerada, a amostra é filtrada (0,2 μm) e imediatamente inserida no auto-injetor do HPLC. O instrumento é composto por um módulo distribuidor de solventes, um sistema de controle, um detector de fotodiodos e um detector de fluorescência. A separação cromatográfica dos pigmentos é efetuada usando uma coluna C8 monomérica. A fase móvel (solventes) e o seu respectivo gradiente segue o método desenvolvido por Zapata et al. (2000),
discutido e otimizado por Mendes et al. (2007). Os picos referentes aos pigmentos fotossintéticos serão identificados e quantificados com base em padrões comerciais da DHI (Institute for Water and Environment, Denmark). A concentração é calculada a partir do sinal obtido pelo detector de fotodiodos e/ou pelo detector de fluorescência, para o caso dos pigmentos clorofilianos. As comunidades de fitoplâncton são identificadas em seus pigmentos "diagnósticos" utilizando-se o programa estatístico CHEMTAX (versão 1.95), que utiliza um processo interativo de fatorização matricial para otimizar a associação entre os diferentes pigmentos presentes (e razões entre os pigmentos típicos e a clorofila a) e a composição dos grupos taxonômicos (Mackey et al. 1996). É necessário partir de uma matriz de entrada
de razões entre pigmentos, que seja o mais próximo possível da matriz 'esperada', de acordo com as espécies e grupos presentes na amostra. Após otimização da matriz e considerando as concentrações e razões pigmentares, é possível estimar a abundância de cada classe de fitoplâncton presente e a sua contribuição para o total de clorofila a (índice de biomassa).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            

  

A temperatura, condutividade, salinidade, pH, oxigênio dissolvido, potencial de oxido-redução, turbidez (Multiparâmetro HI9829, Hanna Instruments, USA), nível (régua) e transparência (Secchi) da água serão obtidos em 7 pontos (4 áreas rasas e 2 canal). Amostras de água (N=3) serão coletadas e filtradas para a determinação da concentração de nutrientes inorgânicos dissolvidos (NH4,NO2,NO3,PO4)

(Strickland & Parsons 1972) e seston. Amostras da camada superficial do sedimento (5 cm de profundidade amostradas com tubo extrator de 8 cm de diâmetro, N=3) serão obtidas para análise dos teores de MO, C e N. 

 

Vegetação Aquática Submersa (VAS):

 

A abundância da VAS será avaliada ao longo de transversais georeferenciadas, posicionadas em 3 áreas rasas do ELP, seguindo os protocolos de programas internacionais de monitoramento de fanerógamas marinhas SeagrassNet (McKenzie et al. 2001; Short & Duarte 2001). Durante os meses dos verão, monitoramentos mais intensivos serão realizados em todas as áreas rasas do estuário, para obtenção dos parâmetros de percentual de cobertura, biomassa e composição das pradarias. A biomassa da vegetação será amostrada por método de quadrados destrutivos (10x10cm), em 6 pontos ao longo de cada transversal. Em laboratório, as amostras serão manualmente separadas entre R. maritima e macroalgas, lavadas e o sedimento e fauna removidos. Nas plantas de R. maritima, a biomassa será fracionada entre aérea (folhas, caules aéreos), subterrânea (raízes e rizomas) e reprodutiva (flores e frutos). A biomassa das epífitas sobre as folhas de R. maritima será removida através de raspagem das folhas com lâmina de bisturi. A composição e parâmetros populacionais (densidade e altura das hastes, estádio fenológico, produção de flores e frutos) serão observados. O peso seco (60oC, por 48 horas) e a fração de matéria orgânica (cinzamento a 550oC, 12 horas) das amostras serão obtidos. As algas serão identificadas através do exame das características morfológicas do talo, estruturas reprodutivas, tecidos e das células, com o auxílio de microscopia ótica e chaves dicotômicas.

 
 

 

 Macroalgas de deriva:

 

A ocorrência e abundância de macroalgas de deriva no ELP serão avaliadas em seis áreas rasas no Saco do Arraial, três locais expostos ao vento NE e três do quadrante sul. A abundância das macroalgas será avaliada da região intermareal ao infralitoral raso, até aproximadamente 1,0-1,5m de profundidade, ao longo de três transectos georeferenciados (200 m cada), perpendiculares à margem e distanciados 100m entre si. Em cada transecto, o percentual de cobertura será avaliado a cada 50m, em quatro quadrados não-destrutivos (50cm x 50cm), posicionados adjacentes ao transecto (total de 20 quadrados amostrais por transecto). Na ocorrência de fanerógamas submersas, o seu percentual de cobertura e altura média das hastes também serão avaliados. Quando presente, a biomassa algal será amostrada nas proximidades dos transectos através de tubo extrator de PVC (15cm diâmetro; área=176,62cm2) (N=10). Em laboratório, a biomassa das algas será triada para a remoção de sedimento, detritos, fauna e flora associados. Sub-amostras serão separadas, lavadas com água destilada e congeladas para a avaliação dos teores de carbono (C) e nitrogênio (N) no tecido algal (Analisador Elementar CHNS/O System, Perkin-Elmer, USA). Amostras serão fixadas (formol 4%) para identificação taxonômica através da análise da morfologia do talo e anatomia do tecido com o auxílio de estereomicroscopia e microscopia ótica. O peso seco da biomassa (48h a
60°C) e os seus teores de matéria orgânica (MO) (perda por ignição por 5h à 500º) serão determinados. A abundância média das macroalgas em cada local será determinada através dos valores de biomassa seca, corrigidos pelos valores médios de percentual de cobertura. Durante períodos de ocorrência de florações de macroalgas, será realizado um monitoramento mais intensivo. A partir do mesmo desenho amostral descrito acima, amostras de biomassa (N=10) serão efetuadas com tubo extrator de PVC de 25cm de diâmetro e 1 m de altura (volume 49062,5cm3) para coleta em toda a coluna d´água. Devido aos maiores valores de biomassa nessas situações, o volume de amostras de biomassa fresca será obtido in situ (proveta graduada, perfurada e acoplada com pistão para remoção do excesso de água). Sub-amostras de biomassa fresca serão coletadas, triadas e lavadas para análise dos teores de MO, C e N, e da composição taxonômica, conforme descrito anteriormente. Em laboratório, a partir do volume de biomassa determinado em campo, o peso seco das amostras será estimado através de uma reta de regressão linear descrevendo a relação entre o volume de biomassa fresca e o seu peso seco (y=-5,5+0,8399x, p<0,05, r2=0,94, N=40), obtida em testes preliminares.

 

Acúmulo e decomposição de macroalgas de deriva: efeitos nas plantas e macrofauna bentônica:

 

Para investigar os efeitos de acúmulos de macroalgas no estabelecimento e desenvolvimento de pradarias de fanerógamas marinhas, experimentos serão realizados durante o seu desenvolvimento, dominado por crescimento vertical e acúmulo de biomassa (verão). Gaiolas de exclusão de predadores serão dispostas sobre a pradaria, compreendendo quatro tratamentos de biomassa de macroalgas de deriva (0 g.m-2, 100g.m-2, 500g.m-2 e 1000g.m-2 de biomassa úmida) e mantidas ali por aproximadamente 10 dias. Ao final de cada experimento, uma amostragem destrutiva da biomassa de fanerógamas na região central das gaiolas será realizada com um tubo extrator de PVC (15cm diâmetro, área total de 176,62cm2) enterrado a 15cm de profundidade no sedimento. Amostras do sedimento (10cm de profundidade) serão obtidas para análise do teor de MO, carbono e nitrogênio. Em laboratório, a biomassa será lavada e triada para remoção de detritos e fauna associada e separada em parte aérea (hastes) e subterrânea (rizoma). O comprimento do rizoma e das hastes, a densidade de eixos e a ocorrência e densidade de estruturas reprodutivas e epífitas serão avaliados. O peso seco e o percentual de matéria orgânica da biomassa aérea e subterrânea serão determinados.
Para avaliar os efeitos de acúmulos de macroalgas sobre os animais bentônicos, gaiolas de exclusão de predadores serão dispostas em uma área desprovida de vegetação, às quais serão aplicados três tratamentos de biomassa algal (0g.m-2, 100g.m-2; 1000g.m-2 de biomassa úmida) em três tempos (5, 10 e 15 dias). Cada tratamento terá quatro réplicas posicionadas aleatoriamente. A biomassa de macroalgas manipulada durante o experimento será obtida em regiões vegetadas adjacentes, defaunadas, pesadas e inseridas nas respectivos gaiolas. Após períodos de 5, 10 e 15 dias, a macroafauna bentônica será amostrada utilizando-se um tubo extrator de PVC com 10cm de diâmetro (área total de 78,5cm2), enterrado até 20 cm no sedimento. Cada amostra será estratificada (0-5cm, 5-10cm, 10-15cm e 15-20cm de profundidade) para avaliação da ocupação dos organismos nos diferentes estratos. As amostras serão lavadas com auxílio de uma malha de 300μm, armazenadas em sacos plásticos, etiquetadas e fixadas em álcool e depois em formalina. Em laboratório, os organismos do macrozoobentos serão identificados e quantificados até o menor táxon possível com o auxílio de um microscópio estereoscópico (40x) e conservados em etanol 70%.

  

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

Adicionalmente aos dados contínuos, os parâmetros da água nível (régua), salinidade (refratômetro de escala) e temperatura (termômetro) serão obtidos manualmente uma vez ao dia, em uma estação rasa do estuário. Esses dados vem sendo coletados na mesma região desde 1992, e serão comparados com os dados a ser obtidos com os CTs, a serem instalados em área estuarina.


 

                                                             Estuário médio


 

     SALINIDADE, ESTIMATIVA DA DESCARGA E TEMPO DE RESIDÊNCIA DA LAGOA DOS PATOS

 

Esta etapa do projeto está baseada em medições de parâmetro físico-químicos no ELP e na aplicação de técnicas de modelagem numérica. No que diz respeito às medições, dois tipos estão previstos: a) fundeios para a obtenção de séries temporais e; b) cruzeiros a serem realizados ao longo da região estuarina. Desde outubro de 2003 o Laboratório de Oceanografia Física (LOcFis) do IO-FURG vem monitorando contínuamente na forma de fundeios, a salinidade e temperatura das águas do Canal de Acesso da Lagoa dos Patos. Na atual proposta, para

a obtenção das séries temporais, estão previstos: a) manutenção do fundeio de perfilador acústico de correntes (ADP SONTEK 1,0 MHz) e de dois termo-salinógrafos SBE 37 SM; b) instalação e manutenção de três termosalinógrafos (CT) SBE 37 SM ao longo do ELP. O ADP está instalado na profundidade de 15 m, máxima da área, e transmite em tempo real seus dados para um computador instalado na torre da Estação dos Práticos da Barra de Rio Grande. O ADP envia em intervalos horários os dados de níveis e de velocidade e direção de correntes obtidas em 10 células verticais de 1,5 m cada. Os dois CTs estão instalados em um cabo registrando dados nas profundidades de 1 m e 10 m. Com esta estrutura se tem uma avaliação instantânea, e ao longo do tempo, dos processos de entrada e saída de águas na Lagoa dos Patos. Os dados de perfil (ADP fixo) vem sendo transformados em vazão desde 2008. Entretanto, a realização de duas dragagens na área portuária, a última no primeiro semestre de 2012, alteraram significativamente o perfil batimétrico. Por isto, será necessário repetir o processo de transformação dos dados do ADP fixo em dados de vazão, em várias situações de ventos e de descarga fluvial com base em perfis transversais de velocidade de correntes com o uso de ADP SONTEK 1,5 MHz com traçador de fundo (“bottom tracking”), sobre a mesma secção onde está o ADP fundeado. O ADP, rebocado por uma embarcação de pequeno porte alugada para esta operação, estará conectado a um computador e as medições serão simultaneamente posicionadas através de um GPS Garmin. Estima-se realizar no mínimo 20 campanhas por ano, nos meses previstos para esta atividade.

  

A descarga de água será calculada através do método de velocidade de referência ou velocidade indexada, que considera a relação definida entre a velocidade em uma subsecção e a velocidade média na secção completa (Sloat & Hull 2004). O método a ser testado inicialmente considera os efeitos de fricção direta do vento na superfície do corpo de água (Wall et al. 2006). Considerando a proximidade do local Praticagem da desembocadura da Lagoa dos Patos, o volume estimado de água transportada através da secção nesta área será

considerado como o volume de água efetivamente trocado entre a LP e o oceano. Nele, estão incluídos os afluentes e, também, o balanço evaporação-precipitação sobre a área da Lagoa dos Patos. Com estes dados pode-se calcular o tempo de residência como função da relação entre os fluxos e o volume da região do estuário. As correlações entre fluxos e salinidade fornecerão o transporte total de sal distribuído para montante ou jusante do ponto. O conjunto de dados servirá para o desenvolvimento de modelos analíticos que possibilitem verificar tendências de longo prazo para municiar tomadores de decisões. Os três CTs serão instalados na área estuarina em locais a serem determinados de acordo com as condições de acesso e de segurança contra danos de equipamentos. Um deles será instalado na região da Ponta da Feitoria, aprox. 70 km de distância de Rio Grande, no município de Pelotas, considerada limite do estuário.

Estes equipamentos servirão para se analisar a propagação, intensidade e a duração dos processos de salinização das águas. Os eventos serão relacionados com os ventos medidos pela Estação da Praticagem e com a descarga medida através do fundeio instalado no Canal de Acesso.

 

A variação de material em suspensão, será estimada utilizando-se uma das saídas do ADP, a amplitude do sinal, como um índice de sua concentração. O sinal será calibrado com o uso de medidas diretas através de filtração de água e peso do material particulado (Strickland & Parosns 1972) e um turbidímetro aferido. A partir do perfil vertical da concentração de material em suspensão, a carga de sedimento trocada entre a laguna e o oceano pode ser estimada.

                          

OBJETIVOS GERAIS

Avaliar as variações na biota do ELPA em resposta à mudanças de longo prazo na hidrologia relacionadas a fenômenos climáticos e ação humana durante o período de 1998-2015.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS

a) Avaliar a influência de fenômenos naturais e antrópicos sobre a hidrodinâmica (descarga, fluxo e tempo de residência) do ELPA, e sua ação sobre a variabilidade da salinidade, material em suspensão e clorofila a;


b) Avaliar a variabilidade espacial e temporal de médio e longo prazo no estuário da Lagoa dos Patos e região costeira adjacente, dos nutrientes inorgânicos dissolvidos, fito-, zoo- e ictioplâncton, vegetação aquática submersa, macrofauna bentônica, camarão-rosa, peixes e cetáceos, em resposta a fatores ambientais e antrópicos;


c) Avaliar a variabilidade de macroalgas de deriva e o efeito de seu acúmulo sobre o as pradarias de fanerógamas submersas e macrofauna bentônica;


d) Avaliar os fatores de influência, padrões e a freqüência de recrutamento do ictioplâncton, peixes e do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis no ELPA e desenvolver um modelo híbrido capaz de prever a abundância de recrutas do camarão-rosa F. paulensis no ELP, considerando aspectos biológicos e climáticos;


e) Identificar e quantificar, através da técnica de isótopos estáveis (δ13C e δ15N), as principais fontes de carbono utilizadas pelo macrozoobentos, crustáceos decápodes e peixes de importância sócioeconômica (siri, camarão-rosa, tainha, corvina), além de predadores de topo (botos) no ELPA;


f) Avaliar, através da técnica de isótopos estáveis (δ15N), variações temporais nos processos de eutrofização que ocorrem no ELP e região costeira adjacente;


g) Verificar diferenças sazonais na dieta dos botos e utilizar a razão Ba/Ca em dentes de botos, como indicador de mudanças de salinidade no ELP;


h) Determinar a ocorrência de peixes exóticos provenientes dos cultivos aquáticos continentais e de espécies invasoras de ambientes límnico em função do aumento das chuvas e descarga fluvial no sistema do ELP;

 

i) Identificar as comunidades de fitoplâncton na região do ELPA com base na composição dos pigmentos fotossintéticos e acessórios diagnósticos (quimiotaxonomia);

 

j) Avaliar a produção secundária dos principais componentes do zooplâncton (holoplâncton);

 

k) Avaliar a contribuição dos fundos vegetados para os estoques de carbono orgânico em áreas rasas do ELP;

 

l) Avaliar a variabilidade sazonal da composição e abundância da macrofauna bentônica do meso e supralitoral da Praia do Cassino, adjacente ao ELP;

 

m) Desenvolver um Modelo Baseado no Indivíduo (MBI, Individual Based Model (IBM, em inglês) para avaliar o transporte de ovos e larvas de peixes no ELP;

 

n) Avaliar as variações de longo prazo na estrutura da assembléia de peixes e na disponibilidade de pós-larvas de camarão-rosa na zona de arrebentação da Praia do Cassino, adjacente ao ELP;

 

o) Determinar os elos tróficos dominantes entre produtores primários e consumidores (invertebrados e peixes) na Praia do Cassino, adjacente ao ELP;

 

p) Avaliar se o padrão de ocupação do ELPA pelos botos é alterado em anos de El Niño, com pluviosidade elevada.

 

O Sitio 8 do Programa Ecológico de Longa Duração - PELD (MCTI-CNPq) abrange o estuário da Lagoa dos Patos (ELP) e região costeira adjacente (32° 05' S, 52° 10' W). Este ambiente é estudado desde o final do século XIX (Ihering 1885), e com amostragens frequentes e intermitentes (horária, diária, mensal, sazonal, mensal, anual e inter-anual) desde 1979, formando uma das mais longas séries temporais contínuas em ambiente estuarino no Brasil, com mais de 30 anos de dados bióticos e abióticos.

 

Em 1998 teve início o primeiro projeto do PELD-Brasil no Sitio 08, intitulado “Efeito das perturbações naturais e antrópicas na ecologia do estuário da Lagoa dos Patos”. O principal resultado deste estudo de 10 anos (1998-2008) foi mostrar que “o regime hidrodinâmico do estuário da Lagoa dos Patos sofre profundas alterações devido `a perturbações naturais episódicas, esporádicas e caóticas (eventos climáticos de larga escala como o El Niño Oscilação Sul – ENOS, e tempestades). Foi ainda demonstrado que essas variações, bem como as perturbações antrópicas prolongadas (eutrofização, dragagem e pesca descontrolada), desequilibram a estrutura e alteram a dinâmica de populações e comunidades do bentos, plâncton, necton e a distribuição dos habitats submersos e emersos no estuário da Lagoa dos Patos”.

 

Posteriormente, em 2009 foi aprovado o projeto “Limnificação e ação antrópica no estuário da Lagoa dos Patos: Conseqüências de longo prazo no recrutamento, invasão de espécies e interações tróficas”. Este projeto foi desenvolvido entre 2009 e 2012 e também ficou constatada a importância de fenômenos climáticos de larga escala na ecologia destes ecossistemas. Em períodos de ocorrência do fenômeno El Niño (aquecimento das águas do Oceano Pacífico) verifica-se um aumento significativo das chuvas na região, o que leva a uma diminuição da salinidade e do tempo de residência da água no ELP. Este fato leva a profundas alterações das comunidades de fito, zôo e icitioplâncton, bem como do bentos, peixes e da vegetação submersa e emersa deste ambiente.

 

O projeto lançou mão de algumas inovações metodológicas e tecnológicas como uso de modelos matemáticos para caracterização da hidrologia; utilização de um amostrador contínuo de salinidade e fluorescência (clorofila a) com amostragens horárias da coluna de água ao longo de dois anos; emprego de fotografias de satélite (LANDSAT) para mapeamento da vegetação submersa e uso de isótopos estáveis para determinação precisa de interações tróficas e indicador da eutrofização antrópica do sistema. Além disso, a observação no ELP do mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei), espécie invasora de origem límnica e que pode causar grandes impacto a ecologia deste ambiente demonstra a importância da manutenção de estudos contínuos de longa duração no Sitio 8 do Programa Ecológico de Longa Duração.

 

As investigações referentes ao macrozoobentos foram iniciadas pelo Laboratório de Ecologia de Invertebrados Bentônicos no ano de 1978. Os ambientes investigados são os ambientes estuarinos da Lagoa dos Patos, praia arenosa adjacente e regiões de plataforma continental e talude no Sul do Brasil. As atividades de pesquisa envolvem alunos dos cursos de graduação em Oceanologia e Biologia, Pós-graduação em Oceanografia Biológica (níveis Mestrado e Doutorado) e Especialização em Ecologia Aquática Costeira, principalmente através das atividades de orientação em trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses.

Neste contexto, as linhas de pesquisa desenvolvidas pelo laboratório são:

1) Variabilidade espaço-temporal do macrozoobentos em regiões rasas estuarinas em escalas de curto, médio e longo prazo;

2) Avaliações da dinâmica de populações e comunidades macrofaunais associadas a fundos vegetados de habitats rasos estuarinos;

4) Variabilidade espaço-temporal do macrozoobentos do infralitoral estuarino;

3) Influência dos parâmetros da coluna d’água e do substrato sobre os macroinvertebrados bentônicos estuarinos;

4) Ecologia de invertebrados de praias arenosas.

 

 

Infraestrutura do laboratório

 

 

 

 

Em construção

Oceanografia Física - FURG

 

A repercussão dos trabalhos do grupo tem sido observada nas citações destes na comunidade científica e na forma como o grupo é chamado a participar de projetos e planos de desenvolvimento científicos e de desenvolvimento regional. Nos últimos anos vários trabalhos de cunho científico envolvendo análise de dados, modelagem numérica e sensoriamento remoto vêm sendo publicados por este grupo relativos à Lagoa dos Patos, à costa do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e mesmo de outras regiões do Brasil e do mundo. O grupo participa com projeto na Rede de Modelagem e Observações (REMO/PETROBRAS), que envolve outras insituiçoes universitárias do Brasil, como a USP, a UFES e UFBA, e em programas de pesquisas na Antártica, com destaque para os trabalhos que estão sendo desenvolvidos durante o Ano Polar. Além destes, o grupo tem uma intensa atividade em projetos ligados à Administração Ambiental de Portos Brasileiros através do Programa DESPORT/CNPq e do Programa de Monitoramento Ambiental do Porto de Rio Grande financiado pela Superintendência do Porto de Rio Grande (SUPRG). Merece destaque, também, a participação do grupo Consórcio "South Atlantic Climate Change" financiado pelo Insituto Interamericano para Investigações de Mudanças Globais desde 1999. Os pesquisadores do grupo são todos orientadores em programas de pós-graduação e dois componentes são pesquisadores do CNPq.

Ecologia Vegetal Costeira

 

As atividades do grupo nas diferentes linhas de pesquisa resultaram na caracterização da biodiversidade da flora costeira no sul do Brasil. As investigações sobre os aspectos ecofisiologicos e da dinâmica populacional da vegetação costeira contribuiram para o melhor conhecimento da estrutura dos ambientes costeiros e dos processos que governam sua evolução. Este conhecimento é de vital importância para um manejo ambiental apropriado da vegetação costeira no sul do Brasil, devido aos impactos ambientais por atividades humanas e as mudanças climáticas globais. Dentre os resultados mais relevantes alcançados pelo grupo destacam-se publicações científicas, bem como os livros nacionais e internacionais que contribuiram para o melhor conhecimento ecológico da costa Latino-Americana e, especialmente da costa sul brasileira. O grupo se empenha na formação de recursos humanos altamente qualificados, em nível de Graduação e em nível de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado).

Laboratório de Ecologia e Conservação de Tartarugas e Mamíferos Marinhos

Conta com uma área física de aproximadamente 150m2 (uma sede no Instituto de Oceanografia e a outra no Museu Oceanográfico), equipamentos e instalações para estudos de ecologia de tartarugas e mamíferos marinhos. Os equipamentos incluem lupas, microscópio, 3 câmeras fotográficas digitais e lentes de diversos tipos, microcomputadores e laptops, GPSs, balastras e dardos para coleta de biópsias, bote inflável de 5m com fundo rígido com motor de popa com 90hp, micrótomos de congelamento e serra metalográfica. Conta ainda com uma das maiores coleção osteológicas de mamíferos marinhos do Brasil.

 

 

O Laboratório de Ictiologia objetiva estudar de forma integrada, utilizando o estuário da Lagoa dos Patos e as regiões oceânica costeira e limnica adjacentes como pontos de comparação, a ecologia e sistemática das espécies de peixes que ocorrem nas lagoas costeiras e estuários do Rio Grande do Sul. Visa também, fornecer subsídios para a correta administração ambiental na região.
Foi no final da década de 70’ que o Laboratório de Ictiologia da FURG iniciou estudos sistemáticos sobre a ictiofauna do Estuário da Lagoa dos Patos, através de coletas de campo mensais entre 1979 e 1984 em vários pontos da região. Essas pesquisas permitiram entender o ciclo de vida e os padrões de migração das espécies dominantes na região. Na década de 90, novos estudos ampliaram esses conhecimentos, especialmente a importância dos hábitats estuarinos para os peixes. A partir de 1996, o laboratório deu início ao monitoramento continuado da ictiofauna no estuário através de coletas mensais nas zonas rasas, o qual se estende até os dias atuais. A partir de 1999 esse monitoramento foi integrado ao Programa de Estudos Ecológicos de Longa Duração (PELD). Com a integração do banco de dados históricos (1979-1984) e do PELD (1996-até o presente), o laboratório tem realizado pesquisas que vem elucidando vários padrões ecológicos plurianuais e inter-decadais, e alguns dos fatores ambientais (p.ex., hidrologia e padrão de salinização) que controlam a fauna de peixes, bem como seus reflexos sobre a produção pesqueira da região. Além disso, essa integração permitiu a avaliação de efeitos de fatores antrópicos (p.ex., variações no esforço de pesca, obras de expansão portuária) sobre a ictiofauna estuarina. Recentemente, foi inaugurada no laboratório uma nova linha de pesquisa que utiliza a análise de isótopos estáveis como ferramenta na investigação da teia alimentar estuarina. A partir do uso combinado de isótopos estáveis e da análise tradicional do conteúdo estomacal de peixes, esta linha de pesquisa busca alcançar estimativas mais acuradas sobre a estrutura e dinâmica da teia alimentar estuarina, incluindo os principais elos tróficos entre produtores primários e consumidores e suas relações com ambientes limnicos e marinhos adjacentes.
Em suma, o laboratório de Ictiologia da FURG atua em diversas linhas de pesquisas, tais como: Bio-Ecologia de peixes; Estudos de Longa duração e sua relação com os fenômenos climáticos, Pesca, e Ecologia Trófica.

 

 

O Laboratório de Ecologia do Ictioplâncton (LEI) do Instituto de Oceanografia (IO) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) iniciou suas atividades no final dos anos 70 sob a coordenação da Dra. Graciela Weiss, que liderou o LEI até 1989. Entre 1992 e 1996, o responsável pelo Laboratório foi o Dr. Chossi Sinque, e atualmente, é coordenado pelo Dr. José H. Muelbert. As atividades de pesquisa do grupo estão voltadas a elucidação de aspectos da ecologia de ovos e larvas de peixes no estuário da Lagoa dos Patos, na região costeira adjacente e no Atlântico Sul. Através de suas linhas de pesquisa, o LEI participa dos curso de graduação em Oceanologia; do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Biológica; do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Física, Química e Geológica; e do Programa de Pós-Graduação em Ecologia da UFSC. Durante sua existência, as pesquisas do grupo tem contribuido para o conhecimento da ecologia descritiva e taxonomia dos ovos e larvas das principais espécies de peixes da região. Os principais resultados demonstram a utilização do estuário como área de criação de peixes; a influência de fatores abióticos na distribuição espacial do ictioplâncton; e sugestões sobre a existência de importantes mecanismos de recrutamento larval. A partir destes resultados, novos direcionamentos do LEI procuram incrementar o conhecimento destes mecanismos através de estudos de crescimento, mortalidade, dispersão e transporte, e a importância das áreas de baixios para larvas de peixes. Um importante enfoque proporcionado através do PELD é o estudo de processos de longa duração e sua relação com o ictioplâncton. O grupo possui intenso intercâmbio com laboratórios em outras instituições nacionais e internacionais, participando do South Atlantic Climate Change Consortium (SACC) patrocinado pelo Instituto Inter-americano de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (IAI), e do módulo Zonas Costeiras do INCT-Rede Clima. Maiores informações em: http://www.lei.furg.br/ 

 

 

Vista interna do Laboratório de Ecologia de Ictioplâncton (LEI), mostrando o processamento de triagem e identificação do material e a infraestrutura básica do LEI

 

Ecologia do Zooplâncton Marinho e Estuarino

 

Estudos sobre a ecologia dos organismos zooplanctônicos do estuário da Lagoa dos Patos e zona costeira adjacente vem sendo desenvolvidos pelo laboratório de zooplâncton da FURG desde o final dos anos 70. Atualmente o Laboratório conta com uma estrutura física de aproximadamente 216 m2, divididos em laboratórios úmido e de microscopia, laboratório para análise de biomassa, laboratórios de cultivo de zooplanctôn e fitoplâncton, laboratório para processamento e armazenamento de amostras assim como uma área externa para preparo de campanhas. As atividades atuais são coordenadas por 2 pesquisadores e 1 técnico com a participação de alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós doutorado.

Os projetos de pesquisa são desenvolvidos principalmente no Estuário da Lagoa dos Patos e zona costeira adjacente, mas participações em campanhas oceanográficas na costa brasileira, Antártica e transoceânicas também são realizadas. A maioria das pesquisas visa estudar de forma integrada a contribuição do zooplâncton nos processos de transferência de energia para os diferentes níveis tróficos assim como a resposta dos organismos as mudanças devido a alterações químicas, físicas, biológicas e ambientais. Neste contexto, as seguintes linhas de pesquisa são desenvolvidas. 1. Monitoramento; 2. Produção secundária; 3. Influência de parâmetros químicos, físicos, biológicos e ambientais na distribuição, composição e abundância do holo e meroplâncton; 4. Cultivo de organismos zooplanctônicos para uso em aqüicultura e bio-ensaios;

 

 

 

                                 VISTA GERAL DO LABORATÓRIO DE ZOOPLÂNCTON MARINHO

 

 

 

 



 

Ecologia de Fitoplâncton e Microorganismos Marinhos

 

O estudo da Ecologia de Fitoplâncton e Microorganismos Marinhos foi iniciado na FURG no ano de 1984 e atualmente conta com 3 pesquisadores da FURG e estudantes de graduação (Oceanologia, Biologia) e pós-graduação em Aquicultura e Oceanografia Biológica (Mestrado e Doutorado). O grupo atua em linhas de pesquisa relacionadas com a ecologia de procariontes e protistas planctônicos marinhos (fitoplâncton, protozooplâncton e bacterioplâncton). Os projetos de pesquisa são desenvolvidos principalmente nos ambientes costeiros e oceânicos do sul do Brasil: estuário da Lagoa dos Patos, praias adjacentes, plataforma continental e talude, mas também no Oceano Atlântico Sul Ocidental e Antárctica e fornecem a base de dados para a detecção de mudanças de longo prazo no estuário e Praia do Cassino. Destaca-se, o intercâmbio com pesquisadores de outras instituições brasileiras e internacionais, e até o presente, a formação de mais de 50 mestres e doutores, que hoje atuam profissionalmente em outras Universidades ou Institutos de pesquisa no País e exterior. A produção científica vem sendo divulgada em periódicos nacionais, internacionais e livros, gerando informações importantes para a compreensão do funcionamento dos ecossistemas e seu possível manejo. Em pesquisas aplicadas, participantes do grupo tem atuado na avaliação de impactos ambientais (EIA-RIMA), e o conhecimento gerado tem repercussão direta nos problemas ambientais causados por microalgas tóxicas e no uso de microorganismos na aquacultura. Mais recentemente projetos na área de Biotecnologia vem sendo desenvolvidos, com o cultivo de microalgas com potencial de aplicações diversas.

 

 

 

 









 
sdhihfihfif

PERTURBAÇÕES HUMANAS E NATURAIS

 

A importância ecológica e sócio-econômica do estuário da Lagoa dos Patos destaca-se no Atlântico Sul-Ocidental e a região, por mais de um século, tem satisfeito as necessidades ecológicas e humanas sem qualquer gerenciamento. Entretanto, durante décadas recentes a crescente demanda por água para uso doméstico, industrial e irrigação das lavouras de arroz tem modificado significativamente a média anual da descarga de água doce que passa através do canal de acesso ao estuário. Especialmente em anos de seca, o desvio (> 13%) de água doce pode afetar negativamente o balanço de salinidade e nutrientes no estuário e a exportação de matéria orgânica para águas costeiras. Grandes quantidades de nutrientes são adicionadas à lagoa durante o transbordamento de estações de tratamentos de esgotos deficientes e de atividades agrícolas de larga-escala levando à eutrofzação e modificações na composição do fitoplâncton com florações de cianofíceas tóxicas (Microcystis aeruginosa).

 

Aumentos esporádicos na concentração de cobre e chumbo em suspensão podem refletir a entrada de metais de efluentes industriais e atividades mineradoras na bacia de drenagem, muito embora as concentrações de metais correspondam a níveis normais. O efeito acumulativo de dragagens (aprox. 30.000 m3mês-1) para resolver problemas imediatos de navegação no canal de acesso a enseada estuarina e principais canais de navegação, tem modificado os padrões de circulação e processos naturais de deposição no estuário e nas áreas costeiras próximas as praias. Nos últimos dois séculos cerca de 10% da área de águas estuarinas e franjas de marismas tem sido destruídas devido a dragagem e/ou deposição de material devido a expansão do Porto de Rio Grande. Por mais de um século, pescarias com redes de emalhar e arrasto forneceram as bases sócio-econômicas para pescadores artesanais, que se beneficiam da migração de crustáceos e peixes para dentro e fora do estuário. Após 1945, a introdução de redes com fibras sintéticas, barcos motorizados e modernos meios de transporte e estocagem aumentaram significativamente os esforços de pesca e a pesada exploração durante os anos 70 causaram o colapso dos estoques estuarinos de miragaia, corvina e bagre. Embora as extensas praias da costa Atlântica adjacente sejam destituídas de habitações humanas, o impacto da pesca costeira sobre o estoque de peixes juvenis e o tráfego de veículos ao longo das praias sobre os invertebrados infaunais está se tornando mais e mais aparente.

 

A criação extensiva de gado sobre o capim-de-areia (Panicum) tem deixado as dunas frontais suscetíveis à erosão por ventos que se deslocam em direção as praias, levando à massivas transgressões de areia para as depressões após as dunas e marismas de água doce. Além disso, uma vez que alagamentos sazonais das marismas controlam diretamente o lençol freático das dunas frontais, drenagens artificiais das marismas antes de reflorestamentos de larga-secala com Pinus e Eucalyptus tem afetado o equilíbrio natural da vegetação das dunas e, consequentemente, a estabilidade costeira e a diversidade biológica. Ademais dos impactos humanos, o declínio dos recursos costeiros, de sua estabilidade e diversidade podem ser atribuídos a fenômenos globais de larga-escala. Eventos do El Niño Oscilação do Sul (ENSO) afetam profundamente a dinâmica ecológica no estuário e regiões costeiras adjacentes. Enquanto durantes anos chuvosos de El Niño, descargas elevadas de água doce e concentrações de nutrientes dissolvidos aceleram o crescimento do fitoplâncton, durantes anos de La Niña a intensa salinização interfere com os ciclos reprodutivos de vários crustáceos e peixes marinhos no estuário. Além disso, um decréscimo de 13 a 20% do ozônio estratosférico sobre o Sul do Brasil tem aumentado a radiação UV-B, a qual provavelmente altera a abundância e a produtividade de algas, gramíneas submersas, vegetação de marismas e plantas de dunas.

HABITATS DE PRAIAS DO ATLÂNTICO


Zona de Arrebentação e Praia

A alta densidade e biomassa de invertebrados nas águas da zona de arrebentação oferece alimento abundante para juvenis de peixes como o pampo (trachinotus), tainha (Mugil), papa-terra (Menticirrhus) peixe-rei (Odontesthes bonarienses). As águas rasas provêem proteção contra grandes predadores como raias, pequenos tubarões e mamíferos marinhos. Nas areias finas (granulosidade 0,12 - 0,25 mm) da zona intertidal e de varrido da praia, grande número de ostras (Mesodesma mactroides e Donax hanleyanus), poliquetas (Spio gaucha) e crustáceos (Emerita brasiliensis e Excirolana armata) se alimentam de detrito orgânico e de fitoplâncton, especialmente das densas agregações da diatomácea Asterionellopsis glacialis. Na maré baixa, invertebrados intertidais são uma fonte vital de alimento para muitos pássaros residentes como o ostreiro (Haematopus) e migratórios como maçaricos (Calidris) e batuíras (Pluvialis e Charadrius). Gaivotas (Larus dominicanus) estão entre os pássaros mais numerosos na praia e, juntamente com garças (Egretta thula, Ardea cocoi) e gaviões (Milvago chimango, Polyborus plancus) se alimentam de lixo deixado na praia. Pássaros migratórios encontram locais abrigados com fácil alimentação e nidificam em praias desertas como as do Sul do Brasil. Portanto, a conservação destas áreas tem significância mundial.

 

 

 

 

Supralitoral e Dunas Frontais

A ação das ondas e a energia do vento resultam no transporte de areia da praia influenciando na estabilidade das dunas frontais, e na composição da vegetação herbácea do supralitoral. O supralitoral é um ambiente instável sazonalmente devido a inundações erosivas de tempestades, sendo colonizado exclusivamente por Blutaparon portulacoides, vegetação rizomatosa perene que captura a areia trazida pelo vento e forma dunas embrionárias, de até 1 m de altura. As condições terrestres favorecem uma fauna de besouros (Bledius, Cicindela), embora também ocorram espécies marinhas como o caranguejo maria-farinha (Ocypode quadrata). Espécies do supra litoral se alimentam de material detrítico na linha de lixo.


A maior parte do fluxo de areia originada da praia não é retida pelas dunas embrionárias, mas acaba depositando sob a influência de tempestades de maré, em estandes da gramínea Panicum racemosum. A dispersão clonal desta planta e seu crescimento vertical promovem uma deposição eficiente de areia (70 cm ano-1), equilibrando a erosão durante os períodos quando prevalecem ventos provenientes do mar, levando a formação de dunas de 4 a 6 m de crista. Na base destas dunas, espécies anuais como Cakile maritima e Calycera crassiflora ocasionalmente escapam dos rigores do supralitoral. Ao longo do tempo e com a distância do mar, populações de Panicum racemosum transformam-se de "invasoras", passando por "maduras" até chegar ao estágio "regressivo", expresso por uma redução gradual da densidade populacional em resposta a deposição de areia e a entrada de nutrientes. Nas dunas com reduzido acréscimo de areia Gamochaeta americana e Senecio crassiflorus podem tornar-se dominantes localmente. Roedores (Ctenomys flamarioni e Calomys laucha) são comuns em dunas frontais mais secas onde ingerem sementes e tecidos de planta. A cobertura de plantas das dunas frontais e substratos secos também oferecem nichos para um grande número de insetos (>40 coleópteros), os quais são predados pelo sapo da areia (Bufo arenarum arenarum), rã da areia (Pleurodema darwini) e lagarto (Liolaemus occipitalis).


Uma grande diversidade de plantas e animais habitam as depressões secas e sazonalmente inundadas, atrás das dunas frontais, devido a elevada estabilidade de substratos e proximidade do lençol freático. A gramínea endêmica e perene Andropogon arenarius, juntamente com Spartina ciliata, Androtrichum trigynum, e Hydrocotyle bonariensis, ocupam caracteristicamente as depressões secas. Um gradiente de umidade entre as depressões secas e úmidas gera modificações na dominância de Andropogon para Androtrichum trigynum nas  depressões úmidas inundadas durante o inverno. Imperata brasiliensis, Hydrocotyle bonariensis, Baccopa monieri e os juncos (Juncus acutus, Typha domingensis) são co-dominantes nas depressões úmidas. Plantas das depressões protegidas fornecem áreas de proteção e alimento para uma comunidade animal diversa. Entre os insetos as formigas são as espécies mais conspícuas. Outros habitantes dos slacks são carunchos (Listroderes uruguayensis), vespas (Tachytes ornatipes), grilos (Neotridactylus carbonelli) e os carabideos. Durante a noite, a coruja (Athene cunicularia), gambas (Conepathus chinga), tatus (Dasypus hybridus), lebres (Lepus capensis), e raposas (Dusicyon gymnocercus) fazem incursões alimentares nas dunas frontais.

INTERAÇÕES ENTRE A COSTA E O OCEANO


Os habitats no estuário da Lagoa dos Patos apresentam interfaces entre si e com a região costeira adjacente através de processos de produção, transporte de material e migração de organismos. De maneira geral, os ciclos de curta duração ou sazonais tendem a estabilizar os processos ecológicos e sustentar considerável produção secundária nestas regiões. Por exemplo, a exportação de nutrientes inorgânicos e detritos representa uma importante fonte de energia para produtores primários e uma ligação trófica para as cadeias alimentares detritívoras e de predação. O enriquecimento das águas costeiras depende, parcialmente, do inóculo no estuário de diatomáceas neríticas (Skeletonema costatum), após a intrusão de água salgada, e sua subsequente exportação como carbono orgânico particulado. Além disso, a descarga de água doce favorece a ocorrência de grandes e densas agregações de plâncton nas águas costeiras. Uma vez que camadas de água doce tendem a estabilizar a coluna de água, a dispersão de ovos e larvas de anchoveta (Engraulis anchoita) é inibida e a grande disponibilidade de alimentos aumenta suas chances de sobrevivência. Finalmente, a deposição de matéria orgânica particulada durante as descargas de água doce fornecem alimento para organismos invertebrados e epibentos suspensívoros e peixes demersais sutentando, portanto, uma comunidade bentônica diversa e abundante.

 

Em contraste, eventos climáticos e oceanográficos extremos podem representar uma grande perturbação para a estabilidade dos processos ecológicos no estuário e na região costeira. Por exemplo, grandes descargas de água doce após as chuvas de inverno e fortes ventos de NE causam um aumento da velocidade de corrente no canal de acesso. Sob tais condições, o recrutamento primaveril de muitas espécies importantes no estuário é impedido. Além disso, descargas continentais extremas com nutrientes fluviais e concomitante aumento das concentrações de clorofila a está diretamente relacionado à eutrofização da região costeira. O aumento nos processos de produção possivelmente modificam a dinâmica ecológica de todo a região costeira.

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 


RELAÇÕES TRÓFICAS ESTUARINAS

 

A despeito da considerável diversidade alimentar fornecida pelos produtores primários, poucos consomem as plantas diretamente. A maioria dos organismos residentes ou migrantes depende de uma fonte contínua de material detrítico como fonte essencial de energia. Nematódeos e ostracodas consumidores de depósito no meio-bentos, poliquetos infaunais, pelecípodas e percarídeos, assim como gastrópodos macrobênticos epifaunais, crustáceos peracarídeos e alguns peixes (Mugil) são os consumidores de primeiro nível do abundante detrito orgânico. Consumidores de segundo nível são as espécies de camarão, caranguejos, e peixes (Micropogonias furnieri, Odontesthes argentinensis, Atherinella brasiliensis), embora os decápodos apresentem mudanças ontogênicas em suas preferências alimentares e/ou explorem outras fontes alimentares, agindo em diferentes níveis tróficos. Em regiões rasas, muitos consumidores primários e secundários são predados por aves como maçaricão de pernas longas (Himantopus himantopus), maçarico-de-bico-virado (Limosa haemastica) e batuiras (Charadrius modestus).

 

O molsuco bivalve Erodona mactroides é o consumidor mais importante de microalgas bentônicas, enquanto que peixes como Brevoortia pectinata, Lycengraulis grossidens e Anchoa marinii são planctívoros proeminentes. Muitos dos consumidores secundários de depósito e de plâncton são predados por indivíduos maiores como siris (Callinectes sapidus) e corvinas (Micropogonia furnieri), bagres (Netuma barba), garças (Egretta thula), biguás (Phalacrocorax olivaceus) e trinta-réis (Sterna hirundo). Embora predadores maiores sejam raros no estuário, corvinas e tainhas podem ser predados pelo golfinho nariz de garrafa Tursiops truncatus.

Em águas rasas, consumidores primários e secundários são predados por aves como o pernauta (Himantopus himantopus), maçarico-de-bico-virado (Limosa haemastica) e batuiras (Charadrius modestus). Os importantes organismos planctívoros são representados pelo filtrador infaunal Erodona mactroides e por peixes como Brevoortia pectinata, Lycengraulis grossidens e Anchoa marinii. Alguns consumidores secundários são predados por grandes indivíduos de siri azul (Callinectes sapidus) e também por corvinas (Micropogonia furnieri), bagres (Netuma barba), garças (Egreta thula), biguás (Phalacrocorax olivaceus) e trinta-réis (Sterna hirundo). Apesar de grandes predadores serem raros no estuário, corvinas e tainhas são perseguidos por Tursiops truncatus.

 

 

 


Fonte: Seeliger, 2011

 

HABITAT BENTÔNICO

As extensas áreas rasas e a entrada de grande volume de sedimento em suspensão de origem fluvial do complexo Patos-Mirim, fazem do ELP uma bacia de deposição com diferentes tipos de fundo e proporção variável de argila, lama e areia, conforme o nível de energia hidrodinâmica. O substrato não consolidado do estuário, as distintas frequências de alagamento/exposição e variações de salinidade fornecem as condições para o estabelecimento de habitats sub e intermareais (Fig. 1).

 

 

Boa parte do ELP (aprox. 300 km2) é caracterizada por planos intermareais e submareais. Os consumidores destes habitats são invertebrados do meiobentos, infauna e epifauna, bem como peixes estuarinos, que se alimentam de detrito proveniente da produção autóctona de macroalgas, fitoplâncton, fitobentos ou de áreas adjacentes vegetadas por fanerógamas. As extensas pradarias da fanerógama submersa Ruppia maritima (aprox.120 km2) no estuário oferecem proteção e fonte de alimento para o crescimento e/ou reprodução de organismos bentônicos (Fig.2). As folhas, hastes, raízes e rizomas de Ruppia maritima que ocorrem entre 0,3 e 1,5 m de profundidade, servem ainda como substrato para a formação de biomassa e de grande diversidade de outros macro e microprodutores.

 

 

Ocypode quadrata

Uca uruguayensis

Donax hanleyanus

Excirolana Armata

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

HABITAT PLANCTÔNICO-PELÁGICO

A heterogeneidade fisiográfica do estuário, com marismas, zonas rasas abertas ou protegidas e canais profundos oferece uma grande diversidade de habitats, os quais interagem entre si, com a área límnica e com a costa adjacente através do transporte de sedimentos e plâncton, e da migração de organismos. A precipitação pluviométrica e os ventos controlam as trocas de água entre o ELP e a região costeira, sendo os principais fatores responsáveis pelo transporte de fito- e zooplâncton, larvas de invertebrados e ovos e larvas de peixes. Variações marcantes ocorrem na composição de espécies da comunidade planctônica em curta escala (horas, dias), mesoescala (sazonal, meses) e de longo prazo (inter-anual). Durante períodos de vazão de água doce, organismos de regiões oligohalinas e de água doce como cianobactérias (Anabaena, Aphanizomenon, Microcystis), clorofíceas (Planctonema), diatomáceas (Chaetoceros subtilis), cladóceros (Moina micrura), copépodos (Notodiaptomus incompositus) e ovos e larvas de peixes (Parapimelodus nigrebarbis), são os componentes mais importantes do plâncton.

 

A entrada de água salgada propicia uma maior diversidade planctônica com o crescimento de diatomáceas eurihalinas (Skeletonema costatum, Cerataulina, Chaetoceros, Rhizosolenia, Coscinodiscus, Odontella) provenientes da região costeira, juntamente com espécies de copépodos marinhos (Acartia tonsa e Euterpina acutifrons), larvas de poliquetas, moluscos, crustáceos e peixes. Durante períodos prolongados de água salgada no estuário e elevada temperatura no verão, diatomáceas e dinoflagelados marinhos ocorrem em conjunto com espécies neríticas de cladóceros (Pleopis polyphemoides, Penilia avirostris), misidáceos costeiros e a maior abundância de ovos e larvas de peixes. Destes, 88% dos ovos e 66% das larvas são de espécies das famílias Clupeidae (ex. Brevoortia pectinata), Engraulididae (Lycengraulis grossidens) e Sciaenidae (Micropogonias furnieri), enfatizando a importância do estuário para a sua reprodução, alimentação e crescimento. Já peixes estuarinos residentes (Odonthestes argentinensis, Atherinella brasiliensis, Genidens genidens) dependem menos de mecanismos de transporte de água, utilizando estratégias alternativas de reprodução (ovos aderentes; incubação oral) para assegurar a sua permanência no estuário.

 

Cerca de 100 espécies de peixes marinhos e anádromos (ex. Genidens barbus e G. planifrons) migram para o estuário e se beneficiam da abundância de alimentos, contribuindo significativamente para a alta produção biológica da região. A maioria dos peixes marinhos são migradores facultativos ou oportunistas, entretanto os juvenis e sub-adultos de algumas espécies parecem ser usuários obrigatórios dos criadouros no estuário, muitos dos quais (Mugil spp., Micropogonias furnieri, Genidens barbus, Macrodon ancylodon, Menticirrhus americanus, Paralonchurus brasiliensis, Cynoscion guatucupa, Umbrina canosai) representam uma fração importante das capturas da indústria pesqueira no Sul do Brasil.

COSTA DO ATLÂNTICO


Ao longo de praias expostas da região costeira adjacente ao Estuário da Lagoa dos Patos, ondas de energia moderada a alta formam uma ampla zona de arrebentação, com barras de areia paralelas à praia e que são cortadas por correntes de retorno (rip currents). O declive suave (2°) das praias dissipam a energia das ondas, muito embora o perfil das praias se modifique sazonalmente. Ao final da primavera e no verão as ondas depositam areia nas praias, enquanto que no resto do ano ocorre erosão e mudanças de volume (5 a 40 m3 m-1) especialmente durante a passagem de frentes frias. Durante ventos de NE, praias secas e largas favorecem o transporte de areias para dunas frontais, enquanto que ventos de SE alagam as praias e cessam o fluxo de areia para as dunas. As praias e dunas vegetadas atenuam a energia de fortes ondas e ventos, garantindo a estabilidade costeira por mediação dos processos dinâmicos de retenção de areia e mantêm a diversidade biológica.




ESTUÁRIO DA LAGOA DOS PATOS

 

A descarga de água doce (4.000-10.000 m3s-1) da grande bacia de drenagem (201.626 km2) que deságua no sistema lagunar Patos-Mirim alcança as águas da plataforma continental do Atlântico Sul-ocidental através do estuário da Lagoa dos Patos, um típico estuário "estrangulado". O profundo (15 m) e estreito (800 m) canal de acesso à laguna atua como um filtro, atenuando fortemente o avanço da onda de maré (0,47 m) no estuário. Como consequência, a hidrodinâmica estuarina está ligada aos padrões regionais de vento e precipitação. Durante grande descarga de água doce e forte vento de NE, todo o sistema se torna límnico por longo período. Ao contrário, com vento de SE, durante períodos de seca, ocorre uma intensa salinização com alto tempo de residência da água salgada. A passagem da água doce e intrusão de água salgada estabelecem características físico-químicas que controlam os processos ecológicos no estuário. Áreas abrigadas com disponibilidade de alimentos servem de proteção e garantem condições de crescimento e reprodução para crustáceos e peixes marinhos que visitam o estuário periodicamente conferindo, portanto, condições únicas de produtividade e potencial pesqueiro.

 

Foto:João Paulo


O Instituto de Oceanografia da FURG, IO-FURG, representa um dos principais centros de formação e de pesquisas costeiras e oceanográficas na América Latina. Sua localização geográfica e as peculiaridades do ambiente costeiro-marinho propiciaram a criação do Museu Oceanográfico (1953), a implantação do primeiro Curso de Graduação em Oceanologia no País (l970), a criação da Base Oceanográfica Atlântica (1975), a implantação dos Programas de Pós-graduação em Oceanografia Biológica (Mestrado 1979; Doutorado 1992), Oceanografia Física, Química e Geológica (Mestrado 1996; Doutorado 2003), Aqüicultura (Mestrado 2002; Doutorado 2006) e Gerenciamento Costeiro (2009).

 

 

                                                   Campus Carreiros da FURG      

Além da infra-estrutura dos laboratórios, existem os equipamentos, meios flutuantes e viaturas para a realização de coletas em campo. As pesquisas no ELP contam com o apoio da lancha Larus (15,3 m de comprimento, calado de 1,40 m; 2 motores diesel de 240 HP) para até 6 pesquisadores, equipada com guinchos de pesca, radar maritime, navegador por satelite e ecosonda SIMRAD. Estão disponíveis ainda, barcos infláveis (2), embarcações menores (2) com capacidade para 2 ou 4  pesquisadores.

 


                                    Lancha de Pesquisa Larus e Navio Oceanográfico Atlântico Sul

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisa Ecológica de Longa Duração no Estuário da Lagoa dos Patos e Costa Adjacente

 

A influência de fenômenos naturais e impactos antrópicos na biota e processos ecológicos

 

 

Programa Integrado de Ecologia (PIE/MCT/CNPq/FAPERGS) e

International Long Term Ecological Research (ILTER).

 

2016

ABREU,P.C.MARANGONI,J. C.ODEBRECHT, CLARISSE.  So close, sofar: differences in long-term chlorophyll variability in three nearby estuarine- coastal stations. Marine Biology Research(Online)p.1-13,2016.

doi:10.1080/17451000.2016.1189081

COELHO, M. S.; MENEZES, B. S.; MEZA, S. L. R.; GAINASI, B. L.; SALAS-MELLADO, M. L. M.; ABREU, DA SILVA COPERTINO, MARGARETH ; SOUZA, M. R. A. Z. Potential utilization of green tide-forming macroalgae from Patos Lagoon, Rio Grande-RS, Brazil. Journal of Aquatic Food Product Technology, p. 1-10, 2016.

doi:10.1080/10498850.2015.1012688

CONDINI, MV; TANNER, SE; REIS-SANTOS, P; ALBUQUERQUE, CQ; SAINT PIERRE, TD; VIEIRA, JP; CABRAL, HN; GARCIA, AM. Prolonged estuarine habitat use by dusky grouper Epinephelus marginatus at subtropical latitudes revealed by otolith microchemistry. Endangered Species Research (Print), v. 29, p. 271-277, 2016.

doi:10.3354/esr00717

DA SILVA MARIA, LUCASDE OLIVEIRA DA ROCHA FRANCO, ANDRÉAODEBRECHT, CLARISSEGIROLDO, DANILOABREU, PAULO C. Carbohydrates produced in batch cultures of the surf zone diatom Asterionellopsis glacialis sensulato: Influence in vertical migration of the microalga and in bacterial abundance. Journal of Experimental Marine Biology and Ecologyv.474,p.126-132,2016.

doi:10.1016/j.jembe.2015.10.009

FONTOURA, N. F.; VIEIRA, J. P.; BECKER, F. G.; RODRIGUES, L. R.; MALABARBA, L. R.; SCHULZ, U. H.; M…LLER, O. O.; GARCIA, A. M. ; VILELLA, F. S.  Aspects of fish conservation in the upper Patos Lagoon basin. Journal of Fish Biology, v. 89, p. 315-336, 2016.

doi: 10.1111/jfb.13005

 

MARIA, L. S.; FRANCO, A.; ODEBRECHT, C.; GIROLDO, D.; ABREU, P.C. Carbohydrates produced in batch cultures of the surf zone diatom Asterionellopsis glacialis sensu lato: Influence in vertical migration of the microalga and in bacterial abundance. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, v. 474, p. 126-132, 2016.

doi:10.1016/j.jembe.2015.10.009

MONT'ALVERNE, R.; PEREYRA, P. E. R.; GARCIA, A. M. Trophic segregation of a fish assemblage along lateral depth gradients in a subtropical coastal lagoon revealed by stable isotope analyses. Journal of Fish Biology, v. 89, p. 770-792, 2016.

doi: 10.1111/jfb.12903

MONTALVERNE, R.; JARDINE, T. D.; PEREYRA, P. E. R.; OLIVEIRA, M. C. L. M.; MEDEIROS, R. S.; SAMPAIO, L. A.; TESSER, M. B.; GARCIA, A. M. Elemental turnover rates and isotopic discrimination in a euryhaline fish reared under different salinities: Implications for movement studies. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, v. 480, p. 36-44, 2016.

doi:10.1016/j.jembe.2016.03.021

PEREYRA, P. E. R.; MONTALVERNE, R.; GARCIA, A. M. Carbon primary sources and estuarine habitat use by two congeneric ariid catfishes in a subtropical coastal lagoon. Zoologia (Curitiba. Online), v. 33, p. e20150075, 2016.

doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-4689zool-20150075Ê

2015

AMARAL, G.R.; DUMONT, L.F.C.; NEUNFELD, A.; ESTIMA FILHO, S.  Size structure of the pink shrimp, Farfantepenaeus paulensis (Pérez-Farfante, 1967) (Decapoda: Penaeoidea), in a subtropical estuary: an assessment motivated by demand from fishermen. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 10, p. 105, 2015.

 

BOTTA, S.; ALBUQUERQUE, C.; HOHN, A. A.; DA SILVA, V. M. F.; SANTOS, M. C. O.; MEIRELLES, C.; BARBOSA, L.; DI BENEDITTO, A. P. M.; RAMOS, R. M. A.; BERTOZZI, C.; CREMER, M. J.; FRANCO-TRECU, V.; MIEKELEY, N.; SECCHI, E. R.  Ba/Ca ratios in teeth reveal habitat use patterns of dolphins. Marine Ecology. Progress Series (Halstenbek), v. 521, p. 249-263, 2015.

doi: 10.3354/meps11158

COELHO, M. S.; SOUZA, M. R. A. Z.; MENEZES, B. S. ; COPERTINO, M. S. Potential utilization of green tide-forming macroalgae from Patos Lagoon, Rio Grande-RS, Brazil. Journal of Aquatic Food Product Technology, 2015.

CONDINI, M. V.; HOEINGHAUS, D. J.; GARCIA, A. M. Trophic ecology of dusky grouper Epinephelus marginatus (Actinopterygii, Epinephelidae) in littoral and neritic habitats of southern Brazil as elucidated by stomach contents and stable isotope analyses. Hydrobiologia (The Hague. Print), v. 743, p. 109-125, 2015.

doi: 10.1007/s10750-014-2016-0

COSTA,M.D.P.;MUELBERT,J.H.;VIEIRA,J.P.;CASTELLO,J. Dealing with temporal variation and different life stages of whitemouth croaker Micropoganias furnieri (Actinopterygii,Sciaenidae) in species distribution modeling to improve essential estuarine fish habitat identification. Hydrobiologia(TheHague.Print),v.u,p.1-15,2015.

doi:10.1007/s10750-015-2348-4

FRUET, P.F.; DAURA-JORGE, F.; MOLLER, L. M.; GENOVES, R.C.; SECCHI, E. R. Abundance and demography of bottlenose dolphins inhabiting a subtropical estuary in the Southwestern Atlantic Ocean. Journal of Mammalogy, v. 96, p. 332-343, 2015.

doi: http://dx.doi.org/10.1093/jmammal/gyv035

GOUVEIA, G. R.  TRINDADE, G. S.  NERY, LUIZ  EDUARDO  MAIA  MUELBERT,  JOSE HENRIQUE. UVA  and  UVB  Penetration  in  the  Water  Column  of   South  West  Atlantic Warm  Temperate  Estuary  and  its  Effects  on  Cells  and  Fish  Larvae.  Estuaries  and  Coasts v. 38,  p.  1147-1162,  2015. 

doi: 10.1007/s12237-015-9996-5

HARAGUCHI, L.; CARSTENSEN, J.; ABREU, P. C.;ODEBRECHT, C. Long-term changes of the phytoplankton community and biomass in the subtropical shallow Patos Lagoon Estuary, Brazil. Estuarine, Coastal and Shelf Science (Print), 2015.

doi: 10.1016/j.ecss.2015.03.007

LISBOA, P. V.; FERNANDES, E. H.; ESPINOZA, J.; ALBUQUERQUE, M. G. Variações Geomorfológicas do Pontal Sul do Estuário da Laguna dos Patos RS Brasil. Scientia Plena, v. 11, p. 01-06, 2015.

LISBOA, P. V.; FERNANDES, E. H. Anthropogenic influence on the sedimentary dynamics of a sand spit bar, Patos Lagoon Estuary, RS, Brazil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 1, p. 1-2, 2015.

doi: 10.5894/rgci541

MARTINS, A. C. B.; KINAS, P. G.; MARANGONI, J. C.; MORAES, L. E.; VIEIRA,J. P. Medium- and long-term temporal trends in the fish assemblage inhabiting a surf zone, analyzed by Bayesian generalized additive models. Aquatic Ecology (Print), v. 1, p. 1-13, 2015.

doi: 10.1007/s10452-015-9504-9

ODEBRECHT, C.; ABREU, P. C.; CARSTENSEN, J. Retention time generates short-term phytoplankton blooms in a shallow microtidal subtropical estuary. Estuarine, Coastal and Shelf Science (Print), 2015.

doi: 10.1016/j.ecss.2015.03.004

RODRIGUES, F. L.; CABRAL, H. N.; VIERIA, J. P.. Assessing surf-zone fish assemblage variability in southern Brazil. Marine and Freshwater Research, v. 66, p. 106-119, 2015.

doi: 10.1071/MF13210

 

2014

AVILA, R. A.; MÖLLER Jr., O. O.; ANDRADE, M. M. Uso de um ADCP para Estimar Concentrações de Material Particulado em Suspensão para o Estuário da Lagoa dos Patos, Brasil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 19, p. 299-309, 2014.

BARROS, G.; WILIAM, C. M.; KIRINUS, E. P. Influence of the Freshwater Discharge on the Hydrodynamics of Patos Lagoon, Brazil. International Journal of Geosciences, v. 05, p. 925-942, 2014.

doi: 10.4236/ijg.2014.59080

BASTOS, R. F.; CALLIARI, L. J.; GARCIA, A. M. Marine intrusion and freshwater discharge as opposite forces driving fish quilds distribuion along coastal plain streams. Hydrobiologia, v.726, p. 245-258, 2014

doi: 10.1007/s10750-013-1771-7

CARRASCO, D.; FELIPE-BAUER, M. L.; D'INCAO, FERNANDO,; DUMONT, L. F. C. Abundance of Culicoides (Diptera, Ceratopogonidae) species in salt marshes of the Patos Lagoon estuary, Rio Grande do Sul, Brazil: influence of climatic variables. Pan-American Journal of Aquatic Science, v. 9, p. 8-20, 2014

COSTA, M. D. P.; MUELBERT, J. H.; MORAES, L. E.; VIEIRA, J.P.; CASTELLO, J. P. Estuarine early life stage habitat occupancy patterns of whitemouth croaker Micropogonias furnieri (Desmarest, 1830) from the Patos Lagoon, Brazil. Fisheries Research, v. 16, 2014

doi: 10.1016/j.fishres.2013.10.025

 

FRUET, P. F.; SECCHI, E. R.; DAURA-JORGE, F.; VERMEULEN, E.; FLORES, P. A. C.; SIMÕES-LOPES, P. C.; GENOVES, R. C.; LAPORTA, P.; TULLIO, J. C. D.; FREITAS, T. R. O.; ROSA, L. D.; VALIATI, V. H.; BEHEREGARAY, L. B.; MÖLLER, L. M. Remarkably low genetic diversity and strong population structure in common bottlenose dolphins (Tursiops truncatus) from coastal waters of the Southwestern Atlantic Ocean. Conservation Genetics, v. 15, 2014. 

doi:10.1007/s10592-014-0586-z

LEMOS, V. M.; VARELA, A. S.; SCHWINGEL, P. R.; MUELBERT, J. H.; VIEIRA, J. P. Migration and reproductive biology of (Teleostei: Mugilidae) in south Brazil. Journal of Fish Biology, 2014.

doi: 10.1111/jfb.12452

MAI, A. C. G.; CONDINI, M. V.; ALBUQUERQUE, C. Q.; LOEBMANN, D.; SAINT'PIERRE, T. D.; MIEKELEY, N.; VIEIRA, J. P. High plasticity in habitat use of Lycengraulis grossidens (Clupeiformes, Engraulididae). Estuarine, Coastal and Shelf Science (Print), v. 141, p. 17-25, 2014.

doi:10.1016/j.ecss.2014.01.014

MACEDO-SOARES, L. C. P.; GARCIA, C. A. E.; FREIRE, A. S.; MUELBERT, J. H.  Large-Scale Ichthyoplankton and Water Mass Distribution along the South Brazil Shelf. Plos One, v. 9, 2014.

doi: 10.1371/journal.pone.0091241

MARQUES, W. C.; STRINGARI, C. E.; Eidt R. T. The Exchange processes of the Patos Lagoon estuary Brazil: a typical El Niño year versus a normal meteorological conditions year. Advances in Water Resource and Protection, v. 2, p. 11-19, 2014.

 

ODEBRECHT, C.; DU PREEZ, D. R.; ABREU, P. C.; CAMPBELL, E. E. Surf zone diatoms: A review of the drivers, patterns and role in sandy beaches food chains. Estuarine, Coastal and Shelf Science (Print), v. 150, p. 24-35, 2014.

doi: 10.1016/j.ecss.2013.07.011

OLIVEIRA, M. C. L. M.; BASTOS, R. F.; CLAUDINO, M.C.; ASSUMPÇÃO, C. M.; GARCIA, A. M. Transport of marine-derived nutrients to subtropical freshwater food webs by juvenile mullets: a case study in southern Brazil. Aquatic Biology (Internet), v. 20, p. 91-100, 2014.

doi: 10.3354/ab00544

PINOTTI, R. M.; MINASI, D. M.; COLLING, L. A.; BEMVENUTI, C. E. A review on macrobenthic trophic relationships along subtropical sandy shores in southernmost Brazil. Biota Neotropica (Online. Edição em Inglês), v. 14, p. 1, 2014.

POERSCH, L. H.; MILACH, A. M.; CAVALLI, R. O.. ; WASIELESKY, W. JR.; MÖLLER, O.; CASTELLO, J. P. Use of a mathematical model to estimate the impact of shrimp pen culture at Patos Lagoon estuary, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências (Impresso), v. 86, p. 1063-1076, 2014.

doi: 10.1590/0001-3765201420130111

RUAS, V.M.; RODRIGUES, M. A.;DUMONT, L. F. C.; D'INCAO, F. Habitat selection of the pink shrimp Farfantepenaeus paulensis Péres-Farfante, 1967 (Decapoda: Penaeidae) and the blue crab Callinectes sapidus Rathbun, 1896 (Decapoda: Portunidae), in an estuary in southern Brazil: salinity influence and submerged seagrass meadows. Nauplius, v. 22, p. 113-125, 2014

THEY, H.; FERREIRA, L. M. H.; MARINS, L. F.; ABREU.; P. C. Bacterial Community Composition and Physiological Shifts Associated with the El Niño Southern Oscillation (ENSO) in the Patos Lagoon Estuary. Microbial Ecology, v. 69, p. 525-534, 2014.

doi: 10.1007/s00248-014-0511-5

 

 

2013 

CAVALLI, L. S.; BATISTA, C.; NORNBERG, B.; MAYER, F.; SEIXAS, F.; ROMANO, L. A.; MARINS, L. F.; ABREU, P. C. Natural occurrence of White spot syndrome virus and Infectious hypodermal and hematopoietic necrosis virus in Neohelice granulata crab. Journal of Invertebrate Pathology, p. 86-88, 2013.

doi:10.1016/j.jip.2013.06.002

CENI, G.; VIEIRA, J. P. Looking through a dirty glass: how different can the characterization of a fish fauna be when distinct nets are used for sampling? Zoologia (Curitiba): an international journal for zoology, v. 30, p. 499-505, 2013.

doi:10.1590/S1984-46702013000500005

CLAUDINO, M.C.; ABREU, P. C.; GARCIA, A. M. Stable isotopes reveal temporal and between-habitat changes in trophic pathways in a southwestern Atlantic estuary. Marine Ecology. Progress Series (Halstenbek) v. 489, p. 29-42, 2013.

doi:10.3354/meps10400

CONDINI, M. V.; SEYBOTH, E.; VIEIRA, J. P.; VARELA, A. S.; BARREIROS, J. P.; FAVARO, L.; GARCIA, A. M. First record of the dusky grouper Epinephelus marginatus (Actinopterygii: Epinephelidae) undergoing sexual transition in the South Western Atlantic, Brazil. Hidrobiologica, v. 23, p. 448-451, 2013.

COSTA, L. D. F.; CASARTELLI, M. R.; WALLNER-KERSANACH, M. Labile copper and zinc fractions under different salinity conditions in a shipyard area in the Patos Lagoon estuary. Química Nova (Online), v. 36, p. 1089-1095, 2013.

doi: 10.1590/S0100-40422013000800002

COSTA, M. D. P.; MUELBERT, J. H.; MORAES, L. E.; VIEIRA, J. P.; CASTELLO, J. P. Estuarine early life stage habitat occupancy patterns of whitemouth croaker Micropogonias furnieri (Desmarest, 1830) from the Patos Lagoon, Brazil. Fisheries Research, v. 160, p. 77-84, 2013.

doi: 10.1016/j.fishres.2013.10.025

COSTA, L. D. F.; WALLNER-KERSANACH, M. Assessment of the labile fractions of copper and zinc in marinas and port areas in Southern Brazil. Environmental Monitoring and Assessment (Print), v. 185, p. 6767-6781, 2013.

doi: 10.1007/s10661-013-3063-0

MAI, A. C. G.; VIEIRA, J. P.; PLAVAN, A. A.; NOBREGA, M. F.; MORAES, L. E.; RODRIGUES, F. L.; MARINS, L. F. Isolation and characterization of 18 microsatellites for Lycengraulis grossidens (Pisces: Clupeiformes). Conservation Genetics Resources (Online), v. 5, p. 15-18, 2013.

doi:10.1007/s12686-012-9718-2

MAI, A. C. G.; VIEIRA, J. P. Review and consideration on habitat use, distribution and life history of Lycengraulis grossidens (Agassiz, 1829) (Actinopterygii, Clupeiformes, Engraulididae). Biota Neotropica (Edição em Português. Online), v. 3, p. 111, 2013.

doi:10.1590/S1676-060320130003000015

MOUCHET, M. A.; BURNS, M. D. M.; GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P.; MOUILLOT, D. Invariant scaling relationship between functional dissimilarity and co-occurrence in fish assemblages of the Patos Lagoon estuary (Brazil): environmental filtering consistently overshadows competitive exclusion. Oikos (Kobenhavn), v. 122, p. 247-257, 2013.

doi:10.1111/j.1600-0706.2012.20411.x

THEY, N.H.; FERREIRA, L. M. H.; MARINS, L. F.; ABREU, P. C. Stability of Bacterial Composition and Activity in Different Salinity Waters in the Dynamic Patos Lagoon Estuary: Evidence from a Lagrangian-Like Approach. Microbial Ecology, v. 66, p. 551-562, 2013.

doi:10.1007/s00248-013-0259-3

 

STRINGARI, C. E.; MARQUES, W. C.; MELLO, L. F.; Eidt R. T. . Modeling the wind influence in an oil spill along the Southern Brazilian Shelf. Engenharia Térmica, v. 11, p. 100-109, 2013.

VIEIRA, J. P.; LOPES, M. N. Size-selective predation of the catfish Pimelodus pintado (Siluriformes: Pimelodidae) on the golden mussel Limnoperna fortunei (Bivalvia: Mytilidae). Zoologia (Curitiba. Impresso), v. 30, p. 43-48, 2013.

doi:10.1590/S1984-46702013000100005

VILAR, C. C.; JOYEUX, J. C.; GIARRIZZO, T.; SPACH, H. L.; VIEIRA, J. P.; VASKE-JUNIOR, T. Local and regional ecological drivers of fish assemblages in Brazilian estuaries. Marine Ecology. Progress Series (Halstenbek), v. 485, p. 181-197, 2013.

doi:10.3354/meps10343

2012

ABREU, L.; BORGES, L. V.; MARANGONI, J.; ABREU, P. C. Cryopreservation of some useful microalgae species for biotechnological exploitation. Journal of Applied Phycology, v. 1, p. 1-10, 2012.

doi:10.1007/s10811-012-9818-0

ALBUQUERQUE, C. Q.; MIEKELEY, N.; MUELBERT, J. H.; WALTHER, B.; JAUREGUIZAR, A. Estuarine dependency in a marine fish evaluated with otolith chemistry. Marine Biology (Berlin), v. 159, p. 1-11, 2012. doi:10.1007/s00227-012-2007-5

ARAUJO, P. H. V.; MUELBERT, J. H.; CALAZANS, D. K. Estudo do fluxo larval de Braquiúros no Canal de acesso ao estuário da Lagoa dos Patos, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Tropical Oceanography (Online), v. 40, p. 265-284, 2012.

BARROS, G. P.; MARQUES, W. C. Long-Term Temporal Variability of the Freshwater Discharge and Water Levels at Patos Lagoon, Rio Grande do Sul, Brazil. International Journal of Geophysics, v. 2012, p. 1-11, 2012.

BOLICO, C. F.; OLIVEIRA, E.; GANTES, M.; DUMONT, L. F. C.; CARRASCO, D.; D'INCAO, F. Mirmecofauna (Hymenoptera, Formicidae) de Duas Marismas do Estuário da Lagoa dos Patos, RS: Diversidade, Flutuação de Abundância e Similaridade como Indicadores de Conservação. EntomoBrasilis (Vassouras), v. 5, p. 11-20, 2012.

GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P.; WINEMILLER, K.O.; MORAES, L. E.; PAES, E. T. Factoring scales of spatial and temporal variation in fish abundance in a subtropical estuary. Marine Ecology. Progress Series (Halstenbek), v. 461, p. 121-135, 2012.

doi: 0.3354/meps09798

KIRINUS, E. P.; MARQUES, W. C.; COSTA, J. C.; FERNANDES, E. H. The Contribution of Waves in the Patos Lagoon Plume Mixing Processes. International Journal of Geosciences, v. 3, p. 1019-1026, 2012.

LOPES, M.; VIEIRA, J. P. Space-time variation of the relative abundance of Limnoperna fortunei in deep zones of São Gonçalo Channel, Rio Grande do Sul, Brazil. Iheringia. Série Zoologia (Impresso), v. 102, p. 370-374, 2012.

doi:10.1590/S0073-47212012005000006

MARQUES, W. C. The Temporal Variability of the Freshwater Discharge and Water Levels at the Patos Lagoon, Brazil. International Journal of Geosciences, v. 3, p. 758-766, 2012

MONT'ALVERNE, R.; MORAES, L. E.; RODRIGUES, F. L.; VIEIRA, J. P. Do mud deposition events on sandy beaches affect surf zone ichthyofauna? A southern Brazilian case study. Estuarine, Coastal and Shelf Science (Print), v. 102, p. 116-125, 2012.

MORAES, L. E.; PAES, E. T.; GARCIA, A. M.; MOLLER, O.; VIEIRA, J. P. Delayed response of fish abundance to environmental changes: a novel multivariate time-lag approach. Marine Ecology. Progress Series (Halstenbek), v. 456, p. 159-168, 2012.

doi:10.3354/meps09731

MOURA, P. M.; VIEIRA, J. P.; GARCIA, A; M. Fish abundance and species richness across an estuarine freshwater ecosystem in the Neotropics. Hydrobiologia (The Hague. Print), v. 696, p. 107-122, 2012.

doi:10.1007/s10750-012-1187-9

MUXAGATA, E.; AMARAL, W.J.A.; BARBOSA, C.N. Acartia tonsa production in the Patos Lagoon estuary, Brazil. ICES Journal of Marine Science, v 69 (3), p. 475-482, 2012.

doi: 10.1093/icesjms/fsr166

PEREIRA, E. R.; SOARES, B. M.; VIEIRA, J. P.; MAI, A. C. G.; PICOLOTO, R. S.; MULLER, E. I.; FLORES, E. M. M.; DUARTE, F. A. Assessment of inorganic contaminants in golden mussel (Limnoperna fortunei) in Southern Brazil. Journal of the Brazilian Chemical Society (Impresso), v. 23, p. 846-853, 2012.

doi:10.1590/S0103-50532012000500009

RODRIGUES, F. L.; VIEIRA, J. P. Surf zone fish abundance and diversity at two sandy beaches separated by long rocky jetties. Journal of the Marine Biological Association of the UK (Online), v. 102, p. 1-9, 2012.

doi:10.1017/S0025315412001531

ROMANO, L.; TESSER, M. B.; SAMPAIO, L. A.; ABREU, P. C. Yersiniose em Trachinotus marginatus (pampo). Diagnóstico histopatológico e imuno-histoquímico. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 64, p. 909-915, 2012.

doi:10.1590/S0102-09352012000400018

TROCA, D.; LEMOS, V.; JUNIOR, A.; VIEIRA, J. P. Evidence of reproductive activity of the invasive common carp Cyprinus carpio (Linnaeus, 1758) (Teleostei: Cyprinidae) in a subtropical coastal system in southern Brazil. BioInvasions Records, v. 1, p. 289-293, 2012.

TROCA, D. F. A.; VIEIRA, J. P. Potencial invasor dos peixes não nativos cultivados na região costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca (Impresso), v. 38, p. 109-120, 2012.

2011

CARDOSO, A.P.; BRITTO, V.O.; ODEBRECHT, C. Temporal variability of plankton and nutrients in shrimp culture ponds vs. adjacent estuarine water. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 6, p. 28-43, 2011. PDF

CAVALLI, L.S.; ROMANO, L.A.; MARINS, L.F.; ABREU, P.C. First report of White spot syndrome virus in farmed and wild penaeid shrimp from Lagoa dos Patos estuary, southern Brazil. Brazilian Journal of Microbiology (Impresso), v. 42, p. 1176-1179, 2011. v. 61, p. 223-237, 2011.

doi:10.1590/S1517-83822011000300042 

CONDINI, V.; SEIBOTH, E.; VIEIRA, J. P. & GARCIA, A. M. Diet and feeding strategy of the dusky grouper Mycteroperca marginata (Actinopterygii: Epinephelidae) in a man-made rocky habitat in southern Brazil. Neotropical Ichthyology, 9(1):161-168, 2011.

doi:10.1590/S1679-6252011005000006 

COPERTINO, M. S.; GARCIA, A. M.; MUELBERT, J. H. & GARCIA, C. A. E. Introduction to the Special Issue on Climate Change and Brazilian Coastal Zone. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 5 (2) I-VIII, 2011. PDF

FONTES, M.L.S.; SUZUKI, M.T.; COTTRELL, M.T. & ABREU, P. C. Primary Production in a Subtropical Stratified Coastal Lagoon Contribution of Anoxygenic Phototrophic Bacteria. Microbial Ecology, v. 61, p. 223-237, 2011. 

doi:10.1007/s00248-010-9739-x

FRUET, P.F.; SECCHI, E.R.; DI TULLIO, J.C.; KINAS, P.G. Abundance estimation of bottlenose dolphins, Tursiops truncatus (Cetacea, Delphinidae), inhabiting the Patos Lagoon estuary, southern Brazil: implications for conservation. Revista Brasileira de Zoologia (Impresso) (Cessou em 2008. Cont. ISSN 1984-4670 Zoologia (Curitiba. Impresso), v. 28, p. 23-30, 2011. 

doi:10.1590/S1984-46702011000100004

HOEINGHAUS, D.J.; VIEIRA, J. P.; COSTA, C. S.; BEMVENUTI, C. E.; WINEMILLER, K. O.; GARCIA, A. M. Estuary hydrogeomorphology affects carbon sources supporting aquatic consumers within and among ecological guilds. Hydrobiologia (The Hague. Print), v. 673, p. 79-92, 2011.

doi:10.1007/s10750-011-0751-z

MARQUES, WILIAN C.; FERNANDES, E.H.L.; ROCHA, L.A.O. Straining and advection contributions to the mixing process in the Patos Lagoon estuary, Brazil. Journal of Geophysical Research, v. 116, p. C03016, 2011. 

doi:10.1029/2010JC006524

MONTEIRO, I.O.; MARQUES, W.C.; FERNANDES, E.H.; GONÇALVES, R. C.; MÖLLER, O.O. On the Effect of Earth Rotation, River Discharge, Tidal Oscillations, and Wind in the Dynamics of the Patos Lagoon Coastal Plume. Journal of Coastal Research, v. 27, p. 120-130, 2011.

doi:10.2112/JCOASTRES-D-09-00168-1

PINOTTI, R. M.; COLLING, L. A.; BEMVENUTI, C. E. Temporal dynamics of deep infralittoral macrobenthic fauna inside a subtropical estuarine environment. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology (Impresso), v. 15, p. 26-41, 2011.

RUAS, V.M.; D'INCAO, F.; DUMONT, L. F. C. Avaliação do tamanho de captura e abundância do camarão-rosa Farfantepenaeus paulensis no entorno da Ilha dos Marinheiros, Estuário da Lagoa dos Patos, RS, Brasil. Atlântica, v. 33, p. 15-22, 2011.

doi:10.5088/atl.2011.33.2.127

2010

ABREU, P.C.; BERGESCH, M.; PROENÇA, L.A.; GARCIA, C.A.E.  & ODEBRECHT, C. Short- and Long-Term Chlorophyll a Variability in the Shallow Microtidal Patos Lagoon Estuary, Southern Brazil. Estuaries and Coasts, v. 33, p. 554-569, 2010.

doi:10.1007/s12237-009-9181-9

ALBUQUERQUE, C.Q. DE; MIEKELEY, N.; MUELBERT, J.H. Whitemouth croaker, Micropogonias furnieri, trapped in a freshwater coastal lagoon: a natural comparison of freshwater and marine influences on otolith chemistry. Neotropical Ichthyology (Impresso), v. 8, p. 311-320, 2010.

doi:10.1590/S1679-62252010000200009

BARLETTA, M.; JAUREGUIZAR, A.; BAIGUN, C.; FONTOURA, N.; AGOSTINHO, A.; ALMEIDA-VAL, V.; TORRES, J.; JIMENES,L.; GIARRIZO, T.; FABRE, N.; BATISTA, V.; TAPHORN, D.; COSTA, F.; CHAVES, P.T.; VIEIRA, J.P.  & CORRÊA, F. Fish and aquatic habitat conservation in South America: a continental overview with emphasis on Neotropical systems. Journal of Fish Biology, v. 77, p. 1-59, 2010. 

doi:10.1111/j.1095-8649.2010.02684.x

BEMVENUTI, C. E.; COLLING, L. A. Relações tróficas na comunidade bentônica da região estuarina da Lagoa dos Patos, RS - Brasil. Cadernos de Ecologia Aquática, v. 5, p. 1-8, 2010.

BURNS, M. D. M.; GARCIA, A. M.; VIEIRA, J.P. Pisces, Perciformes, Gobiidae, Ctenogobius stigmaticus (Poey, 1860): new species record at Patos Lagoon estuary, state of Rio Grande do Sul, Brazil. Check List (São Paulo. Online), v. 6, p. 56-57, 2010.

CAVALLI, L. S.; NORNBERG, B. F. S.; NETTO, S. A.; POERSCH, L.; ROMANO, L. A.; ABREU, P. C. White spot syndrome virus in wild penaeid shrimp caught in coastal and offshore waters in the southern Atlantic Ocean. Journal of Fish Diseases, v. 33, p. 533-536, 2010.

doi:10.1111/j.1365-2761.2010.01141.x

COPERTINO, M. S. Patos Lagoon - Climate variability and the state of seagrasses. Seagrass-Watch News, v. 40, p. 4-5, 2010.

COPERTINO, M.S.; GARCIA, A.M.; MUELBERT, J.H.; GARCIA, C.A. E. Introduction to Climate Change and Brazilian Coastal Zone. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 5, p. I-VIII, 2010. PDF

DANILEWICZ, D.; MORENO, I. B.; OTT, P. H.; TAVARES, M.; AZEVEDO, A. F.; SECCHI, E. R. & ANDRIOLO, A. Abundance estimate for a threatened population of franciscana dolphins in southern coastal Brazil: uncertainties and management implications. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom  v. 90, p. 1649-1657, 2010.

doi:10.1017/S0025315409991482

DUMONT, L. F. C.; D'INCAO, F. By-catch analysis of Argentinean prawn Artemesia longinaris (Decapoda: Penaeidae) in surrounding area of Patos Lagoon, southern Brazil: effects of different rainfall l. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom (Print), v. 91, p. 1-14, 2011.

doi: 10.1017/S0025315410001852

FRUET, P.F.; KINAS, P. G.; SILVA, K. G.; DI TULLIO, J.C.; MONTEIRO, D.; DALLA ROSA, L.; ESTIMA, S. & SECCHI, E. R. Temporal trends in mortality and effects of by-catch on common bottlenose dolphins, Tursiops truncatus, in southern Brazil. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom v. 91, p. 1-12, 2010. 

doi:10.1017/S0025315410001888

HIRATA, F.E.; MÖLLER, O.O.; MATA, M. Regime shifts, trends and interannual variations of water level in Mirim Lagoon, southern Brazil. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 5, p. 254-266, 2010. PDF

MARQUES, WILIAN C.; FERNANDES, ELISA H. L. & MÖLLER, O. O. Straining and advection contributions to the mixing process of the Patos Lagoon coastal plume, Brazil. Journal of Geophysical Research , v. 115, p. C06019, 2010.

doi: 10.1029/2009JC005653

MARQUES, WILLIAN C.; FERNANDES, E.H.L.;  MORAES, B.C.; MÖLLER, O.O.; MALCHEREK, A. Dynamics of the Patos Lagoon coastal plume and its contribution to the deposition pattern of the southern Brazilian inner shelf. Journal of Geophysical Research, v. 115, p. 1-22, 2010.

doi:10.1029/2010JC006190

ODEBRECHT, C.; BERGESCH, M.; RÖRIG, L. R.; ABREU, P. C. Phytoplankton Interannual Variability at Cassino Beach, Southern Brazil (1992-2007), with Emphasis on the Surf Zone Diatom Asterionellopsis glacialis. Estuaries and Coasts, v. 33, p. 570-583, 2010.

doi:10.1007/s12237-009-9176-6

 

2009

ARTIOLI, L.G.S.; VIEIRA, J.P.; GARCIA, A.M. & BEMVENUTI, M.A. Distribuição, dominância e estrutura de tamanhos da assembléia de peixes da lagoa Mangueira, sul do Brasil. Iheringia. Série Zoologia  v. 99, p. 1-10, 2009.

doi:10.1590/S0073-47212009000400011

  

BERGESCH, M.; GARCIA, M. & ODEBRECHT, C. Diversity and morphology of Skeletonema species in southern Brazil, Southwestern Atlantic Ocean. Journal of Phycology, v. 45, p. 1348-1352, 2009.

doi:10.1111/j.1529-8817.2009.00743.x

BRUNO, M.A.; MUELBERT. J.H. Distribuição espacial e variações temporais da abundância de ovos e larvas de Micropogonias furnieri no estuário da Lagoa dos Patos: registros históricos e forçantes ambientais. Atlântica, v. 31, p. 51-68, 2009.

doi:10.5088/atl%C3%A2ntica.v31i1.1530

COPERTINO, M. S.; CHESHIRE, A. & KILDEA, T. Photophysiology of a turf algal community: integrated responses to ambient light ans standing biomass. Journal of Phycology, v. 45, p. 324-336, 2009.

doi:10.1111/j.1529-8817.2009.00664.x

DA ROCHA, A . M.; SALOMÃO DE FREITAS, D.P.; BURNS, M.; VIEIRA, J. P.; DE LA TORRE, F.R.  & MONSERRAT, J. M. Seasonal and organ variations in antioxidant capacity, detoxifying competence and oxidative damage in freshwater and estuarine fishes from Southern Brazil. Comparative Biochemistry and Physiology  p. 1-2, 2009.

doi: 10.1016/j.cbpc.2009.07.012

DANILEWICZ, D. S. ; SECCHI, E. R. ; OTT, P. H. ; MORENO, I. B. ; BASSOI, M. & MARTINS, M. B. Habitat use patterns of franciscana dolphin (Pontoporia blainvillei) off southern Brazil in relation to water depth. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom v. 89, p. 943-949, 2009.

doi:000720561

DE ALBUQUERQUE, C.Q.; MUELBERT, J.H. & SAMPAIO, L.A.N. Early developmental aspects and validation of daily growth increments in otoliths of Micropogonias furnieri (Pisces, Sciaenidae) larvae reared in laboratory. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 4, p. 259-266, 2009. PDF 

GARCIA, M. & ODEBRECHT, C. Morphology and ecology of Thalassiosira Cleve (Bacillariophyta) species rarely recorded in Brazilian coastal water. 69 (4). Brazilian Journal of Biology, 2009.

doi:10.1590/S1519-698420090000500009

GARCIA, M. & ODEBRECHT, C. Chave dicotômica ilustrada para a identificação de espécies de Thalassiosira Cleve (diatomácea) no estuário da Lagoa dos Patos e área costeira adjacente (Rio Grande do Sul, Brasil). Biota Neotropica  v. 9, 2009.

doi:199114281022

GOMES NETO, A. & COSTA, C. S. B. Survival and growth of the dominant salt marsh grass Spartina alterniflora in an oil industry saline wastewater. International Journal of Phytoremediation, v. 11, p. 640-650, 2009. 

doi:10.1080/15226510902861727

MARANGONI, J. C. & COSTA, C. S. B. Diagnóstico Ambiental das Marismas no Estuário da Lagoa dos Patos, RS. Atlântica,Rio Grande, 31(1) 85-98, 2009.

doi:10.5088/atl.2009.31.1.85

FONTES, M. L. S. & ABREU, P. C. Spatiotemporal Variation of Bacterial Assemblages in a Shallow Subtropical Coastal Lagoon in Southern Brazil. Microbial Ecology, p. 140-152, 2009.

doi:10.1007/s00248-008-9454-z

LIMA, M. S. P. & VIEIRA, J. P. Variação espaço-temporal da ictiofauna da zona de arrebentação da Praia do Cassino, Rio Grande do Sul (Brasil). Revista Brasileira de Zoologia, 2009.

LOPES, M. N.; VIEIRA, J. P. & BURNS, M. D. M. Biofouling of the golden mussel Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) over the Anomura crab Aegla platensis Schmitt, 1942. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 2009. PDF

MARQUES, W.C.; FERNANDES, E.H.L.; MONTEIRO, I. & MOLLER JR, O.O. Numerical modeling of the Patos Lagoon coastal plume, Brazil. Continental Shelf Research, v. 29, p. 556-571, 2009.

doi:10.1016/j.csr.2008.09.022

MÖLLER, O.O. ; CASTELLO, J.P. & VAZ, A.C. The Effect of River Discharge and Winds on the Interannual Variability of the Pink Shrimp Farfantepenaeus paulensis Production in Patos Lagoon. Estuaries and Coasts , v. 32, p. 787-796, 2009.

doi:10.1007/s12237-009-9168-6

2008 

ANGONESI, L.G.; ROSA, N.G. & BEMVENUTI, C.E. Tolerance of salinities shocks of the invasive mussel Limnoperna fortunei under experimental conditions. Iheringia. Série Zoologia, v. 98, p. 66-69, 2008.

doi:10.1590/S0073-472120080000100009

BARENHO, C.P.; COPERTINO, M.S. & CALLONI, H. Traçando relações entre o conhecimento ecológico tradicional e a teoria da complexidade. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 20, p. 477-487, 2008.

BERGESCH, M.; ODEBRECHT, C. & MOESTRUP, O. Loricate choanoflagellates from the Southwestern Atlantic coastal zone (32 S) including the description of Diplotheca tricyclica sp. Biota Neotropica, v. 8, p. 1-12, 2008.

doi:10.1590/S1676-060320080000400010

BERGESCH, M.; ODEBRECHT, C. & MOESTRUP. O. Nanoflagellates from coastal waters in the Southwestern Atlantic (320 S). Botanica Marina, v. 51, p. 35-50, 2008.

CALLIARI, L. J.; WINTERWERP, J.; FERNANDES, E. H. L. ; CUCHIARA, D.; VINSON, S.; SPERLE, M & HOLLAND, T. Fine grain sediment transport and deposition in the Patos Lagoon Cassino beach sedimentary system. Continental Shelf Research, v. 29, p. 515-529, 2008. 

doi:10.1016/j.csr.2008.09.019

CAON, G.; SECCHI, E. R. ; CAPP, E. & KUCHARSKI, L.C. Milk composition of franciscana dolphin (Pontoporia blainvillei) from Rio Grande do Sul, southern Brazil. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom, v. 88, p. 1099-1101, 2008.

BURRAGE, D. ; WESSON, J. ; MARTINEZ, C.; PERAZ, T. ; MÖLLER, O. O.  & PIOLA, A. Patos Lagoon Outflow Within the Rio de la Plata Plume Using an Airborne Salinity Mapper: Observing an Embedded Plume. Continental Shelf Research , v. 28, p. 1625-1639, 2008.

doi:10.1016/j.csr.2007.02.014

CAPÍTOLI, R. R., COLLING, L. A. & BEMVENUTI, C. E. Cenários de distribuição do mexilhão dourado Limnoperna fortunei (MOLLUSCA – BIVALVIA) sob distintas condições de salinidade no complexo lagunar Patos-Mirim, RS – Brasil. Revista Atlântica 30 (1): 35-44, 2008.

doi:10.5088/atl%C3%A2ntica.v30i1.821

MENDOZA-CARRANZA, M. & VIEIRA, J. P. Ontogenetic niche feeding partitioning in juvenile of white sea catfish Genidens barbus in estuarine environments, southern Brazil. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom, v. 1, p. 1-1, 2008. 

MENDONÇA, P. T. & COSTA, C. S. B. Efeitos da disponibilidade de nitrogênio e fósforo no estabelecimento de Spartina alterniflora em um plano entremarés irregularmente alagado. Neotropical Biology and Conservation, v. 3, p. 135-148, 2008.

doi:10.4013/nbc.20083.05

VIANA, F.V.; CORREIA, T. B.; MACHADO, M. I.; ZANELA, N.P.; PEDERZOLLI, E.M.; BAISCH, P. R. M. & COSTA, C. S. B. O uso da fitorremediação em área contaminada por resíduos da indústria petroquímica. Petro e Química, v. 310, p. 52-56, 2008.

VIEIRA, J. P.; GARCIA, A. M. & GRIMM, A. M. Evidences of El Niño effects on the mullet fishery of Patos Lagoon estuary (Brazil). Arquivos de Biologia e Tecnologia, v. 51, p. 433-440, 2008.

doi:10.1590/S1516-891320080002000025 

SEIXAS, T.G. ; KEHRIG, H.A. ; COSTA, M. ; FILLMANN,G ; DIBENEDITTO, A. P. M. ; SECCHI, E. R. ; MALM, O. ; SOUZA, C.M.M. & MOREIRA, I . Total mercury, organic mercury and selenium in liver and kidney of a South American coastal dolphin. Environmental Pollution v. 154, p. 98-106, 2008.

doi:10.1016/j.envpol.2008.01.030

DA SILVA, P.R.S.; NEVES, LP & BEMVENUTI, C. E. Temporal variation of a sandy beach macrofauna at two sites with distinct environmental conditions on Cassino Beach, extreme southern Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, v. 56, p. 257-280, 2008.

doi:10.1590/S1679-87592008000400001

JANEIRO, J.M.L.; FERNANDES, E.H.L.; MARTINS, F. & FERNANDES, R. Wind and freshwater influence over hydrocarbon dispersal on Patos Lagoon, Brazil. Marine Pollution Bulletin, v. 56, p. 650-665, 2008. doi:10.1016/j.marpolbul.2008.01.011

GARCIA, M. & ODEBRECHT, C. Morphology and ecology of the planktonic diatom Palmerina hardmaniana (Greville) Hasle in southern Brazil (Cassino Beach, RS). Biota Neotropica, v. 8, p. 87-92, 2008.

MARQUES, W. & MÖLLER, O. O. Variabilidade temporal de longo período da descarga fluvial e níveis de água da Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 13, p. 155-163, 2008.

MENDOZA-CARRANZA, M. & VIEIRA, J. P. Whitemouth croaker Micropogonias furnieri (Desmarest, 1823) feeding strategies across four southern Brazilian estuaries. Aquatic Ecology, v. 42, p. 83-93, 2008.

doi: 10.1007/s10452-007-9084-4

MÖLLER, O. O.; PIOLA, A.; FREITAS, A.C. & CAMPOS, E. J. D. The effects of river discharge and seasonal winds on the shelf off Southeastern South America. Continental Shelf Research v. 28, p. 1607-1624, 2008.

doi:10.1016/j.csr.2008.03.012 

NEVES, L. P.; RODRIGUES, P. S. & BEMVENUTI, C. E. Temporal variability of benthic macrofauna on Cassino Beach southernmost Brazil. Iheringia. Série Zoologia, v. 98, p. 36-44, 2008.

doi:10.1590/S0073-47212008000100005

VIEIRA, J. P; GARCIA, A. M. ; GRIMM & ALICE M. Evidences of El Niño Effects on the Mullet Fishery of the Patos Lagoon Estuary. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 51, p. 433-440, 2008.

doi:10.1590/S1516-89132008000200025

2007

CASTRO, I. B.; BEMVENUTI, C. E.; FILLMANN, G. Preliminary apraisal of imposex in areas under the influence of southern Brazilian harbors. Journal of The Brazilian Society Of  Ecotoxicology, v. 2, p. 73-79, 2007.

COLLING, L. A.; CAPITOLI, R. R. & BEMVENUTI, C. E. Epitoquia de Neanthes succinea na região estuarina da Lagoa dos Patos. Atlântica, v. 29, p. 61-63, 2007. doi: 10.5088/atl%C3%A2ntica.v29i1.744

COLLING, L.A.; BEMVENUTI, C.E. & GANDRA, M.S. Seasonal variability on the structure of sublittoral macrozoobenthic association in the Patos Lagoon estuary, southern Brazil. Iheringia, Ser. Zool., Porto Alegre, 97(3): 1-6, 2007.      

doi:10.1590/S0073-47212007000300007 

CONDINI, V.; GARCIA, A. M. & VIEIRA, J. P. Descrição da pesca e perfil do pescador da garoupa-verdadeira Epinephelus marginatus (Lowe) (Serranidae: Epinephelinae) no Molhe Oeste da Barra de Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 2, p. 279-287, 2007. PDF

CORDAZZO, C. V.; CAETANO, V. L. & COSTA, C. S. B. Jaumea linearifolia (Juss.) DC. (Asteraceae), primeiro registro para o Brasil. Iheringia. Série Botânica, v. 62, n. 2, p. 99-102, 2007. 

COSTA, C. S. B. Parecer Sobre a Criação de Marismas na Ilha do Terrapleno (Rio Grande, RS) Através da Utilização de Sedimento Dragado da Obra de Recuperação do Calado da Bacia do Porto Novo, 2007.

DORNELES, P.R. ; BRITO, J. L. ; SECCHI, E. R. ; BASSOI, M. ; LOZINSKY, C.P.C. ; TORRES, J.P.M.  & MALM, O. Cadmium concentration in franciscana dolphin (Pontoporia blainvillei) from South Brazilian Coast. Brazilian Journal of Oceanography, v. 55, p. 179-186, 2007.

doi:10.1590/S1679-87592007000300002 

EIRAS, J.C.; ABREU, P. C.; ROBALDO, R. & PEREIRA JR., J. Myxobolus platanus n.sp. (myxosporeae, myxobolidae), a parasite of mugil platanus gunther, 1880 (osteichthyes, mugilidade from Lagoa dos Patos, RS, Brazil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 59, p. 895-898, 2007.  

ROSA, L. C. & BEMVENUTI, C.E. Seria a macrofauna bentônica de fundos não consolidados influenciada pelo aumento na complexidade estrutural do hábitat? o caso do estuário da Lagoa dos Patos. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 11, p. 51-56, 2007.

doi:10.14210/bjast.v11n1.p51-56

FUJITA, C. C. Y. & ODEBRECHT, C. Short term variability of phytoplankton composition and biomass in a shallow area of the Patos Lagoon estuary (Southern Brazil). Atlântica, v. 29, p. 93-107, 2007. 

GARCIA, A. M.; HOEINGHAUS, D.; VIEIRA, J. P. & WINEMILLER, K. Isotopic variation of fishes in freshwater and estuarine zones of a large subtropical coastal lagoon. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v. 73, p. 399-408, 2007.

doi:10.1016/j.ecss.2007.02.003 

MAI, A. C. G.; GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P. & MAI, M. Reproductive aspects of the one-sided livebearer Jenynsia multidentata (Jenyns, 1842) (Cyprinodontiformes) in the Patos Lagoon estuary. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, v. 2, p. 40-41; PDF

MARTINS, I. M. S.; DIAS, J. M.; FERNANDES, E. H. L. & MUELBERT, J. H. Numerical modelling of fish eggs dispersion at the Patos Lagoon estuary - Brazil. Journal of Marine Systems, v. 68, n. 1, p. 537-555, 2007.

doi:10.1016/j.jmarsys.2007.02.004

NEVES, L P; RODRIGUES, PS & BEMVENUTI, C. E. Zonation of benthic macrofauna on Cassino Beach, southernmost Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, v. 55, p. 293-307, 2007.

doi:10.1590/S1679-87592007000400006

SEIXAS, T.G. ;  KEHRIG, H.A. ; FILLMANN,G ; DIBENEDITTO, A. P. M. ; SOUZA, C.M.M. ; SECCHI, E. R. ; MOREIRA, I & MALM, O. Ecological and biological determinants of trace elements accumulation in liver and kidney of Pontoporia blainvillei. Science of the Total Environment, v. 385, p. 208-220, 2007.

doi:10.1016/j.scitotenv.2007.06.045

2006

ABREU, P.C.; COSTA, C.S.B.; BEMVENUTI, C.E; ODEBRECHT, C.; GRANELLI, W. & ANESIO, A.M. Eutrophication processes and trophic interactions in a shallow estuary: preliminary results based on stable isotope analysis. Estuaries, v. 29, n. 2, p. 277-285, 2006.

doi:10.1007/BF02781996 

ANGONESI, L.G.; BEMVENUTI, C.E.; GANDRA, M.S. Effects of Dredged Sediment Disposal on the Coastal Marine Macrobenthic Assemblage in Southern Brazil. Brazilian Journal of Biology,  v. 66, n. 2A, p. 413-420, 2006.  

doi:10.1590/S1519-69842006000300005

BOTTA, S. ; MUELBERT, M.  & SECCHI, E.R. Morphometric relationships of franciscana dolphin, Pontoporia blainvillei, (Cetacea) off Rio Grande do Sul coast, southern Brazil. Latin American Journal of Aquatic Mammals, v. 5, p. 117-123, 2006. 

BURNS, M. D. M.; GARCIA, A. M.;  BEMVENUTI, M. A.; VIEIRA, J. P.; MARQUES, D. M. L. M.; MORESCO, A. & CONDINI, M. V. L. Bivalvia, Mytilidae, Limnoperna fortunei: distribution extension. Check List (UNESP), v. 2, p. 41-43, 2006.

BURNS, M. D. M.; GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P.; BEMVENUTI, M. A.; MARQUES, D. M. L. M. & CONDINI, V. Evidence of habitat fragmentation affecting fish movement between the Patos and Mirim coastal lagoons in southern Brazil. Neotropical Ichthyology, v. 4, n. 1, p. 69-72, 2006.

BURNS, M. D. M.; GERALDI, R. M.; GARCIA, A. M.; BENVENUTI, C. E.; CAPITOLI, R. R. & VIEIRA, J. P. Primeiro Registro de Ocorrência do Mexilhão Dourado Limnoperma fortunei (Dunker, 1857) na Bacia de Drenagem da Lagoa Mirim, RS, Brasil. Biociências (Porto Alegre), v. 14, n. 1, p. 83-84, 2006.

CAPITOLI, R. R. & BEMVENUTI, C. E. Associações de macroinvertebrados bentônicos de fundos inconsolidados da Plataforma Continental e Talude superior no extremo sul do Brasil. Atlântida  v. 28, n. 1, p. 47-59, 2006.

COSTA, C. S. B. & NEVES, L. S. Respostas Cromáticas de Salicornia gaudichaudiana Mog. (Chenopodiaceae) a Diferentes Níveis de Radiação UV-B e Salinidade. Atlântida  v. 28, n. 1, p. 25-31, 2006.

COSTA, C. S. B. Avaliação Ambiental dos Macro produtores Estuarinos - Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) para o Aprofundamento do Canal de Acesso ao Porto do Rio Grande, 2006. 

LOPES, R. M.; KATSURAGAWA, M.; DIAS, J. F.; MONTÚ, M. A.; MUELBERT, J. H.; GORRI, C. & BRANDINI, F. P. Influence of physical processes on zooplankton and ichthyoplankton distribution: a review of studies on the southern Brazilian coast. Scientia Marina, v. 70, n. 2, p. 189-202, 2006.

MAI, A. C. G.; GARCIA, A. M. & VIEIRA, J. P. Ecologia alimentar do barrigudinho Jenynsia multidentata (JENYNS, 1842) no estuário da Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Comunicações do Museu Ciência Tecnologia (PUC/RS), v. 19, p. 3-18, 2006.

ROSA, L. C. & BEMVENUTI, C. E. Seasonal stratification of the estuarine macroinfauna of the Patos Lagoon estuary, southern Brazil. Thalassas v. 22, p. 17-23, 2006.

  

PINTO, T. K.; AUSTERN, M. C. & BEMVENUTI, C. E. Effects of macroinfauna sediment disturbance on nematode vertical distribution. Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom v. 86, p. 227-233, 2006. 

ROSA, L. C. & BEMVENUTI, C. E. Temporal variability of the estuarine macrofauna of the Patos Lagoon. Revista de Biología Marina y Oceanografía v. 41, n. 1, 2006.

VIEIRA, J. P. Ecological analogies between estuarine bottom trawl fish assemblages from Patos Lagoon (32S), Brazil, and York River (37N), USA. Revista Brasileira de Zoologia, v. 23, n. 1, p. 234-247, 2006.

doi:10.1590/S0101-81752006000100017

2005

ABREU, P.C.; ROBALDO, R.B.; SAMPAIO; L.A.; BIANCHINI, A. & ODEBRECHT, C. Recurrent amyloodiniosis on broodstock of the Brazilian flounder Paralichthys orbignyanus: Dinospore monitoring and prophylactic measures. Journal of the World Aquaculture Society, v. 36, n. 1, p. 42-50, 2005.

doi:10.1111/j.1749-7345.2005.tb00129.x

BASAGLIA, T.; VIEIRA, J.P. A pesca amadora recreativa de caniço na praia do Cassino, RS: necessidade de informações ecológicas aliada à espécie alvo. Braz. J. Aquat. Sci. Technol., v. 9, n. 1, p. 25-29, 2005.

doi:10.1420/bjast.v9n1.p25-29

BEMVENUTI, C.E.; ANGONESI, L.G. & GANDRA, M.S. Effects of dredging operations upon soft bottom macrofauna on a harbor area, Patos Lagoon estuarine region, southern Brazil. Brazilian Journal of Biology, v. 65, n. 4, p. 573-581, 2005.  

doi:10.1590/S1519-69842005000400003

COSTA, C. S. B. Relatório de Procedimentos em Relação a Criação de Marismas na Enseada da Coroa do Boi (Rio Grande, RS) Através da Utilização de Sedimento Dragado da Área de Escavação da Obra de Modernização do Cais do Porto Novo, 2005.

CUNHA, S.; ASMUS, M.; COSTA, C. S. B. Production dynamics of Spartina alterniflora salt marshes in the estuary of Patos Lagoon (RS, Brazil): A Simulation model approach. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 9, n. 2, p. 75-85, 2005.

doi:10.14210/bjast.v9n2.p75-85 

FERREIRA, W; BEMVENUTI, C. E. & ROSA, L. C. Effects of the shorebirds predation on the estuarine macrofauna of the Patos Lagoon, South Brazil. Thalassas  v. 21, n. 2, p. 77-82, 2005.

FIGUEIREDO, G. M. & VIEIRA, J. P. Diel feeding, daily food consumption and the predation impact of Whitemouth croaker (Micropogonias furnieri) in an estuarine environment. Marine Ecology, v. 26, n. 2, p. 130-139, 2005.

doi:0.1111/j.1439-0485.2005.00048.x 

MAI, A. C. G.; GARCIA, A. M. & VIEIRA, J. P. Influência da salinidade no crescimento de juvenis de Jenynsia multidentata Jenyns (Pisces). Revista Brasileira de Zoologia, v. 22, n. 3, p. 780-783,2005.

doi:10.1590/S0101-81752005000300041

ROSA, C.;  IURMAN, M. G.; GERACITANO, L. A.; ABREU, P. C. & MONSERRAT, J. Antioxidant mechanisms of the nereid Laeonereis acuta (anelida:polichaeta) to cope with environmental hydrogen peroxide. Physiological and Biochemical Zoology, v. 78, n. 4, p. 641-649, 2005.

GARCIA, A. M.; GERALDI, R. M. & VIEIRA, J. P. Diet composition and feeding strategy of the southern pipefish Syngnathus folletti in a Widgeon grass bed of the Patos Lagoon Estuary, RS, Brazil. Neotropical Ichthyology, v. 3, n. 3, p. 427-432, 2005.

doi:10.1590/S1679-62252005000300011 

ODEBRECHT, C.; ABREU, P. C ; MÖLLER JR, O.; NIENCHESKI, L. F.; PROENÇA, L. A. & TORGAN, L. C. Drought effects on pelagic properties in the shallow and turbid Patos Lagoon, Brazil. Estuaries, v. 28, n. 5, p. 675-685, 2005.

doi:10.1007/BF02732906

ROSA, L. C. & BEMVENUTI, C. E. Meiofauna in the soft-bottom habitats of the Patos Lagoon estuary (south Brazil). Acta Limnologica Brasiliensia v. 17, n. 2, p. 115-122, 2005. 

2004

CAPITOLI, R. R. & BEMVENUTI, C. E. Distribuição batimétrica e variações de diversidade dos macro-invertebrados bentônicos da plataforma continental e talude superior no extremo sul do Brasil. Atlântica, v. 26, n. único, p. 27-43, 2004. 

COSTA, C. S. B. Parecer Sobre a Criação de Marismas na Enseada da Coroa do Boi (Rio Grande, RS) Através da Utilização de Sedimento Dragado do Porto Novo, 2004.

DANILEWICZ, D. S.; CLAVER, J. A.; CARRERA, A.L.P.; SECCHI, E. R. & FONTOURA, N.F. Reproductive biology of male franciscanas (Pontoporia blainvillei) (Mammalia: Cetacea) from Rio Grande do Sul, southern Brazil. Fishery Bulletin v. 102, p. 581-592, 2004.

DE ALBUQUERQUE, C.Q. & MUELBERT, J.H. The use of haematoxylin stain to improve contrast of growth increments in otoliths of larval whitemouth croaker. Journal of Fish Biology, Inglaterra, v. 64, p. 794-798, 2004.

doi:10.1046/j.1095-8649.2004.00344.x 

GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P.; WINEMILLER, K. & GRIMM, A. M. Comparison of the 1982-1983 and 1997-1998 El Nino effects on the shallow-water fish assemblage of the Patos Lagoon estuary (Brazil). Estuaries, v. 27, n. 6, p. 905-914, 2004.

doi:10.1007/BF02803417 

GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P.; WINEMILLER, K. & RASEIRA, M. B. Reproductive cycle and spactiotemporal variationin abundance of the one-sided livebearer Jenynsia multidentata, in Patos Lagoon, Brazil. Hydrobiologia v. 515, p. 37-48, 2004. 

GARCIA, A. M.; LOEBMANN, D.; VIEIRA, J. P. & BEMVENUTI, M. First records of introduced carps (Teleostei, Cyprinidae) in the natural habitats of Mirim and Patos Lagoon estuary, Rio Grande ande do Sul, Brazil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 21, n. 1, p. 157-159, 2004.

doi:10.1590/S0101-81752004000100027

FREITAS, D. M. & MUELBERT, J. H. Ichthyoplankton distribution and abundance off southeastern and southern Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 47, n. 4, p. 601-612, 2004. 

HICKENBICK, G. R.; FERRO, A. L. & ABREU, P. C. Produção de detrito de macrófitas emergentes em uma marisma do estuário da Lagoa dos Patos: taxas de decomposição e dinâmica microbiana. Atlântica, v. 26, n. 1, p. 61-75, 2004.

doi:10.5088/atl%C3%A2ntica.v26i1.2233

PEIXOTO, A. R. & COSTA, C. S. B. Produção primária líquida aérea de Spartina densiflora Brong. (Poaecea) no estuário da laguna dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia. Série Botânica v. 59, n. 1, p. 27-34,2004. 

ROSA FILHO, J. S.; BEMVENUTI, C. E & ELLIOT, M. Predicting biological parameters of estuarine benthic communties using models based on environmental data. Brazilian Archives of Biology and Technology  v. 47, n. 4, p. 613-627, 2004.

doi:10.1590/S1516.-89132004000400015

ROSA, L. C. & BEMVENUTI, C. E. Infaunal recruitment patterns in soft bottom habitats of the Patos Lagoon estuary, southern Brazil: influence of Chasmagnathus granulata (Brachyura, Grapsidae) disturbance. Iheringia. Série Zoologia, v. 94, n. 3, p. 301-305, 2004.  

doi:10.1590/S0073-47212004000300013

SECCHI, E. R. ; KINAS, P. G. & MUELBERT, M. Incidental catches of franciscana in coastal gillnet fisheries in the Franciscana Management Area III: period 1999-2000. Latin American Journal of Aquatic Mammals, v. 3, p. 61-68, 2004.

doi:10.5597/lajam00049

SOARES, R; PEIXOTO, S; BEMVENUTI, C. E.; WASIELESKY, W;  D'INCAO, F; MURCIA, N. & SUITA, S. Composition and abundance of invertebrate benthic fauna in Farfantepenaeus paulensis culture pens (Patos Lagoon estuary, Southern Brazil). Aquaculture 239: 199-215, 2004.

doi:10.1016/j.aquaculture.2004.05.041 

2003

ABREU, P.C.; RÖRIG, L.; GARCIA, V.; ODEBRECHT, C. & BIDDANDA, B. Decoupling between bacteria and the surf-zone diatom Asterionellopsis glacialis (Castracane) Round, at Cassino Beach, southern Brazil. Aquatic Microbial Ecology, Alemanha, v. 32, p. 219-228, 2003. 

ANÉSIO. A; ABREU, P.C. & BIDDANDA, B. The role of free and attached microorganisms in the decomposition of estuarine macrophyte detritus. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v. 56, n. 2, p. 197-201, 2003.

doi:10.1016/S0272-7714(02)00152-X

BEMVENUTI, C.E.; ROSA FILHO, J.S. & ELLIOT. M. Changes in soft-bottom macrobenthic assemblages after a sulphuric acid spill in the Harbour of Rio Grande (RS-Brazil). Brazilian Journal of Biology, v. 63, n. 2, p. 183-194, 2003.  

doi:10.1590/S1519-69842003000200003

BUSOLI, R. O. & MUELBERT, J. H. Environmental Factors and Ichthyoplankton Dynamics in the Surf Zone of Cassino Sandy Beach (32o 10'S, 52o20'W). Journal of Coastal Research, v. SI (35), p. 463-471, 2003.

CORDAZZO, C. V. & SEELIGER, U. Reproduction and vegetative regeneration in Blutaparon portulacoides (Amaranthaceae) on backshores of southern Brazil. Journal of Coastal Research, v. 35, p. 481-485, 2003.

COSTA, C. S. B.; IRGANG, B. E.; PEIXOTO, A. R. & MARANGONI, J. C. Composição florística das formações vegetais sobre uma turfeira topotrófica da planície costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v. 17, n. 2, p. 203-212.             

doi:10.1590/S0102-33062003000200004 

COSTA, C. S. B.; MARANGONI, J. C. & AZEVEDO, A. M. G. Plant zonation in irregularly flooded salt marshes: relative importance of stress tolerance and biological interactions. Journal of Ecology, v. 91, n. 6, p. 951-965, 2003.

doi:10.1046/j.1365-2745.2003.00821.x 

GARCIA, A. M.; RASEIRA, M. B.; VIEIRA, J. P.; WINEMILLER, K. & GRIMM, A. M. Spatiotemporal variation in shallow-water freshwater fish distribution and abundance in a large subtropical coastal lagoon. Environmental Biology of Fishes, v. 68, p. 215-228, 2003.

doi:10.1023/A:1027366101945 

GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P. & WINEMILLER, K. Effects of 1997-1998El Niño on the dynamics of the shallow-water fish assemblage of the Patos Lagoon estuary (Brazil). Estuarine, Coastal and Shelf Science, v. 57, n. 3, p. 489-500, 2003.

doi:10.1016/S0272-7714(02)00382-7

PINTO, TK & BEMVENUTI, C. E. Efeitos de estruturas construídas pela macrofauna bentônica escavadora nas associações da meiofauna. Acta Limnologica Brasiliensia, v. 15, n. 3, p. 41-51, 2003.

ODEBRECHT, C.; ABREU, P. C.; FUJITA, C. & BERGESCH, M. The impact of mud deposition on the long term variability of the surf-zone diatom Asterionellopsis glacialis (CASTRACANE) round. Journal of Coastal Research, v. 35, p. 493-498, 2003.

SEELIGER, U. & COSTA, C. S. B. The Patos-Mirim basins, lagoons and estuary: Natural and human forcing factors. LOICZ Reports & Studies, v. 21, p. 105-112, 2003.

SEELIGER, U. Response of southern Brazilian coastal foredunes to natural and human-induced disturbance. Journal of Coastal Research, v. 35, p. 51-55, 2003.

SECCHI, E. R. ; DANILEWICZ, D. & OTT, P. H. Applying the phylogeographic concept to identify franciscana dolphin stocks: implications to meet management objectives. The Journal of Cetacean Research and Management, v. 5, n. 1, p. 61-68, 2003.

JESUS, A. & ODEBRECHT, C. O impacto da herbivoria do microzooplâncton no fitoplâncton no estuário da Lagoa dos Patos (verão). Atlântica, v. 24, n. 1, p. 37-44, 2003.

SECCHI, E. R. & WANG, J. Y. Assessment of the conservation status of a franciscana (Pontoporia blainvillei) stock in the Franciscana Management Area III following the IUCN Red List Process. Latin American Journal of Aquatic Mammals v. 1, n. 1, p. 183-190, 2003.

2001

GARCIA, A. M. & VIEIRA, J. P. O. Aumento da diversidade de peixes no estuário da Lagoa dos Patos durante o episódio El Niño 1997-1998. Atlântica, v. 23, p. 133-152, 2001. 

GARCIA, A. M.; VIEIRA, J. P. & WINEMILLER, K. Dynamics of the shallow-water fish assemblage of the Patos Lagoon estuary (Brazil) during cold and warm ENSO episodes. Journa of Fish Biology, v. 59, p. 1218-1238, 2001. 

doi:10.1006/jfbi.2001.1734

GREIG, A. B.; SECCHI, E. R.; ZERBINI, A. N. & DALLA ROSA, L. Stranding events of southern right whales, Eubalaena australis, in southern Brazil. The Journal of Cetacean Research and Management, v. sp, n. 2, p. 157-160, 2001.

RAMOS, L. A. & VIEIRA, J. P. Composição Específica e Abundância de Peixes de Zonas Rasas dos Cinco Estuários do Rio Grande do Sul, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca v. 27, n. 1, p. 109-121, 2001.

SECCHI, E. R.; OTT, P. H.; CRESPO, E. A.; KINAS, P. G.; PEDRAZA, S. & BORDINO, P. A first estimate of franciscana (Pontoporia blainvillei) abundance off southern Brazil. The Journal of Cetacean Research and Management,  v. 3, n. 1, p. 95-100, 2001.

ZERBINI, A. N. & SECCHI, E. R. Occurrence of Hector s beaked whale, Mesoplodon hectori, in southern Brazil. Aquatic Mammals, v. 27, p. 149-153, 2001. 

2000

DANILEWICZ, D.; SECCHI, E. R.; OTT, P. H. & MORENO, I. B. Analysis of the age at sexual maturity and reproductive rates of franciscana (Pontoporia blainvillei) from Rio Grande do Sul, southern Brazil. Comun. Mus. Ciênc. Tecnol.  v. 13, p. 89-98, 2000. 

TORGAN, L. C.; ODEBRECHT, C. & NIENCHESKI, L. F. H. Variação espacial da estrutura de tamanho do fitoplâncton na Laguna dos Patos, sul do Brasil. Atlântica v. 22, n. Único, p. 95-111, 2000.

SEELIGER, U.; CORDAZZO, C. V.; OLIVEIRA, C. P. L. & SEELIGER, M. Long-Term Changes Of Coastal Foredunes In The Southwest Atlantic. Journal of Coastal Research, West Palm Beach, v. 16, n. 4, p. 1068-1073, 2000.  

1998

KINAS, P. G. & SECCHI, E. R. Modeling truncated data to estimate incidental kills of franciscana, Pontoporia blainvillei, by gillnets. Rep Int Whal Commn, v. 48, p. 533-536, 1998.

 1997

SECCHI, E. R.; ZERBINI, A. N.; BASSOI, M.; DALLA ROSA, L.; MOLLER, L. M.; ROCHA-CAMPOS, C. C. Mortality of franciscanas, Pontoporia blainvillei, in coastal gillneting in southern Brazil:1994-1995. Rep Int Whal Commn, v. 47, p. 653-658, 1997.  

ZERBINI, A. N.; SECCHI, E. R.; SICILIANO, S. & SIMOES-LOPES, P. C. A review on the occurrence and distribution of whales of the genus Balaenoptera along the Brazilian coast. Rep Int Whal Commn, v. 47, p. 407-417, 1997.

1996

ZERBINI, A. N.; SECCHI, E. R.; SICILIANO, S. & SIMOES-LOPES, P. C. The dwarf form of the minke whale, Balaenoptera acutorostrata Lacepede, 1804, in Brazil. Rep Int Whal Commn, v. 46, p. 333-340, 1996.

Conteúdo de teste